Ave Maria Imaculada... Rezai o Terço todos os dias... Mãe da Eucaristia, rogai por nós...Rainha da JAM, rogai por nós... Vinde, Espirito Santo... Jesus, Maria, eu amo-Vos, salvai almas!

Alguns Santos

São Tarcísio, o mártir da Eucaristia

São Tarcísio, o mártir da Eucaristia

 

São Tarcísio era um menino que levava a comunhão aos cristãos presos nas cadeias romanas” e que morreu mártir da Eucaristia na perseguição do imperador Valeriano, pelo ano 258 da era cristã.

 

O Papa Cornélio deixou registrado que naqueles tempos a Igreja de Roma contava com 50 padres, 7 diáconos e cerca de 30 mil fiéis. O menino Tarcísio era acólito, ajudava no altar e acompanhava o Papa na celebração da missa.

Veio a perseguição de Valeriano contra os cristãos. Muitos deles foram presos, processados e condenados à morte, e esperavam a execução.

Na prisão, o desejo de se alimentar da Eucaristia era muito grande. Eles sabiam que da comunhão lhes vinha a força para enfrentar a morte no testemunho de Jesus.

Mas como fazer a comunhão chegar até eles?

Dois diáconos – Felicíssimo e Agapito – disfarçados prestaram este serviço aos irmãos na fé, até serem descobertos e condenados à morte.

Era um problema para o Papa Sisto II, particularmente nas vésperas das execuções:

como fazer chegar a comunhão aos que iriam morrer por Cristo?

 

Foi então que o menino Tarcísio, o acólito, com apenas 12 anos de idade, se apresentou e ofereceu-se para levar a comunhão aos cristãos. E não houve meios de o remover deste propósito. Aos argumentos de que era muito criança ele respondia que isto iria até favorecer a sua entrada na prisão. Todos iriam pensar que ele era um parente de algum dos condenados.

 

Comovido e convencido, o Papa deu-lhe uma caixinha de prata com a Eucaristia para ser levada aos futuros mártires. A caminho da prisão, uns rapazes notaram que ele caminhava com muita compenetração. Perguntaram-lhe o que ele levava escondido junto ao peito, sob as vestes. Ele negou-se a revelar o segredo de que levava com ele os mistérios de Cristo, quando mão criminosa se empenhou em profaná-los.

O pequeno Tarcísio preferiu deixar-se chacinar a entregar aos cães raivosos o corpo do Salvador. Foi então agredido e apedrejado até morrer.

Recolhido por um soldado cristão, chamado Quadrado, o seu corpo foi levado às catacumbas e lá sepultado.

 

Tarcísio morreu para impedir a profanação da Sagrada Eucaristia.

Tarcísio é um mártir da Eucaristia.

 

Nas catacumbas de S. Calisto, em Roma, há inscrições que revelam o carinho e devoção que os cristãos de Roma dedicaram a Tarcísio.

O progresso do culto do Santíssimo Sacramento veio tornar muito popular S. Tarcísio nos tempos modernos.

 

S. Tarcísio foi declarado padroeiro dos acólitos e é lembrado pela Igreja no dia 15 de Agosto.

 

Regressar