Ave Maria Imaculada... Rezai o Terço todos os dias... Mãe da Eucaristia, rogai por nós...Rainha da JAM, rogai por nós... Vinde, Espirito Santo... Jesus, Maria, eu amo-Vos, salvai almas!

Curiosidades

Santos Anjos da Guarda

SANTOS ANJOS DA GUARDA

Os Anjos são antes de tudo os mediadores das mensagens da verdade Divina, iluminam o espírito com a luz interior da palavra. São também guardiães das almas dos homens, sugerindo-lhes as directivas Divinas; invisíveis testemunhas dos seus pensamentos mais escondidos e das suas acções boas ou más, claras ou ocultas, assistem os homens para o bem e para a salvação. São Gregório Magno diz, que quase cada página da Revelação escrita, atesta a existência dos Anjos.
No Novo Testamento aparecem no Evangelho da infância, na narração das tentações do deserto e da consolação de Cristo no Getsémani. São testemunhas da Ressurreição, assistem a Igreja que nasce, ajudam os Apóstolos e transmitem a vontade Divina.

Os Anjos preparam o juízo final e executarão a sentença, separando os bons dos maus e formarão uma coroa a Cristo triunfante. Os Anjos, são mencionados mais de trezentas vezes no Antigo Testamento. Além de todas estas referências bíblicas, que por si só justificam o culto especial que os cristãos reservam aos anjos desde os primeiros tempos, é a natureza destes "espíritos puros" que estimula a nossa admiração e a nossa devoção.
Dizia Bozzuet: "Os Anjos oferecem a Deus as nossas esmolas, recolhem até os nossos desejos, fazem valer diante de Deus os nossos pensamentos... Sejamos felizes de ter amigos tão prestativos, intercessores tão fiéis, intérpretes tão caridosos." Fundamentando a verdade de fé, a Igreja diz-nos que cada cristão, desde o momento do baptismo, é confiado ao seu próprio Anjo, que tem a incumbência de o guardar, guiar no caminho do bem, inspirando bons sentimentos, proporcionando a livre escolha que tem como meta Deus, Supremo Bem.

A liturgia do dia 29 de Setembro, em que celebramos São Miguel, São Gabriel e São Rafael, lembra ao mesmo tempo todos os coros angélicos: os Anjos, os arcanjos, os Tronos, as Dominações que adoram, as Potestades que tremem de respeito diante da Majestade Divina, os céus, as virtudes, os bem-aventurados Serafins e os Querubins.
________________________________________
Santo Anjo do Senhor, Meu zeloso guardador, pois que a ti me confiou a piedade Divina, sempre me rege, guarda, governa e ilumina. Ámen.

O Papa João Paulo II convidou os jovens a encomendarem-se aos Anjos Custódios.
Ao lembrar a festa em honra dos anjos “da guarda” o Pontífice afirmou que a comemoração nos convida a pensar nestes protectores celestes que a providente preocupação de Deus colocou junto de cada pessoa.
Queridos jovens, disse o Papa – desejai ser guiados pelos Anjos, para que a vossa vida seja fiel execução dos mandamentos divinos.

Oração:Senhor, que na vossa admirável providência enviais os Anjos para nos guardarem, ouvi as nossas orações e fazei que sejamos sempre defendidos pela sua protecção e gozemos eternamente da sua companhia. Por nosso Senhor.

 

SÚPLICA ARDENTE AOS SANTOS ANJOS

 DEUS UNO e TRINTO, Omnipotente e Eterno! Antes de recorrermos aos Vossos servos, os Santos Anjos, prostramo-nos na Vossa presença e Vos adoramos: PAI, FILHO e ESPÍRITO SANTO.
Bendito e louvado sejais por toda a eternidade! DEUS Santo, DEUS forte, DEUS Imortal: que todos os Anjos e homens, que por Vós foram criados, Vos adorem, Vos amem e permaneçam no Vosso serviço!
E Vós, MARIA, Rainha de todos os Anjos, aceitai benignamente as súplicas que dirigimos aos Vossos servos; apresentai-as ao Altíssimo Vós que sois a Medianeira de todas as graças e a Omnipotência suplicante, a fim de obtermos graça, salvação e auxílio.  Amém.

