Ave Maria Imaculada... Rezai o Terço todos os dias... Mãe da Eucaristia, rogai por nós...Rainha da JAM, rogai por nós... Vinde, Espirito Santo... Jesus, Maria, eu amo-Vos, salvai almas!

A Família

Vida sexual no casamento

Vida sexual no casamento, será que vale tudo? 

 

O facto de o sexo ser legítimo no casamento, e só no casamento, não quer dizer que “vale tudo” após o matrimónio

Não somos animais irracionais; aliás, nem os animais irracionais usam o sexo de maneira errada. Ao contrário, são extremamente naturais.

A moral católica  rege-se pela “lei natural” que Deus colocou no mundo e no coração do homem. Aquilo que não está de acordo com a natureza, não está de acordo com a moral. Será que, por exemplo, o sexo oral e anal estão de acordo com a natureza? Certamente não.

O Catecismo da Igreja ensina o seguinte: “Os actos com os quais os cônjuges se unem íntima e castamente são honestos e dignos. Quando realizados de maneira verdadeiramente humana, testemunham e desenvolvem a mútua doação pela qual os esposos se enriquecem com o coração alegre e agradecido” (CIC 2362).

O Papa Pio XII tem palavras esclarecedoras sobre a vida sexual dos casais: “O próprio Criador (…) estabeleceu que, nesta função, os esposos sentissem prazer e satisfação do corpo e do espírito. Portanto, os esposos não fazem nada de mal em procurar este prazer e em gozá-lo. Eles aceitam o que o Criador lhes destinou. Contudo, os esposos devem saber manter-se nos limites de uma moderação justa” (CIC parágrafo 2362).

Tenho ouvido esposas que se queixam dos maridos que as obrigam a fazer o que elas não querem ou não aceitam no ato sexual. É uma violência obrigá-las a isso. Aquilo que cada um aceita, dentro das suas características psicológicas, não sendo uma afronta à lei natural, pode ser vivido com liberdade pelo casal.

É legítimo que o esposo prepare a esposa para que haja o que se chama harmonia sexual, isto é, ambos atinjam o orgasmo. O esposo deve se guiar exactamente pela orientação da esposa, que lhe saberá mostrar naturalmente o que ela precisa para chegar ao orgasmo com ele.

As carícias sexuais em preparação para o ato sexual são lícitas, mesmo as orogenitais, a fim de que ambos consigam chegar ao orgasmo. E o marido deve ajudar a esposa nesse sentido, pois, normalmente, ela tem mais dificuldade. Isto não é fazer sexo oral. O sexo oral acontece quando o casal busca o orgasmo apenas por meio oral, e isso não deve ser feito.

Não é lícito o casal praticar a masturbação mútua, porque não se pode respeitar a dimensão procriativa dessa forma; mas, durante a relação sexual normal, o marido pode ajudar a esposa a chegar ao orgasmo com carícias mais profundas. Isso não é masturbação, pois é feito durante o acto normal.

O casal deve vigiar para que a relação sexual não seja mundanizada, isto é, realizada à moda da prostituição vendida em filmes pornográficos. O casal cristão não precisa de DVDs eróticos para se preparar para o ato sexual. Da mesma forma, o casal que busca Deus não precisa se deliciar em um motel de beira de estrada. Sabemos que ali é um lugar de prostituição, de adultério e fornicação, actos tão condenados por Deus. Ora, assim como um casal não entra para fazer uma refeição em um restaurante sujo, da mesma forma não pode celebrar o seu amor numa cama de adúlteros.

O casal cristão pode experimentar plenamente o segredo da felicidade sexual no prazer e na alegria, porque sabe combinar, na cama, harmoniosamente, o corpo e a alma, o humano com o divino.

Sem isso, não adiantam excitantes, hormônios, “viagras”, técnicas, bebidas, músicas, danças, sofisticações eróticas ou posições acrobáticas. Algumas dessas coisas, quando usadas com equilíbrio, até podem ajudar a harmonia sexual do casal, mas se faltar a essencial conjugação do corpo com o espírito, tudo pode falhar e terminar em frustração.

Prof. Felipe Aquino

Regressar