Ave Maria Imaculada... Rezai o Terço todos os dias... Mãe da Eucaristia, rogai por nós...Rainha da JAM, rogai por nós... Vinde, Espirito Santo... Jesus, Maria, eu amo-Vos, salvai almas!

Espiritualidade

Creio na remissão dos pecados

Creio na remissão dos pecados  

Paulo VI afirmou na sua Profissão de Fé: “Cremos que Nosso Senhor Jesus Cristo, pelo Sacrifício da Cruz, nos remiu do pecado original e de todos os pecados pessoais cometidos por cada um de nós; de sorte que se impõe como verdadeira a sentença do apóstolo: “onde abundou o delito, superabundou a graça” (cf. Rm 5,20).

 Cremos professando num só batismo, instituído por Nosso Senhor Jesus Cristo, para a remissão dos pecados. O batismo deve ser administrado também às crianças que não tenham podido cometer por si mesmas pecado algum; de modo que, tendo nascido com a privação da graça sobrenatural, renasçam da água e do Espírito Santo para a vida divina em Jesus Cristo” (n.17).

Cristo deu aos apóstolos o Seu poder divino de perdoar os pecados ao lhes dar o Espírito na Sua primeira aparição a eles, no cenáculo, no domingo da Ressurreição. Jesus estava ansioso para distribuir, por meio dos apóstolos e da Igreja, o perdão dos pecados da humanidade que ele tinha conquistado com a Sua Paixão, Morte e Ressurreição gloriosa. Cristo quis que o perdão fosse ministrado a cada pecador arrependido que confessasse os seus pecados à Igreja, por meio dos Seus ministros ordenados.

 Recebei o Espírito Santo. Aqueles a quem perdoardes os pecados, lhes serão perdoados; aqueles a quem os retiverdes, lhes serão retidos” (Jo 20,22-23).

Jesus ligou o perdão dos pecados à fé e ao Batismo. O Batismo é o primeiro e o principal sacramento para o perdão dos pecados: une-nos a Cristo morto e ressuscitado dá-nos o Espírito Santo.

 Ide por todo o mundo e proclamai o Evangelho a toda criatura. Aquele que crer e for batizado será salvo” (Mc 16,15.16). O Batismo é o primeiro e principal sacramento do perdão dos pecados, porque nos une a Cristo morto pelos nossos pecados, ressuscitado para nossa justificação, para que “também vivamos vida nova” (Rm 6,4). Pelo Batismo nós somos inseridos na Paixão, Morte e Ressurreição do Senhor. O nosso Catecismo ensina o poder e a força salvadora do Batismo:

 No momento em que fazemos a nossa primeira profissão de fé, recebendo o santo Batismo que nos purifica, o perdão que recebemos é tão pleno e tão completo que não nos resta absolutamente nada a apagar, seja do pecado original, seja dos pecados cometidos por nossa própria vontade, nem nenhuma pena a sofrer para expiá-los. (…) Contudo, a graça do Batismo não livra ninguém de todas as fraquezas da natureza. Pelo contrário, ainda temos de combater os movimentos da concupiscência, que não cessam de nos arrastar para o mal” (978).

Deus sabe que por causa do pecado original, o combate contra a inclinação para o mal, a concupiscência da carne, é dura, e quem seria bastante forte e vigilante para nunca pecar? Era então necessário que a Igreja tivesse o poder de perdoar os pecados, e também era preciso que o Batismo não fosse o único meio para se entrar no Reino dos Céus. Era preciso que ela fosse capaz de perdoar as faltas dos seus filhos arrependidos, ainda que tivessem pecado até ao último instante da sua vida; já ensinava o Catecismo Romano.

Por isso Cristo instituiu o Sacramento da Penitência ou Confissão. É por este sacramento que o batizado pode ser reconciliado com Deus e com a Igreja após o pecado. Os Padres da Igreja chamavam à Penitência “um Batismo laborioso”. O sacramento da Penitência é necessário para a salvação daqueles que caíram depois do Batismo, assim como o Batismo é necessário para os que ainda não foram regenerados.

Santo Agostinho disse: “A Igreja recebeu as chaves do Reino dos Céus para que se opere nela a remissão dos pecados pelo sangue de Cristo e pela ação do Espírito Santo É nesta Igreja que a alma revive, ela que estava morta pelos pecados, a fim de viver com Cristo, cuja graça nos salvou” (Sermão 214, 11).

O Catecismo da Igreja diz algo muito importante: “Não há pecado algum, por mais grave que seja, que a Santa Igreja não possa perdoar. “Não existe ninguém, por mau e culpado que seja, que não deva esperar com segurança o seu perdão, desde que o seu arrependimento seja sincero.” Cristo que morreu por todos os homens, quer que, na sua Igreja, as portas do perdão estejam sempre abertas a todo aquele que recua do pecado” (§982).

Então, nenhum pecador pode desesperar ou desanimar da Salvação; seria falta de fé. Basta uma gota do preciosíssimo Sangue de Cristo para perdoar todos os nossos pecados, no entanto, Ele derramou todo o seu Sangue por nós. Só não pode ser perdoado o pecador de que tiver o coração endurecido e não corresponder à graça de Deus, fechando-se para o arrependimento; é o pecado contra o Espírito Santo. Neste caso, a falta do perdão não acontece por falta de misericórdia de Deus, mas por ação do pecador que rejeita o perdão de Deus.

Regressar