 

 As sete funções do anjo da guarda
Suarez (De Angelis c. VI e XIX) classifica as sete funções do anjo da guarda:

1. Liberta-nos dos perigos que ameaçam o nosso corpo ou a nossa alma, afasta de nós as causas exteriores ou inspira-nos o pensamento de as evitar, mesmo quando não suspeitamos dos riscos que representam;

2. Estimula-nos a fazer o bem e a evitar o mal;

3. Detém os demónios, diminui a gravidade das suas tentações e o número dos pensamentos maus que eles inspiram ou as ocasiões de pecado que provocam;

4. Apresenta as nossas orações a Deus;

5. Ora por nós;

6. Algumas vezes inflige-nos penas para castigar os nossos pecados e nos corrigir, fazendo-nos sentir as suas dolorosas consequências, e também para nos dar a ocasião de exercer a virtude e aumentar os nossos méritos;

7. No momento da nossa morte, conduzirá a nossa alma ao céu, se ela não tiver nenhuma mancha, ou ao purgatório, se precisar de passar por ele para se purificar, e a visitará para a consolar.

Poderosos Santos Anjos, que por DEUS nos fostes concedidos para nossa protecção e auxílio, em nome da Santíssima TRINDADE, nós vos suplicamos:
Vinde depressa, socorrei-nos!
Nós suplicamos em nome de Preciosíssimo Sangue de nosso Senhor JESUS CRISTO:
Vinde depressa, socorrei-nos!
Nós vos suplicamos pelo poderosíssimo nome de JESUS:
Vinde depressa, socorrei-nos!
Nós vos suplicamos por todas as chagas de nosso Senhor JESUS CRISTO:
Vinde depressa, socorrei-nos!
Nós vos suplicamos por todos os martírios de nosso Senhor JESUS CRISTO:
Vinde depressa, socorrei-nos!
Nós vos suplicamos pela Palavra Santa de DEUS:
Vinde depressa, socorrei-nos!
Nós vos suplicamos pelo coração de nosso Senhor JESUS CRISTO:
Vinde depressa, socorrei-nos!
Nós vos suplicamos em nome do amor que DEUS tem por nós pobres:
Vinde depressa, socorrei-nos!
Nós vos suplicamos em nome da fidelidade de DEUS por nós pobres:
Vinde depressa, socorrei-nos!
Nós vos suplicamos em nome da misericórdia de DEUS por nós pobres:
Vinde depressa, socorrei-nos!
Nós vos suplicamos em nome de MARIA, Mãe de DEUS e nossa Mãe:
Vinde depressa, socorrei-nos!
Nós vos suplicamos em nome de MARIA, Rainha do Céu e da terra:
Vinde depressa, socorrei-nos!
Nós vos suplicamos em nome de MARIA, vossa Rainha e Senhora:
Vinde depressa, socorrei-nos!
Nós vos suplicamos pela vossa própria bem-aventurança:
Vinde depressa, socorrei-nos!
Nós vos suplicamos pela vossa própria fidelidade:
Vinde depressa, socorrei-nos!
Nós vos suplicamos pela vossa luta na defesa do Reino de DEUS:
Vinde depressa, socorrei-nos!

Nós vos suplicamos:
Protegei-nos com o vosso escudo!
Nós vos suplicamos:
Defendei-nos com a vossa espada!
Nós vos suplicamos:
Iluminai-nos com a vossa luz!
Nós vos suplicamos:
Salvai-nos sob o manto protector de MARIA!
Nós vos suplicamos:
Guardai-nos no Coração de Maria!
Nós vos suplicamos:
Confiai-nos às mãos de MARIA!
Nós vos suplicamos:
Mostrai-nos o caminho que conduz à Porta da Vida: o Coração aberto de nosso Senhor!
Nós vos suplicamos: Guiai-nos com segurança até à Casa do PAI Celestial!
Todos vós, nove coros dos Espíritos bem-aventurados:
Vinde depressa, socorrei-nos!
Nossos companheiros especiais e enviados por DEUS:
Vinde depressa, socorrei-nos!
Insistentemente vos suplicamos:
Vinde depressa, socorrei-nos!
O Sangue Preciosíssimo de nosso Senhor e Rei foi derramado por nós pobres.
Insistentemente vos suplicamos: vinde depressa, socorrei-nos!
O Coração de nosso Senhor e Rei bate por amor de nós pobres.
Insistentemente vos suplicamos: vinde depressa, socorrei-nos!
Coração Imaculado de MARIA, Virgem puríssima e vossa Rainha bate por amor de nós pobres.
Insistentemente vos suplicamos: vinde depressa, socorrei-nos!

Que o anjo de Deus seja a tua força

A Igreja celebra a festa dos Arcanjos Miguel, Rafael e Gabriel.
Como é maravilhoso contar com a ajuda dos santos anjos! Actuando em nome de Deus, eles nos guardam e zelam pela realização dos desígnios do Senhor em nossa vida.
Santo Padre Pio tinha um edificante costume de invocar constantemente a presença desses seres celestes em sua vida e dizia frequentemente aos peregrinos que se dirigiam ao convento onde ele residia: “Que o anjo de Deus te acompanhe. Que o anjo de Deus seja a tua luz, o teu auxílio, a tua força, o teu conforto e teu guia”.
Abramo-nos a esta experiência com os santos anjos e peçamos o auxílio deles em todos os momentos e situações da nossa vida e também a tantas pessoas necessitadas. Rezemos: São Rafael com Tobias, São Gabriel com Maria, São Miguel com todas as hierarquias, abri para nós esta via.

