Ave Maria Imaculada... Rezai o Terço todos os dias... Mãe da Eucaristia, rogai por nós...Rainha da JAM, rogai por nós... Vinde, Espirito Santo... Jesus, Maria, eu amo-Vos, salvai almas!

Espiritualidade

A noite escura da alma: uma análise psicológica

 Aprende a reconciliar-te com a tua própria história

Dentro da Psicologia Analítica, chamamos “alma” a uma parte do nosso ser que nos torna completos. Há quem procure o (re)encontro com as almas perdidas.

Quando pensamos em “alma”, automaticamente pensamos em serenidade, clareza. E é justamente isto que a “alma” é. Quando a perdemos, perdemos o sentido, a autoidentidade e a clareza.

E perguntamos: “mas, onde é que a perdemos de vista?”

Volta ao passado e lembra-te de todos os momentos marcantes. Lembra-te das dores sentidas, das decepções, do amor não correspondido e das tristezas que foram profundas. Dentre estes momentos, escolhe o que mais marcou a tua vida, e que, a partir de então, tu já não foste mais a mesma pessoa. Talvez tenha sido exactamente neste momento da tua vida que a tua alma se perdeu.

Hoje, estás aqui, e a alma pela qual tu tanto buscas – esperança, clareza e serenidade – permanece naquele momento marcante do teu passado.

E, então, perguntas: “mas, como faço para (re)encontrá-la, se o passado, passou?”.

Aceita que não se pode mudar o passado. Esta é, e acredito que sempre será, uma dificuldade do ser humano. Nós agarramo-nos a um passado, pensando que tudo poderia ter sido diferente, e não vivemos o presente.

Para voltarmos naquele momento marcante das nossas vidas, o exacto momento no qual nós nos perdemos das nossas almas, muitas vezes é necessário termos a vontade de reconciliação e a disposição ao perdão – a nós mesmos e ao outro.

Voltar ao momento que nos obrigou a lidar com o desprezo, com a angústia e com a solidão não é uma missão fácil. Temos medo de (re)viver e de sentir pela segunda vez tudo o que sentimos. Mas a missão, é necessária para o (re)encontro com a nossa alma perdida.

A nossa completude e sentido retornarão a nós quando libertarmos o perdão a nós mesmos e àquele que nos feriu. Meu amigo, quando isto acontece, já somos nós – outra vez.

Volta ao passado através da tua memória, relembra as tuas batalhas mais difíceis, trabalha e permite-te reconciliares-te com a tua própria história.

E lembra sempre: nunca será possível mudarmos o nosso passado. Contudo, é possível voltarmos ao tempo através da nossa memória e do nosso coração, e nos reconciliarmos com ele. A tua alma espera por ti, para que a noite escura acabe e para que o dia amanheça. Novamente!

Talita Rodrigues


Regressar