Ave Maria Imaculada... Rezai o Terço todos os dias... Mãe da Eucaristia, rogai por nós...Rainha da JAM, rogai por nós... Vinde, Espirito Santo... Jesus, Maria, eu amo-Vos, salvai almas!

A Família

Deus nunca nos desampara

 

Deus nunca nos desampara!  

Receber a notícia sobre uma doença abala qualquer pessoa, mas, quando falamos sobre cancro, o medo e a angústia aumentam. No entanto, Deus nunca desampara os Seus, pois há sempre esperança. Esperança e fé!

E quando o cancro acomete uma criança de apenas três anos de idade? Como é que os pais e familiares reagem? Onde encontram forças? Esta é a história de Tatiana Sganzela Gallego e Daniel Gallego, casal com um lindo testemunho de fé. Eles eram pais do pequeno Gustavo Gallego, que teve um cancro na cabeça.

Com 1 ano de idade aproximadamente, Gustavo teve uma febre convulsiva e foi levado ao médico. Com 2 anos e 6 meses, a mesma febre repetiu-se. Feitos os exames, foi constatado um nódulo na cabeça, que, a princípio, o médico afirmou tratar-se de uma calcificação, segundo relatou a mãe do menino. E como a criança não apresentava nenhum sinal clínico de doença e agia como uma criança normal da sua idade, a vida prosseguiu sem alterações.

Contudo, em Junho de 2011, quando o filho já estava com 3 anos de idade, Tatiana começou a notar um comportamento diferente. Gu, como ela carinhosamente lhe chamava, começou a perder o equilíbrio ao andar. Num determinado momento, ela precisou de se ausentar durante um fim-de-semana para fazer um curso e, na volta, percebeu que o filho estava febril novamente. Ela e o marido, levaram-no ao médico, acreditando que, pelo facto de nunca se ter distanciado do filho, ele poderia apenas estar carente da presença dela. E nada foi relatado na consulta. Passados três dias, quando a criança estava na escola, Tatiana recebeu uma ligação da professora informando que o menino não estava muito bem. Ela afirmou que, naquele instante, o seu coração de mãe lhe dizia: “Há algo errado”.

Daniel e Tatiana levaram-no ao hospital, onde foi preciso realizar uma tomografia. Ao fim, o especialista disse-lhes: “o Gustavo está com um tumor, um tumor cerebral e é um caso cirúrgico”. O pequeno Gustavo precisou de ser internado na UTI (Unidade de Tratamento Intensivo). Ao se referir à reacção deles naquele momento ela afirmou: “Não foi fácil, mas se isto aconteceu foi pela permissão de Deus. Não que Ele queira o nosso sofrimento, mas se isto aconteceu, nós tínhamos a certeza de que Ele estaria em todos os momentos connosco, tínhamos confiança”. E revelou que sempre confiou em Deus e que, em todos esses momentos difíceis, sempre rezou junto com os amigos e familiares. E contou que até mesmo pessoas que não os conheciam se uniram a eles nessa força de oração.

Ainda em Junho, Gustavo foi para a sala de cirurgia. No mês seguinte, ele recebeu alta e voltou para casa, quando os pais começaram a procurar os tratamentos que teriam de ser feitos a partir daquele momento. Contudo, o pequeno guerreiro no dia 3 Agosto daquele mesmo ano precisou de voltar para o hospital, pois o tumor havia voltado. E no dia 5, ele retornou para a Casa do Pai, como ele sempre cantava “O meu lugar é o Céu”.

Acompanhada pelos médicos no momento de desligarem os aparelhos, pois havia sido confirmada a morte do pequeno Gustavo, Tatiana, que é muito amiga de Nossa Senhora, afirmou ter feito o último pedido para o médico de uma mãe num momento de dor e sofrimento. “Quero pegar no meu filho ao colo pela última vez!” E disse ter-se lembrado do sofrimento de Maria, que também passou pela dor e pegou no seu Filho Jesus ao colo, e ter tido no seu coração a certeza. “Eu acredito que o meu filho está ao lado de Deus”.

E como Deus nunca desampara os Seus, depois de 2 anos, Tatiana e Daniel tiveram a graça de conceber um filho novamente. Ela enfatizou que ela não queria engravidar, pelo menos não naquele tempo que estavam a viver. E que, numa adoração ao Santíssimo Sacramento, ela pediu a Deus que os tirasse do luto e que o Senhor a tornasse uma nova mulher e restaurasse os seus sonhos. E então nasceu Fernanda Gallego, uma nova história, um novo tempo que Deus colocou nas suas vidas.

 Não é fácil, mas apega-te a Deus. Mesmo que possamos estar num momento difícil da vida, Deus consola-nos. Precisamos de amá-Lo, adorá-Lo, louvá-Lo e entregar a nossa família ao Pai! Ele cuida de todos nós, concluiu esta mulher de fé.

Regressar