Santos Arcanjos Miguel, Gabriel e Rafael

A Sagrada Escritura só nos indica o nome de três anjos: S. Miguel, S. Gabriel e S. Rafael. Dos outros conhecemos muitas das suas actuações e experimentamos o seu benéfico influxo, mas desconhecemos os seus nomes. Algo mais, que se saiba a este respeito, vem-nos por revelações particulares e estas só nos dão garantia de autenticidade, quando aprovadas pela Santa Igreja. Contentemo-nos, agora, com o que a Revelação Oficial nos ensina.

S. Miguel. A Escritura apresenta-no-lo como o Príncipe das milícias celestes, o defensor da glória do Senhor. Lemos no Apocalipse: “Houve uma batalha no céu: Miguel e os seus Anjos guerrearam contra o Dragão. O Dragão batalhou, juntamente com os seus Anjos, mas foi derrotado e não se encontrou mais um lugar para eles no céu” (Apoc.12,7-8).
Miguel é o Anjo do Povo de Deus, o seu Defensor no tempo da angústia (Dan 10,12-2 1). “Naquele tempo surgirá Miguel, o grande príncipe, constituído defensor dos filhos do teu povo, e será tempo de angústia qual jamais houve” (Dan 12,1).
A Igreja é o novo Israel, o povo de Deus. Miguel é chamado a defendê-la contra os seus inimigos internos e externos. Vivemos um tempo quase apocalíptico, em que o «Dragão» e a apostasia se apoderam de muitas almas e querem sacudir o edifício da Igreja. Por isso, mais necessária se torna a intervenção do chefe das milícias celestes e protector da Santa Igreja. O Papa Leão XIII mandou rezar no fim da missa uma oração a
S. Miguel Arcanjo, príncipe das milícias celestes, para nos proteger no combate contra Satanás e os outros espíritos malignos que vagueiam pelo mundo para perder as almas. Esta prática esteve em vigor durante 80 anos.

São Gabriel é o Anjo da Encarnação. Foi ele que anunciou a David que daí a 70 semanas havia de nascer o Messias Salvador (Dan 9,20-27). Apareceu a Zacarias comunicando-lhe que sua esposa Isabel, apesar da idade avançada, ia ser mãe do Precursor (Lc 1,1 1-22) : “Eu sou Gabriel:
assisto diante de Deus e fui enviado para anunciar-te esta boa nova” (Lc
1, 19).
Ele é sobretudo, o Anjo que anuncia o mistério da Encarnação e que pede a Nossa Senhora o consentimento para ser Mãe de Deus. É ele que pela primeira vez profere aquelas palavras que todas as gerações hão-de repetir no decurso dos séculos para saudar e louvar a Virgem de Nazaré “Ave, cheia de graça. O Senhor é convosco” (Lc 1,28).
Quando rezarmos a Ave-Maria, unamo-nos a este Anjo; que ele nos ensine a cumprimentar Maria com a mesma emoção e piedade com que ele o fez

São Rafael é o Anjo benfazejo que acompanha o jovem Tobias na sua viagem desde Nínive até   Média, que o defende dos perigos e que patrocina o seu casamento com Sara. É ele que tira da cegueira o velho Tobias.
Dá-se a conhecer ao seu jovem protegido com estas palavras: “Louvai a Deus do céu e agradecei-lhe por ter usado de misericórdia convosco!
A oração, com o jejum e a esmola, vale mais que os tesouros de ouro.
A esmola liberta da morte; mas quem comete pecados e injustiças é inimigo da sua alma”. E ao pai disse: “Quando oravas com lágrimas e sepultavas os mortos, era eu quem apresentava ao Senhor as tuas preces. Agora o Senhor Deus mandou-me para te curar. Sou o Anjo Rafael, um dos sete
Anjos que assistimos diante do Senhor” (Tob 5-12).
Peçam-lhe os jovens que os acompanhe nos vai-véns da vida e que os ajude nos problemas do noivado. Que os médicos e enfermeiros experimentem a sua protecção no trato com os doentes e que os viandantes o tenham como companheiro das suas jornadas.
Honrando os Anjos, exaltamos o poder de Deus, Criador do mundo visível e invisível, pois  “resulta em glória para vós a honra que lhes prestamos como criaturas dignas de Vós; e na sua inefável beleza, Vós mostrais como sois grande e digno de ser amado sobre todas as coisas”.

