Ave Maria Imaculada... Rezai o Terço todos os dias... Mãe da Eucaristia, rogai por nós...Rainha da JAM, rogai por nós... Vinde, Espirito Santo... Jesus, Maria, eu amo-Vos, salvai almas!

Espiritualidade

Como faço para ouvir Deus?

 

Como faço para ouvir Deus?  

 

Já ouviste a voz de Deus? Como saber se realmente é Ele quem fala e não nós mesmos?

 

No início da Bíblia, encontramos um verbo vinculado a Deus em todo o Livro Sagrado: “Deus disse” (Gn 1,3). Ao longo de toda a Escritura, podemos observar que o Senhor mantém uma relação íntima com o homem, a qual é baseada no diálogo. O próprio Livro da Bíblia é um meio que Ele usa para nos falar. Mas tu já ouviste a voz de Deus? Como saber se realmente é Ele quem fala, e não nós mesmos? Ele fala apenas com pessoas perfeitas?

 

Como faço para ouvir Deus?

 

Podemo-nos assustar ao observarmos a vida dos santos e notar o nível de diálogo que eles mantinham com o Senhor. Santa Teresa, por exemplo, em certa ocasião em que viajava, caiu numa poça de lama. Então, olhou para o céu e disse: “Senhor, por quê tantas dificuldades no caminho, se estou a cumprir as Tuas ordens?”. O Senhor respondeu: “Teresa, não sabes que é assim que trato os meus amigos?”. Ela retrucou: “Ah, Senhor, então é por isso que tens tão poucos!”

 

Deus deseja ser próximo do homem, criar intimidade e amizade com ele. Observemos, por exemplo, a relação de Deus com Adão. Ao criá-lo, o Senhor permitiu que ele desse nome a toda criação e alertou-o sobre o fruto proibido. O Senhor Deus também lhe disse: ‘Não é bom que o homem esteja só; vou dar-lhe uma ajuda que lhe seja adequada’” (cf. Gn 2,15s). Vejamos a proximidade com que o Senhor conservava o homem! Ele criou-nos para convivermos na Sua intimidade.

 

Existe um caminho a ser seguido para chegar a uma escuta íntima de Deus, porém, é um caminho, não uma fórmula, pois há grande erro em buscar uma uniformidade quando queremos escutar o Senhor. Ele fez-nos únicos e ama-nos com um amor particular, portanto, fala-nos de forma individual. O Senhor usa da linguagem que estamos acostumados, fala no idioma que compreendemos.

 

Vamos, então, ver alguns passos importantes nesta experiência:

 

Buscar a Deus. Isto é óbvio. Não ouviremos o Senhor se não o buscarmos. Deus é uma pessoa, e quando queremos dialogar com uma pessoa, procuramos meios para chegar a ela. Busque momentos para estar com o Senhor, só com Ele, sem telemóvel, sem música, sem leitura, apenas com o Pai. “Quando rezar, entre no seu quarto, feche a porta e reze ao seu Pai” (Mt 6,6).

 

Diga o que você quer dizer. Muitos sofrem, pois ficam com a cabeça cheia durante a oração, pensam em muitas coisas, vêem muitas situações e distraem-se facilmente. O que nos pode ajudar é, ao chegarmos à capela, dizermos a Deus tudo o que queremos, gastar uns dez minutos de limpeza da mente, falar do cansaço, do trabalho, da família, e, depois disso, fazer um pouco de silêncio.

 

O desejo de ouvir, às vezes, atrapalha. Muitas vezes, criamos ansiedade e expectativas que nos atrapalham. A tensão não colabora para que o nosso coração encontre o coração de Deus. É importante que haja liberdade em estar com Ele, sem obrigações. Esteja livremente junto d’Ele.

 

Silencie. Estamos a falar de diálogo, uma grande dificuldade da relação humana, pois não aprendemos a ouvir o outro. A agitação e o ritmo acelerado que a sociedade vive deixam-nos sempre apressados, querendo tudo para agora. Assim, não deixamos as pessoas falarem, antecipamo-nos à fala do outro, queremos adivinhar o que ele vai dizer. Do mesmo modo que agimos com as pessoas, na agitação, transferimos para Deus. Após um momento de oração, de dizer tudo o que quer a Deus, é importante dar tempo para que Ele fale, é necessário silenciar no ambiente e no nosso coração. O princípio de uma boa escuta é dar tempo para o outro falar.

 

Deus realmente falou comigo?

 

Deparamo-nos, às vezes, com esta dúvida. Para isso, precisamos sempre de ter em mente que o Senhor não se contradiz. Por isso, se aquilo que ouvirmos for contra alguma lei que Ele já instituiu, contra o amor ao outro ou contra a Igreja, é fácil saber que não vem d’Ele.

 

Conforme criamos intimidade com o Senhor, reconhecemos com mais rapidez a Sua voz na nossa consciência. Ele também nos fala nos factos, nos acontecimentos do mundo, na Bíblia, por meio de uma música ou por intermédio de outra pessoa.

 

Há um ponto importantíssimo que prova, realmente, se Deus falou comigo: Quando Ele fala, as Suas palavras ecoam por muito tempo, e o que Ele diz cumpre-se. “O que disse, executarei; o que concebi, realizarei” (Isaías 46,11). Deus é fiel ao que diz, e o que Ele diz fica gravado em nós, não se apaga, porque a Sua voz ecoa na nossa existência.

 

O Senhor deseja cultivar, com cada um de Seus filhos, uma relação pessoal e íntima. Reze e peça esta intimidade ao Espírito Santo, pois Ele é o mediador.

 

Que o Senhor nos dê um coração aberto, e ouvidos atentos à Sua voz.

Regressar