Ave Maria Imaculada... Rezai o Terço todos os dias... Mãe da Eucaristia, rogai por nós...Rainha da JAM, rogai por nós... Vinde, Espirito Santo... Jesus, Maria, eu amo-Vos, salvai almas!

Meditar faz bem

Ser humilde

SER HUMILDE

Para se fazer a vontade de Deus é preciso antes de tudo ser humilde, “pobre de espírito” (anawin) como pediu Jesus. A Igreja, sempre iluminada e assistida pelo Espírito Santo, na sua experiência bi-milenar, ensina que os piores pecados são aqueles que ela chama de “capitais”. Capital vem do latim “caput”, que quer dizer cabeça. São pecados “cabeças”, isto é, que geram muitos outros.
Assim como, por exemplo, a capital de um estado ou de um país, é de onde procedem as ordens, decisões e comandos, assim também, desses pecados “cabeças”, nascem muitos outros. Por isso eles sempre mereceram, por parte da Igreja, uma atenção especial.

São sete: soberba, ganância, luxúria, gula, ira, inveja e preguiça.

 Santo Agostinho que disse que, se em cada ano vencêssemos um desses sete pecados, ao fim de sete anos, seríamos santos. Portanto, vale a pena reflectir sobre eles, a fim de rejeitá-los, com o auxílio da graça de Deus e da nossa vontade.
O primeiro, e sem dúvida o pior de todos, é a soberba. É o pior porque foi exactamente o que levou os anjos maus  a rebelarem-se contra Deus, e levou Adão e Eva à desobediência mortal.
A soberba consiste na pessoa sentir-se como se fosse a geradora dos seus próprios bens materiais e espirituais.
Acha-se cheia de si mesma, pensa, melancolicamente, que é a própria autora daquilo que tem ou que faz de bom, e esquece-se de que tudo vem de Deus e é dom do alto, como disse São Tiago:
“Toda a dádiva boa e todo o dom perfeito vêm de cima: descem do Pai  das luzes” (Tg 1,17).
O soberbo esquece-se que é uma simples criatura, que saiu do nada pelo amor e chamamento de Deus, e que, portanto, Dele depende em tudo. Como disse Santa Catarina de Sena, ele “rouba a glória de Deus”, pois quer para si as homenagens e os aplausos que pertencem só a Deus, já que Ele é o autor de toda a graça.
A soberba é o oposto da humildade. Esta palavra vem de “humus”, daquilo que se acha na terra, pó. O humilde, é aquele que reconhece o seu “nada”, a sua contingência, embora seja a mais  bela obra de Deus sobre a terra, a sua glória, como dizia santo Irineu.
Foi a soberba que perdeu a humanidade, foi a humildade que a salvou. São Leão Magno, Papa e doutor da Igreja, garante: “Toda a vitória do Salvador dominando o demónio e o mundo, foi iniciada na humildade e consumada na humildade!”
 Adão e Eva sendo criaturas quiseram “ser como deuses” (Gn 3,5), Jesus, sendo Deus, fez-se como a criatura. Da manjedoura à cruz do Calvário, toda a vida de Jesus foi vivida na humildade e na humilhação. São Paulo resume isto na carta aos filipenses: “Sendo Ele de condição divina, não se valeu da sua igualdade com Deus, mas aniquilou-se a si mesmo, assumindo a condição de escravo e assemelhando-se aos homens. E, sendo exteriormente reconhecido como homem, humilhou-se ainda mais, tornando-se obediente até à morte, e morte de cruz” (Fil 2,6-8).
 Pela humildade e pela humilhação Jesus tornou-se o “novo Adão” que salvou o mundo (Rm 5,12s). Maria, a mãe do Senhor, tornou-se a “nova Eva”, ensina a Igreja, porque na sua humildade destruiu os laços da soberba da primeira virgem. Ela disse: “Ele olhou para a humildade da sua serva”.(Lc 1,39)
 Muitos cristãos são cheios de boas virtudes, mas infelizmente tornam-se “inchados”, pensando infantilmente que estas boas virtudes são méritos próprios e não graças de Deus, para serviço dos outros. Deus disse a Santa Catarina: “o pecador, qual ladrão, rouba-Me a honra, para atribuí-la a si mesmo”.
São Paulo pergunta aos coríntios: “O que há de superior em ti? Que possuis que não tenhas recebido? E, se o recebeste, porque te glorias, como se o não tivesses recebido?” (1 Cor 4,7).
Como ninguém, o Apóstolo sentia em si as misérias humanas, convivendo com as riquezas da graça de Deus. Ele disse aos coríntios: “Temos este tesouro em vasos de barro, para que transpareça claramente que este poder extraordinário provém de Deus e não de nós” (2 Cor 4,7).
É de Santo Agostinho a expressão: “Eis a grande ciência do cristão: conhecer que nada é e nada pode”.
 Ser humilde é ser santo, é viver o oposto de tudo isto: é saber descer do pedestal, é não se auto-adorar, é preferir fazer a vontade dos outros do que a própria, é ser silencioso, discreto, escondido, é fugir das pompas e dos aplausos.
São João Batista foi modelo de humildade e ensinou-nos a sua essência. Ao falar de Jesus, ele disse: “Importa que Ele cresça e que eu diminua!” (Jo 3,30).
 Isto diz tudo. Quando Jesus iniciou a sua vida pública, João apresentou-o ao povo: “eis o Cordeiro de Deus”, e desapareceu, até ser martirizado no cárcere de Herodes. Que lição de humildade!  Também Nossa Senhora, sendo, “a Mãe do Senhor” (Lc 2,43), fez-se “a escrava do Senhor” (Lc 1,38).

Regressar