 SÃO MIGUEL ARCANJO:

Vós, Príncipe dos exércitos celestes, Vencedor do dragão infernal, recebestes de DEUS força e poder para aniquilar, pela humildade, a soberba do príncipe das trevas.
Insistentemente vos suplicamos que nos alcanceis de DEUS a verdadeira humildade de coração, uma fidelidade inabalável no comprimento contínuo da vontade de DEUS e uma grande fortaleza no sofrimento e na penúria.
Ao comparecermos perante o tribunal de DEUS - Socorrei-nos para que não desfaleçamos!

SÃO GABRIEL ARCANJO:

Vós, Anjo da Encarnação, Mensageiro fiel de DEUS, abri os nossos ouvidos para que possam captar até as mais suaves sugestões e apelos da graça emanados do Coração amabilíssimo de nosso Senhor.
Nós Vos suplicamos que fiqueis sempre junto de nós, para  compreendermos bem o que a Palavra de DEUS quer de nós.
Fazei que estejamos sempre disponíveis e vigilantes - Que o Senhor, quando vier, não nos encontre a dormir!
     
   
SÃO RAFAEL ARCANJO:

Vós que sois lança e bálsamo do amor divino, nós vos suplicamos, feri o nosso coração e depositai nele um amor ardente a DEUS.
Que a ferida não se apague nele, para que nos faça perseverar todos os dias no caminho do amor – Que tudo vençamos pelo amor!

ANJOS PODEROSOS e nossos irmãos santos que servis diante do trono de DEUS, vinde em nosso auxílio.
- Defendei-nos de nós próprios, da nossa cobardia e tibieza, do nosso egoísmo e ambição, da nossa inveja e falta de confiança, da nossa avidez na busca de abundância, do bem-estar e da estima pública.
Desatai em nós as algemas do pecado e do apego às coisas terrenas. Tirai dos nossos olhos as vendas que nós mesmos lhes pusemos e que nos impedem de ver as necessidades do nosso próximo e a miséria do nosso ambiente, porque nos fechamos numa mórbida complacência de nós mesmos.
- Cravai no nosso coração o aguilhão da santa ansiedade por DEUS, para que não cessemos de procurá-l’O, com ardor, contrição e amor.
Contemplai o Sangue do Senhor, derramado por nossa causa!
- Contemplai as lágrimas da vossa Rainha, choradas por nossa causa!
Contemplai em nós a imagem de DEUS, desfigurada pelos nossos pecados, que Ele por amor imprimiu em nossa alma!
- Auxiliai-nos a reconhecer a DEUS, adorá-l’O, amá-l’O e servi-l’O!
Auxiliai-nos na luta contra o poder das trevas que, disfarçadamente, nos envolve e aflige.
- Auxiliai-nos, para que nenhum de nós se perca permitindo assim que um dia nos reunamos todos, jubilosamente, na eterna Bem-aventurança. Amém.

SÃO MIGUEL, assisti-nos com os vossos Santos Anjos, ajudai-nos e rogai por nós!
SÃO GABRIEL, assisti-nos com os vossos Santos Anjos, ajudai-nos e rogai por nós!
SÀO RAFAEL, assisti-nos com os vossos Santos Anjos, ajudai-nos e rogai por nós!

«Bendizei ao Senhor, todos os Seus anjos,
sempre dóceis à Sua palavra» (Sl 103,20)

Muitas páginas da Sagrada Escritura atestam que os anjos existem...
A palavra «anjo» designa a sua função: ser mensageiro.
E chamam-se «arcanjos» os que anunciam os acontecimentos mais importantes.
É assim que o arcanjo Gabriel é enviado à Virgem Maria; para esta função, para anunciar o maior de todos os acontecimentos, impunha-se enviar um anjo da mais elevada categoria...

Semelhantemente, quando se trata de estender um poder extraordinário, é Miguel que é o enviado. Com efeito, a sua acção como o seu nome, querem dizer: «Quem é como Deus?», fazem compreender aos homens que ninguém pode fazer o que pertence apenas a Deus realizar.
O antigo inimigo, que desejou por orgulho fazer-se semelhante a Deus, dizia: «Subirei aos céus, estabelecerei o meu trono acima das estrelas de Deus, serei semelhante ao Altíssimo» (Is. 14,13). Mas o Apocalipse diz-nos que no fim dos tempos, assim que ele for abandonado à sua própria força, antes de ser eliminado pelo suplício final, deverá combater contra o arcanjo Miguel: «Travou-se uma batalha no céu: Miguel e os seus anjos pelejavam contra o Dragão.
E o Dragão também combatia juntamente com os seus anjos. Mas não prevaleceram; o Dragão e os seus anjos foram precipitados na terra» (Ap 12, 7-9).

