Ave Maria Imaculada... Rezai o Terço todos os dias... Mãe da Eucaristia, rogai por nós...Rainha da JAM, rogai por nós... Vinde, Espirito Santo... Jesus, Maria, eu amo-Vos, salvai almas!

Curiosidades

Um pecado grave não confessado

Consequências de um pecado grave, não confessado

Exemplo de uma senhora que durante muitos anos calou na confissão um pecado desonesto. Conta Santo Afonso e mais particularmente o padre António Caroccio, que passaram pelo país em que vivia esta senhora dois religiosos, e ela, que sempre esperava confessor forasteiro, pediu a um deles que a ouvisse em confissão e confessou-se. Logo que partiram os padres, o companheiro disse ao confessor ter visto que, enquanto a senhora se confessava, saiam da sua boca muitas cobras e uma serpente enorme deixava ver fora a cabeça, mas voltava de novo para dentro, e após ela, todas as que antes saíram. Suspeitando o confessor o que aquilo poderia significar, voltou à cidade e a casa daquela senhora, onde lhe disseram que ela, no momento de entrar na sala, morrera repentinamente.

Durante três dias seguidos jejuaram e oraram por ela, suplicando ao senhor que lhes manifestasse aquele caso. Ao terceiro dia apareceu-lhes a infeliz senhora condenada e montada sobre um demónio, em figura de um dragão horrível com duas serpentes enroscadas ao pescoço, que a afogavam e lhe comiam os peitos, uma víbora na cabeça, dois sapos nos olhos, setas ardentes nas orelhas, chamas de fogo na boca e dois cães danados que lhe mordiam e lhe comiam as mãos; e dando um triste e espantoso gemido, disse: - Eu sou a desventurada Senhora que V. Rev.ma confessou.

Confessei-me há 3 dias, e conforme eu ia confessando, os meus pecados saíam da minha boca, e aquela serpente enorme, que o companheiro viu sair da minha cabeça e voltou depois para dentro, era figura dum pecado desonesto que calei sempre por vergonha; quis confessá-lo com V. Rev.ma, mas, também não me atrevi e por isso, voltou a entrar, e com ele todos os que tinham saído. Cansado já Deus de tanto me esperar, tirou-me repentinamente a vida e precipitou-me no inferno, onde sou atormentada pelos demónios em figura de horrendos animais. A víbora atormenta-me a cabeça pela minha soberba e excessivo cuidado em pentear os cabelos, os sapos cegam-me os olhos, pelos meus olhares lascivos; as flechas acesas atormentam-me os ouvidos, porque escutei murmurações, palavras e cantigas obscenas; o fogo abrasa-me a boca pelas murmurações e beijos torpes; tenho as serpentes enroscadas no pescoço e comem-me os peitos, porque os levei dum modo provocativo, pelo decote dos meus vestidos e pelos abraços desonestos; os cães comem-me as mãos, pelas más obras e tatos impuros, mas o que mais me atormenta é o horroroso dragão, em que vou montada, e que me abrasa as entranhas em castigo dos meus pecados impuros. Ai! Que não há remédio para mim, senão tormentos e pena eterna! Ai das mulheres, acrescentou; porque muitas delas se condenam por 4 géneros de pecados: por pecados de impureza, pelas galas e enfeites, por feitiçaria e por calar pecados nas confissões. Os homens condenam-se por toda a classe de pecados, mas as mulheres principalmente por estes quatro pecados. Disto isto, abriu-se a terra e por ela entrou esta infeliz mulher, até ao mais profundo do inferno, onde padece e padecerá por toda a eternidade!"

Fonte: (O Caminho Reto, de Santo António Maria Claret, pág. 99 e 100)

Regressar