Ave Maria Imaculada... Rezai o Terço todos os dias... Mãe da Eucaristia, rogai por nós... Rainha da JAM, rogai por nós... Vinde, Espirito Santo... Jesus, Maria, eu amo-Vos, salvai almas!

Temas de Formação

Como identificar pensamentos suicidas

 

Como identificar pensamentos suicidas

 

Alguns factores de risco e uma pergunta

 

Muitos de nós sentimo-nos impotentes quando se trata de reconhecer um suicídio.

 “Isto é tão trágico”.

 “Que desperdício de uma bela vida”.

 “Por que é que ele não nos falou sobre isto?”

 

Por vezes, estamos totalmente perdidos em como lidar com o suicídio, um assunto profundamente devastador.

Mas estamos muito mal informados para discutir isto de forma substancial. O que é compreensível, pois a maioria de nós não é treinada em serviços psiquiátricos e faz o melhor para lidar com as próprias dificuldades na vida.

Descobrir como resolver o problema do suicídio parece estar acima da nossa autoridade.

É importante que cada um de nós se comprometa a ser melhor em falar sobre isso e quebrar certos tabus.

 

Como identificar que uma pessoa está a pensar em suicídio?

A verdade é que cada um de nós pode ter um amigo suicida neste momento mas que não nos conta nada sobre isso.

Eles não nos contam porque sabem que vivem num mundo cruel, mal preparado para ajudá-los sem julgá-los.

A principal razão que impede as pessoas que pensam em acabar com a própria vida de falar sobre o suicídio é o medo de serem rotuladas como frágeis e problemáticas pelo resto da vida.

É preciso muita coragem para falar sobre o desejo de se suicidar, especialmente quando estás a passar por isso.

Toda a pessoa apresenta risco de suicídio. O suicídio não tem rosto.

Mães, pais, jovens, pastores, artistas, o pensamento de acabar com a vida pode enraizar-se na mente de todos.

Mas existem alguns grupos que são mais propensos ao suicídio do que outros.

De acordo com o Centro de Controle e Prevenção de Doenças dos Estados Unidos, lésbicas, gays e bissexuais têm quatro vezes mais probabilidade de tentar suicidar-se do que pessoas heterossexuais.

E 25% dos jovens transgéneros relataram terem tentado tirar a própria vida.

O que algumas pessoas não sabem é que livrar-se desta ideia e aprender a curtir a vida não é uma opção para aqueles que estão verdadeiramente deprimidos.

 

Por que é que o suicídio começa a parecer uma opção viável?

Como identificar que uma pessoa está a pensar em suicídio?

 

John Gibson, um pastor cujo nome foi lançado recentemente como parte do hack de Ashley Madison (onde muitas pessoas foram expostas por criarem contas com a intenção de traírem os seus cônjuges) cometeu suicídio em Agosto.

 “Ele falava sobre a depressão. Ele falava sobre ter o seu nome lá, e disse que estava muito, muito triste. O que sabemos sobre ele é que ele devotou a vida a outras pessoas, e ele o fez de graça, misericórdia e perdão para todos. Mas de alguma forma, ele não conseguia estender isto para si mesmo”.

– Christi Gibson, sobre o suicídio do seu marido, John.

Jody Nelson, um assistente social clínico em Lansing, Michigan, explica parte do porquê uma pessoa se pode sentir atraída pelo suicídio:

 “Uma pessoa suicida muitas vezes vê o suicídio como uma solução pura, limpa e autónoma para o seu estado emocional de desespero. O suicídio nunca é puro. Nunca é limpo. E nunca verdadeiramente autónomo. As pessoas suicidas não são capazes de ver ou prever as consequências do seu ato na vida das pessoas ao redor. A sua própria doença faz com que seja impossível para eles verem isso.”

Ele aconselha-nos a conhecer os fatores de risco:

 

Como identificar que uma pessoa está a pensar em suicídio?

1. Depressão. Isolamento. Perdas.

2. Grandes mudanças de vida (e, às vezes, apenas algumas pequenas como começar ou parar de tomar certos medicamentos).

3. Tentativas de suicídio anteriores. Abuso de substâncias.

4. Comportamentos irracionais ou instáveis.

5. Dificuldades financeiras.

6. Acesso a meios de cometer o ato.

7. Intenção suicida.

8. Uma história de suicídio na família.

9. Ligações a outras pessoas que morreram por suicídio.

Jody Nelson diz que, se percebermos esses sinais, devemos perguntar diretamente a pessoa algo do tipo:

 “Eu notei que estiveste particularmente em baixo ultimamente. Estás a pensar em te fazer mal?”

Isto não fará com que alguém que não tenha tendências suicidas passe a considerar a ideia de repente.

O que isto fará, caso alguém esteja a pensar em suicidar-se, é fazê-lo atravessar uma parede que te está a manter isolado e, de repente, aliviar parte dos sentimentos acumulados, com os quais ele lidou sozinho.

Uma pessoa com depressão e sentimentos suicidas é muitas vezes grata por encontrar alguém com quem possa falar francamente sobre o que está a pensar.

E caso alguém responda que sim, escute-o e converse com ele. Mas também leve-o à emergência, leve-o até lá, vá com ele. Assim, eles terão acesso ao acompanhamento adequado.

Em seguida, fique de olho e acompanhe a situação. Continue a conversar com ele, pois ele vai tentar minimizar a situação. Quem não faria isto?

É por isso que é importante para nós falar sobre isto publicamente e agora.

 

Como identificar que uma pessoa está a pensar em suicídio?

Quando aprendermos a falar sobre o suicídio de forma mais produtiva e demonstrarmos publicamente que estamos a tentar entender um pouco melhor o que costumávamos, abriremos portas caso alguém no nosso círculo esteja a pensar em se suicidar.

Devemos demonstrar que não iremos julgar os nossos amigos e pessoas amadas – apenas amá-los.

Regressar