À Virgem Maria, foi Gabriel, cujo nome significa «Força de Deus», que foi enviado; não vinha ele anunciar aquele que quisera manifestar-se num condição humilde, para triunfar do orgulho do demónio?   Era pois pela «Força de Deus» que devia ser anunciado aquele que vinha como «o Senhor forte e poderoso, o Senhor herói nas batalhas» (Sl 24,8).

Quanto ao arcanjo Rafael, o seu nome significa «Deus cura». Com efeito, foi ele que libertou da escuridão os olhos de Tobias, tocando-os como um médico vindo do alto (Tb 12,14).
Aquele que foi enviado para tratar o justo na sua enfermidade bem pode ser apelidado de «Deus cura».
O Terço a S. Miguel ou Coroa Angélica
O que diz a Igreja:
Anjos da guarda: Desde o início até a morte, a vida humana é cercada por sua protecção e por sua intercessão. “Cada fiel é ladeado por um anjo como protector e pastor para conduzi-lo à vida.” Ainda aqui na terra, a vida cristã participa na fé da sociedade bem-aventurada dos anjos e dos homens unidos em Deus. (CIC n 336).
História desta devoção: Numa aparição a uma ilustre serva de Deus, toda dedicada ao culto do glorioso São Miguel, Antónia d’Astonoac, em Portugal, este Santo Arcanjo declarou-lhe que desejava que se fizessem em sua honra nove saudações correspondentes aos nove coros dos Anjos, que consistiriam na recitação de um Pai Nosso e três Ave Marias em honra de cada um dos coros dos Anjos.
   Ele prometeu, em retribuição, que aquele que lhe rendesse este culto, teria na ocasião em que se aproximasse da Santa Mesa Eucarística um cortejo de nove Anjos, escolhidos dentre os nove coros de Anjos. Além disso, para a recitação diária destas nove saudações, prometeu a sua assistência e a dos Santos Anjos durante todo o decurso da vida, e depois da morte a libertação do Purgatório para si e seus parentes.
V – Deus vinde em nosso auxílio,
R – Senhor, socorrei-nos e salvai-nos.
Glória ao Pai…

Primeira Saudação: Pela intercessão de São Miguel e do coro celeste dos Serafins, para que o Senhor Jesus nos torne dignos de sermos abrasados de uma perfeita caridade. Amém.
Pai Nosso…Três Ave-Marias… Ao primeiro coro de Anjos.
Segunda Saudação: Pela intercessão de São Miguel e do coro celeste dos Querubins, para que o Senhor Jesus nos conceda a graça de fugirmos do pecado e procurarmos à perfeição cristã. Amém.
Pai Nosso…Três Ave-Marias… Ao segundo coro de Anjos.
Terceira Saudação: Pela intercessão de São Miguel e do coro celeste dos Tronos, para que Deus derrame em nossos corações o espírito de verdadeira e sincera humildade. Amém.
Pai Nosso…Três Ave-Marias… Ao terceiro coro de Anjos.
Quarta Saudação: Pela intercessão de São Miguel e do coro celeste das Dominações, para que o Senhor nos conceda a graça de dominar nossos sentidos, e de nos corrigir das nossas más paixões. Amém.
Pai Nosso…Três Ave-Marias… Ao quarto coro de Anjos.
Quinta Saudação: Pela intercessão de São Miguel e do coro celeste das Potestades, para que o Senhor Jesus se digne de proteger nossas almas contra as ciladas e as tentações de Satanás e dos demónios. Amém.
Pai Nosso…Três Ave-Marias… Ao quinto coro de Anjos.
Sexta Saudação: Pela intercessão de São Miguel e do coro admirável das Virtudes, para que o Senhor não nos deixe cair em tentação, mas que nos livre de todo o mal. Amém.
Pai Nosso…Três Ave-Marias… Ao sexto coro de Anjos.
Sétima Saudação: Pela intercessão de São Miguel e do coro celeste dos Principados, para que o Senhor encha nossas almas do espírito de uma verdadeira e sincera obediência. Amém.
Pai Nosso…Três Ave-Marias… Ao sétimo coro de Anjos.
Oitava Saudação: Pela intercessão de São Miguel e do coro celeste dos Arcanjos, para que o Senhor nos conceda o dom da perseverança na fé e nas boas obras, a fim de que possamos chegar a possuir a glória do Paraíso. Amém.
Pai Nosso…Três Ave-Marias… Ao oitavo coro de Anjos .
Nona Saudação: Pela intercessão de São Miguel e do coro celeste de todos os Anjos, para que sejamos guardados por eles nesta vida mortal, para sermos conduzidos por eles à glória eterna do Céu. Amém.
Pai Nosso…Três Ave-Marias… Ao nono coro de Anjos.

