Ave Maria Imaculada... Rezai o Terço todos os dias... Mãe da Eucaristia, rogai por nós...Rainha da JAM, rogai por nós... Vinde, Espirito Santo... Jesus, Maria, eu amo-Vos, salvai almas!

Alguns Santos

Santa Maria Goretti

 Santa Maria Goretti

Maria Goretti era a terceira de sete irmãos, filhos de um humilde casal de camponeses. Não havia nesse lar riquezas, mas não faltava a riqueza da fé em Cristo.
A Igreja neste dia celebra a virgem e mártir q encantou e continua enriquecendo os cristãos com seu testemunho de sim a Deus e não ao pecado. Nasceu em Corinaldo, centro da Itália.

Com a morte do pai, Maria Goretti com os seus foram viver para um local perto de Roma e passaram a morar sob o mesmo teto de uma família composta pelo pai viúvo e dois filhos, sendo um deles, Alexandre. Aconteceu que o jovem Alexandre por várias vezes tentou seduzir Goretti que em casa ficava para cuidar dos irmãozinhos, mas por ser uma menina de Deus, a sua resposta era cheia de maturidade: "Não, não, Deus não quer, é pecado!"
Santa Maria Goretti certa vez estava em casa e em Deus, por isso quando o jovem, que era de maior estatura e idade tentou novamente seduzi-la, Goretti resistiu com um grande não, por causa do seu sempre sim ao Deus da pureza. A resposta de Alexandre foram 14 facadas, enquanto da parte de Goretti, percebemos na confidência a sua mãe: "Sim, perdoo... Lá no céu, rogarei para que ele se arrependa...quero que ele esteja comigo na glória eterna".

O martírio desta adolescente de apenas 12 anos foi a causa da conversão do jovem Alexandre que depois de sair da cadeia esteve com as 400 mil pessoas na praça de São Pedro e ao lado da mãe de Goretti que a perdoou também. Santa Maria Goretti foi menina pura e santa por causa do seu amor a Deus, por isso na Glória reina com Cristo.
S. Maria Goretti, rogai por nós!

 

 

Da Homilia de Pio XII, na canonização de Santa Maria Goretti

Esta jovem (criança ainda), aos doze anos de idade, em defesa da sua castidade, preferiu morrer a manchar a sua alma, e por isso morreu apunhalada.

Todos conhecem o terrível combate que esta virgem, indefesa, teve de enfrentar. Contra ela se levantou, inesperadamente, uma tremenda e cega tempestade, que procurava manchar e violar a sua pureza angélica. Mas ao ver-se em tão grave situação, ela podia repetir ao divino Redentor estas palavras de ouro do livro da «Imitação de Cristo»; «Ainda que eu seja tentada e perturbada com muitas tribulações, nada temo, se a vossa graça está comigo. Ela é a minha fortaleza; ela me aconselha e ajuda. Ela é mais forte do que todos os meus inimigos». Assim protegida pela graça celeste, à qual correspondeu com uma vontade forte e generosa, deu a sua vida, mas não perdeu a glória da virgindade.

Aprendam os pais com quanto empenho devem educar na rectidão, na santidade e na fortaleza os filhos que Deus lhes deu, e formá-los na obediência aos preceitos da religião católica, para que possam, com o auxílio da graça divina, sair vencedores, sem feridas e sem manchas, quando for posta à prova a sua virtude.

Aprenda a juventude a não se deixar cair miseravelmente nos prazeres efémeros e ilusórios da paixão, a não ceder perante a sedução do vício, mas antes a combater com alegria, mesmo entre dificuldades e espinhos, para alcançar aquela perfeição cristã de bons costumes, que todos podemos atingir com a força de vontade, ajudada com a graça divina, por meio do esforço, do trabalho e da oração.

Nem todos somos chamados a sofrer o martírio; mas todos somos chamados a adquirir as virtudes cristãs. A virtude, porém, exige energia, que embora não atinja as alturas da fortaleza desta angélica menina, nem por isso obriga menos a um cuidado contínuo e muito atento, que deve ser sempre mantido por nós até ao fim da vida. Por isso, semelhante esforço pode ser considerado um martírio lento e prolongado.

Esforcemo-nos por alcançar este objectivo, confiados na graça do Céu. Sirva-nos de estímulo o exemplo da virgem e mártir Santa Maria Goretti. Que ela interceda por nós junto de Deus, para que todos, cada um segundo a própria vocação, com generosidade, com vontade decidida e com obras de virtude, sigamos o seu caminho glorioso.

Oração
Senhor, amigo da infância e fonte da pureza, que destes a graça do martírio à jovem Santa Maria Goretti, concedei-nos, por sua intercessão, a perseverança nos vossos mandamentos, como lhe destes a recompensa por ter defendido até à morte a sua virgindade. Por nosso Senhor Jesus Cristo vosso Filho. Ámen.

 

João Paulo II fala sobre a Santa Maria Goretti

O martírio de Maria Goretti recorda que o ser humano não se realiza seguindo os impulsos do prazer...

1. Em seis de Julho de 1902, morria Maria Goretti, ferida gravemente um dia antes pela cega violência de quem a agrediu. O meu venerado predecessor, o servo de Deus Pio XII, a proclamou santa em 1950, como modelo para todos, de corajosa fidelidade a vocação cristã, até ao supremo sacrifício de doar a própria vida.
Desejo que a vida desta virgem e mártir seja ainda mais conhecida pelos adolescentes e pelos jovens.
Santa Maria Goretti è um exemplo para as novas gerações, ameaçadas por uma mentalidade de descompromisso, que custa em compreender a importância dos valores, os quais não é nunca permitido descer a compromissos.

2. Por ser pobre e privada de instrução, Maria com menos de 12 anos, possuía uma personalidade forte e madura, formada por uma educação religiosa recebida pela sua família. Isto a fez capaz de não somente defender a própria pessoa com heróica castidade, mas também de perdoar ao seu assassino.
O seu martírio recorda que o ser humano não se realiza seguindo os impulsos do prazer, mas vivendo a própria vida no amor e na responsabilidade.
Sei bem que vós, queridos jovens, sois sensíveis a estes ideais. Gostaria hoje de repetir -vos: não deixeis que a cultura do ter e do prazer adormeça as vossas consciências! Sede “sentinelas atentos e vigilantes, para serdes autênticos protagonistas de uma nova humanidade.

3. Voltamo-nos agora para a Virgem Maria, da qual Santa Maria Goretti trazia o nome. A mais pura entre as criaturas ajude os homens e mulheres do nosso tempo, especialmente os jovens, a redescobrir o valor da castidade e a viver os relacionamentos interpessoais no respeito recíproco e no amor sincero.

 

 

Regressar