Ave Maria Imaculada... Rezai o Terço todos os dias... Mãe da Eucaristia, rogai por nós...Rainha da JAM, rogai por nós... Vinde, Espirito Santo... Jesus, Maria, eu amo-Vos, salvai almas!

Jovens com Valor

De Madrid à zona de guerra na Ucrânia, com ajuda, o terço, uma pequena imagem de Nossa Senhora, um colete e um capacete

 

Neste mundo há pessoas corajosas e há pessoas que são um pouco loucas. A mistura das duas coisas é o que caracteriza a pessoa de Paula Aguiló Serrano, uma jovem licenciada em Direito e Relações Internacionais que, sem hesitar, vai à Ucrânia há mais de um ano para ajudar católicos e cidadãos do país. Ela afirma, bem-humorada, que considera estas viagens como o estágio da sua carreira.

Esta madrilena já fez quatro viagens à Ucrânia, cada uma com uma duração aproximada de um mês e meio. Ela conta o que move o seu coração a fazer este trabalho arriscado.

- Conheci pessoas que fizeram viagens à fronteira com a Polónia para acolher refugiados e levar ajuda humanitária. O que eu não tinha visto é alguém cruzar a fronteira por sua conta e risco, sem a ajuda de nenhuma ONG ou algo assim. Como surgiu esta ideia?

- Quando começou a guerra na Ucrânia, comecei a fazer noites de oração com um grupo de amigos, durante as noites de quinta para sexta-feira. Pouco tempo depois três de nós decidimos fazer uma viagem para levarmos ajuda directamente a alguns padres que precisavam e estavam em Kiev, e foi assim que comecei a primeira aventura.

- Mas em que momento decidiste dar o passo de cruzar a fronteira para ajudar directamente?

— Sou católica e o facto de haver milhares de meus irmãos e irmãs que estavam a sofrer desafiou-me muito directamente a vir em seu auxílio. Esta experiência marcou-me tanto que já fiz quatro viagens e estou a organizar uma nova expedição. Nas minhas viagens, pude ver em primeira mão como a ajuda é importante, não só a ajuda material, mas, acima de tudo, o acompanhamento de padres e freiras que cuidam de orfanatos e lares de idosos.

- Como é que os ajudas realmente?

- A primeira coisa que me pediram foram hóstias e vinho para a missa, o que reafirmou a necessidade de fazer a viagem. Agora, a maior parte da bagagem é composta por medicamentos e geradores elétricos (algo indispensável numa zona de guerra) e ambulâncias (se eu tiver a sorte de doar uma a uma instituição). Com as doações que colecciono de familiares e amigos, também compro alimentos e agasalhos na própria Ucrânia. Lá são mais baratos e seria impossível levá-los daqui.

Na minha segunda viagem, entrei em contacto com quatro ucranianos que procuravam os corpos de parentes que tinham desaparecido na fronteira. Eles são os únicos que estão a fazer este trabalho. É uma tarefa difícil, mas é um grande conforto para os familiares poderem enterrar os seus entes queridos. Também recolhemos os cadáveres russos que foram deixados na linha da frente ucraniana e os entregamos ao exército russo.

"Nunca tiveste situações perigosas?"

- Na área em que nos movemos, não há um único dia em que estejamos fora de perigo. Há sempre o risco de bombardeios, minas, drones e, mais perto da frente, a própria artilharia.

"Numa ocasião, vimo-nos no meio de um confronto com tiros e artilharia pesada. Tínhamos acabado de avaliar as necessidades de uma população que estava na linha de frente na época, e só havia uma rota adequada para voltar, o problema era que o mapa que nos informava como a frente tinha avançado naquele dia ainda não tinha sido actualizado. Dois caças russos atropelaram-nos, mas graças a Deus saímos ilesos.

- Como é que a tua família aceita as tuas viagens? Eles entendem e apoiam-te?

- Várias coisas precisam de ser explicadas aqui. Sou a mais velha de dez irmãos e os meus pais transmitiram-nos a fé católica com muito carinho. No entanto, a partir dos 11 ou 12 anos comecei a ter uma crise de fé e de sentido que se arrastou até aos 23 anos. Os meus pais e irmãos sofreram com o meu afastamento de Deus, mas respeitaram-me. Um dia vários amigos organizaram uma palestra na minha casa e convidaram um padre. A minha mãe sugeriu a ideia de me confessar, algo que eu não fazia desde os 15 anos, e ela nunca havia me perguntado directamente. Fiquei surpresa com a proposta, mas concordei, e foi aí que tudo começou.

"Com este contexto em mente, ides entender que a minha família está feliz com o meu retorno à fé e está orgulhosa do trabalho que faço, embora obviamente preferissem que eu ficasse em casa tranquila e sem me mexer. Graças a Deus eles vivem isto com fé e sabendo que é o que eu tenho que fazer.

O que significou teres voltado para Deus?

- Uma alegria enorme e uma mudança radical em tudo. Nos últimos três anos tenho vivido a minha fé com grande intensidade e tento fazer de Cristo e de Nossa Senhora o centro do meu dia. Depois de cada viagem à Ucrânia, costumo passar várias semanas em retiro em mosteiros. Isto ajuda-me a concentrar no que é importante, e o silêncio e a solidão intensificam o meu relacionamento com Deus.

"Na Ucrânia, pude ver muito de perto a acção da graça e do afecto materno da Virgem Maria. Por exemplo, numa ocasião eu fiz mais de 300 quilómetros na reserva do carro. Não é fácil encontrar postos de gasolina na Ucrânia, especialmente perto da frente, mas decidimos embarcar numa jornada inesperada para procurar remédios e alimentos para um orfanato. Posso garantir que o meu veículo não teve falhas no sensor. Foi Nossa Senhora que quis que pudéssemos chegar ao nosso destino sem consumir combustível.

- Vemos nas fotos no seu instagram (@misionucraniaesp) que a Virgem Maria está muito presente nas tuas viagens.

- [Risos]. Sim, quando vou para a frente vou com o meu colete à prova de balas e o terço pendurado do lado de fora. Também levamos uma pequena imagem de Nossa Mãe no banco do passageiro ou no peito (presa com o cinto de segurança).

"Há gente que não tem fé, mas quando vê estas coisas, acaba por perguntar, lembrando a infância, etc. Além disso, para eles é também um sinal de por que faço isto, e sei que depois alguns deles voltaram a rezar.

Regressar