No final, reza-se:
Um Pai Nosso em honra de São Miguel Arcanjo.
Um Pai Nosso em honra de São Gabriel.
Um Pai Nosso em honra de São Rafael.
Um Pai Nosso em honra do nosso Anjo da Guarda.

Antífona: Gloriosíssimo São Miguel, chefe e príncipe dos exércitos celestes, fiel guardião das almas, vencedor dos espíritos rebeldes, amado da casa de Deus, nosso admirável guia depois de Cristo; vós, cuja excelência e virtudes são eminentíssimas, dignai-vos livrar-nos de todos os males, a nós todos que recorremos a vós com confiança, e fazei pela vossa incomparável protecção, que adiantemos cada dia mais na fidelidade em servir a Deus.
Amém.

V. Rogai por nós, ó bem-aventurado São Miguel, príncipe da Igreja de Cristo.
R. Para que sejamos dignos de suas promessas.

Oração:

Deus, todo poderoso e eterno, que por um prodígio de bondade e misericórdia para a salvação dos homens, escolhestes para príncipe da Vossa Igreja o gloriosíssimo Arcanjo São Miguel, tornai-nos dignos, nós vo-lo pedimos, de sermos preservados de todos os nossos inimigos, a fim de que na hora da nossa morte nenhum deles nos possa inquietar, mas que nos seja dado sermos introduzidos por ele na presença da Vossa poderosa e augusta Majestade. Pelos merecimentos de Jesus Cristo, Nosso Senhor.
Santos Anjos do Senhor, louvai o Senhor e rogai por nós!

 

A Quaresma de São Miguel

"A devoção a São Miguel é importante exactamente por causa da função divina que este arcanjo tem.
O seu próprio nome – Miguel – significa “Quem como Deus?”, e traz um grito de adoração a Deus diante das insídias do inimigo.
A importância da sua devoção é fundamental porque é o arcanjo que nos leva a uma definição clara de adoração ao verdadeiro Deus.


A Quaresma de São Miguel é uma luta.
Ela não tem como função invocar os espíritos malignos. Primeiro de tudo é um acto de amor ao Arcanjo Miguel. Mas há uma luta espiritual na qual é devolvido a Deus o que Lhe pertence (exorcismo). A preocupação primeira não é o demónio, mas sim que as pessoas encontrem a libertação de tantas opressões, as quais não são explicadas pela Ciência. Neste tempo há também uma intimidade maior com o Senhor pela mediação do mundo angélico, tão presente no nosso meio, mas que nós não vemos.
É preciso tirar dos corações das pessoas aquela devoção infantil dos anjos da guarda, dos santos anjos. Os santos anjos foram-nos dados como ministros para a salvação. A nossa devoção a eles deve ser muito pessoal, tendo-os como amigos, pois eles merecem um relacionamento maduro e sincero. Como um mar em chamas, é o ardor de um anjo que tem amor a Deus e a nós que fomos confiados à guarda dele.

O arcanjo Miguel é o arcanjo da fé inabalável. É aquele que guarda a Igreja e seus filhos e filhas numa fé inabalável, que não nos permite separarmo-nos dos mistérios da Igreja. O arcanjo Miguel é o que nos ensina a virtude profunda da humildade. O arcanjo Miguel é o arcanjo do Santíssimo Sacramento."

 

QUARESMA DE SÃO MIGUEL

Inicio da Quaresma: 15 de Agosto a 29 de Setembro – Festa de São Miguel – Providenciar um altar para São Miguel com uma imagem ou uma estampa.

Todos os dias:
* Acender uma vela
* Oferecer uma penitência
* Fazer o sinal da cruz
* Rezar a oração inicial
* Rezar a ladainha de São Miguel

ORAÇÃO INICIAL
São Miguel Arcanjo, defendei-nos no combate, sede o nosso refúgio contra as maldades e ciladas do demónio. Ordene-lhe Deus, instantemente o pedimos, e vós, príncipe da milícia celeste, pela virtude divina, precipitai no inferno a Satanás e aos outros espíritos malignos, que andam pelo mundo para perder as almas. Amém.

