Ave Maria Imaculada... Rezai o Terço todos os dias... Mãe da Eucaristia, rogai por nós...Rainha da JAM, rogai por nós... Vinde, Espirito Santo... Jesus, Maria, eu amo-Vos, salvai almas!

A Família

Harmonia Conjugal

Casamento, uma escola de amor

O casamento, e a família de modo especial, é uma escola de amor, porque a convivência diária obriga a acolher os outros com respeito, diálogo, compreensão, tolerância e paciência. Este exercício forte de vivência das virtudes faz cada um crescer como pessoa humana. Na família, Deus ensina-nos a amar e dá-nos a oportunidade de sermos amados.

A harmonia conjugal é atingida quando o casal, na vivência do amor, se ‘supera a si mesmo’ e harmoniza as suas qualidades numa união sólida e profunda. Quando isto ocorre cada um passa a ser enriquecido pelas qualidades do outro. Há, então, como que uma transfusão de dons entre ambos. Mas, para isso, é preciso que o casal chegue à unidade, superando as falsidades, infantilidades, mentiras e infidelidades. Para chegar a este ponto é necessário olhar para o outro com muita seriedade, respeito e atenção.

Ninguém é obrigado a casar e a constituir uma família, mas se tomamos esta decisão, então devemos ‘casar para valer’, com toda a responsabilidade. A pessoa com quem decidimos casar é a ‘escolhida’ entre todos os homens ou mulheres que conhecemos; e, portanto, como o (a) eleito (a), devemos ter-lhe grande estima, como a pessoa ‘especial’ na nossa vida, merecedora, portanto, de toda a atenção e respeito.

É lamentável que entre muitos casais, com o passar do tempo, e com a rotina do dia-a-dia, a atenção com o outro, e, pior ainda, o respeito, vão acabando. Não tem lógica, por exemplo, que um ofenda o outro com palavras pesadas, o que provoca ressentimentos; não tem cabimento que o marido fale mal da esposa aos outros, criticando-a. Isto também é infidelidade. Pois esta não acontece somente no campo sexual.

Por outro lado, é preciso cuidar para que a atenção e o carinho para com o outro não diminuam. É importante manter acesa a chama do desejo de agradar ao outro. É nos detalhes que muitas vezes isto se manifesta: Qual é a roupa que ela gosta que eu vista? Qual é o corte de cabelo que ele gosta? Qual é a moda que ele gosta? Qual é a comida de que ele gosta? Quais são os móveis que ela gosta? Qual é o carro que ela prefere? Qual é o lazer que ele gosta? Enfim, a preocupação em alegrar o outro – sem cair no exagero, é claro – é o que mantém a comunhão de vidas.
 
 
 
 

Regressar