LADAINHA DE SÃO MIGUEL

Senhor, tende piedade de nós.
Jesus Cristo, tende piedade de nós.
Senhor, tende piedade de nós.
Jesus Cristo, ouvi-nos.
Jesus Cristo, atendei-nos.
Pai Celeste, que sois Deus, tende piedade de nós.
Filho, Redentor do Mundo, que sois Deus, tende piedade de nós.
Espírito Santo, que sois Deus, tende piedade de nós.
Trindade Santa, que sois um único Deus, tende piedade de nós.
Santa Maria, Rainha dos Anjos, rogai por nós.
São Miguel, rogai por nós.
São Miguel, cheio da graça de Deus, rogai por nós.
São Miguel, perfeito adorador do Verbo Divino, rogai por nós.
São Miguel, coroado de honra e de glória, rogai por nós.
São Miguel, poderosíssimo Príncipe dos exércitos do Senhor, rogai por nós.
São Miguel, porta-estandarte da Santíssima Trindade, rogai por nós.
São Miguel, guardião do Paraíso, rogai por nós.
São Miguel, guia e consolador do povo israelita, rogai por nós.
São Miguel, esplendor e fortaleza da Igreja militante, rogai por nós.
São Miguel, honra e alegria da Igreja triunfante, rogai por nós.
São Miguel, Luz dos Anjos, rogai por nós.
São Miguel, baluarte dos Cristãos, rogai por nós.
São Miguel, força daqueles que combatem pelo estandarte da Cruz, rogai por nós.
São Miguel, luz e confiança das almas no último momento da vida, rogai por nós.
São Miguel, socorro muito certo, rogai por nós.
São Miguel, nosso auxílio em todas as adversidades, rogai por nós.
São Miguel, arauto da sentença eterna, rogai por nós.
São Miguel, consolador das almas que estão no Purgatório, rogai por nós.
São Miguel, a quem o Senhor incumbiu de receber as almas que estão no Purgatório, rogai por nós.
São Miguel, nosso Príncipe, rogai por nós.
São Miguel, nosso Advogado, rogai por nós.
Cordeiro de Deus, que tirais o pecado do mundo, perdoai-nos, Senhor.
Cordeiro de Deus, que tirais o pecado do mundo, ouvi-nos, Senhor.
Cordeiro de Deus, que tirais o pecado do mundo, tende piedade de nós.
Rogai por nós, ó glorioso São Miguel, Príncipe da Igreja de Cristo, para que sejamos dignos de Suas promessas. Amém.

Oração
Senhor Jesus, santificai-nos, por uma bênção sempre nova, e concedei-nos, pela intercessão de São Miguel, a sabedoria que nos ensina a ajuntar riquezas do Céu e a trocar os bens do tempo pelos da eternidade. Vós que viveis e reinais em todos os séculos dos séculos. Amém.


O pensamento da Igreja sobre São Miguel 

 Desfraldai o estandarte do ilustre Arcanjo, repeti o seu grito: “Quem como Deus?” (Pio XII, 8/5/40)

Além de outros documentos sobre São Miguel, dos Papas antigos, Sua Santidade João Paulo II na sua visita de 24 de Maio de 1987, ao Santuário de São Miguel, no Monte Gargano, na Itália, expôs o pensar da Igreja sobre a actualidade do culto ao Príncipe e Chefe dos Anjos, no mundo de hoje. O Papa João Paulo II faz eco daquilo que os últimos Pontífices têm dito ao povo cristão para que recorra a São Miguel, nesta luta tremenda entre as forças do bem e do mal, chefiadas, respectivamente, pelo Glorioso Arcanjo São Miguel, chefe dos exércitos de Deus e Satanás, chefe dos demónios caídos.
O triunfo final e completo será de São Miguel com os seus anjos, como dizem as Sagradas Escrituras, que pelejaram contra o dragão, o diabo e seus seguidores, precipitando-os para sempre nos abismos.
Sua Santidade S. Pio X disse em 18/9/1903: “Deus, na primeira luta, venceu, servindo-se do Arcanjo São Miguel; devemos, portanto, acreditar firmemente que a luta actual terminará triunfante e também como outrora com o socorro e ajuda deste Arcanjo bendito.”
Foi por estar convencido da realidade desta terrível luta final, que o predecessor de S. Pio X, o grande Papa Leão XIII, mandou que no fim de todas as Missas celebradas, os sacerdotes rezassem a oração a São Miguel que ele mesmo compôs e fez publicar com a data de 29 de Setembro de 1891.
Esta oração já não é obrigatória no final da missa, devido às novas reformas litúrgicas; mas não está proibida e pode rezar-se em outras ocasiões em público e em particular.


São Miguel no Monte Gargano

Uma das aparições mais famosas é a do monte Gargano, na Itália, onde um pastor que apascentava uma manada de vacas, querendo obrigar um novilho a sair de uma caverna, lançou para dentro dela uma flecha, a qual retrocedeu com a mesma velocidade, vindo ferir o pastor.
Este facto causou muita admiração nos que presenciaram o acontecimento e a notícia chegou aos ouvidos do Bispo. Julgou ele tratar-se de um sinal do céu e ordenou um jejum de três dias em toda a diocese, pedindo ao Senhor que lhe revelasse o que seria aquele sinal.
Passados os três dias, apareceu-lhe o Arcanjo São Miguel, declarando que o Senhor queria que a ele, Anjo tutelar da Igreja, e outros anjos se edificasse naquela caverna uma Igreja em sua honra, para reavivar a fé e a devoção dos fiéis no seu amor e protecção.
O Bispo comunicou ao povo a visão que tivera e ele próprio com muitas pessoas, foi ver o local. Encontraram uma caverna espaçosa em forma de templo, cavada na rocha, com uma fenda natural no teto, de onde jorrava a luz que a iluminava. Nada mais era preciso que pôr um altar para celebrar a Santa Missa. Levantado o altar, o Bispo consagrou-o e a festa durou vários dias.
E nunca mais, até hoje, se deixou de celebrar ali a Santa Missa e outros ofícios litúrgicos, e Deus consagra este lugar através dos séculos, com graças e milagres de toda a espécie, em favor dos que lá acorrem, doentes do corpo e da alma, mostrando quanto Lhe é grata a devoção em honra de S. Miguel.
O Monte Gargano, onde está este santuário, fica perto do Convento de Nossa Senhora das Graças, onde viveu e morreu o Santo Padre Pio.

Um sacerdote Americano, na Rússia, deu o seguinte testemunho:

Fui acordado durante a noite pelo guarda da nossa igreja, na Rússia. Uma senhora tinha ligado para dizer que o pai fora internado nos cuidados intensivos e talvez não sobrevivesse até ao dia seguinte. Ele era católico mas tinha vivido durante muitos anos na União Soviética, onde não havia sacerdotes. Disse-lhe que não sabia onde ficava o hospital, que não tinha carro e que não havia autocarros nem eléctricos durante a noite. Ela disse que ia pedir ao marido para me levar ao hospital. Conhecendo os hospitais russos, eu sabia que era praticamente impossível deixarem-me entrar durante a noite, e muito menos na Unidade de Cuidados Intensivos, pois não havia capelães nos hospitais da União Soviética.
Rezei ao meu Anjo da Guarda para que, juntamente com o Anjo da Guarda do doente, conseguisse que eu entrasse. Surpreendentemente, não tive problemas em entrar no hospital, mas fui recebido com um inflexível "Não!" na Unidade de Cuidados Intensivos. O médico de serviço disse-me que eu não fazia parte da equipa médica, por isso não me podia deixar entrar sem a autorização do seu superior, de quem ele não podia atrever-se a aproximar até de manhã. Argumentei que no meu país um sacerdote é considerado parte da equipa médica devido à cura espiritual.
Mas foi "Não, não, não! " O genro do moribundo, que me conduziu até ao hospital, discutiu também durante muito tempo, mas em vão. Ao voltar-me para sair perguntei ao meu anjo da guarda porque é que não conseguia resolver a situação e, subitamente, ouvi a voz do médico atrás de mim: "Hmmm, quanto tempo é que demora?" "Um minuto!", foi a minha resposta. Ele disse, "Bem, se assim for, entre!" e eu entrei para ungir o moribundo.


Um sacerdote alemão, nas Filipinas, recorda o seguinte episódio:

Estava a aproximar-se a data em que eu tinha de entregar no Departamento de Educação um documento relativamente à escola da paróquia. Na confusão de muitos papéis, não consegui encontrá-lo. No inicio fiquei calmo, com a esperança de que apareceria a tempo. Quando chegou o dia da entrega e ainda não o tinha
Encontrado, pedi ao meu Anjo da Guarda para me mostrar o documento, pois certamente sabia onde ele estava. Cheguei a prometer oferecer uma Santa Missa em sua honra, se ele o fizesse vir parar às minhas mãos. Quando comecei nervosamente à procura do documento, o superior de uma comunidade religiosa telefonou e perguntou-me se poderia celebrar a Santa Missa para a sua comunidade nesse dia. Respondi-lhe que seria muito difícil, pois estava especialmente stressado devido a um prazo que tinha de cumprir. Ele compreendeu e retirou o pedido. Ao terminar o telefonema, acrescentou: "A propósito, da última vez que cá esteve deixou ficar um envelope. Ainda está na sacristia. " Compreendi imediatamente: "Esse é o documento de que eu andava à procura." Por isso, disse-lhe: "Vou já para ai e celebrarei a Santa Missa como me pediu ", e tal como tinha prometido ao meu Anjo da Guarda.

Estes exemplos encorajam-nos a estarmos vigilantes e atentos a estes ajudantes Angélicos e, assim, a estarmos mais bem preparados para o futuro.

- Recordemos o livro de Daniel e a ajuda que o Anjo Gabriel lhe ofereceu, bem como o apoio de São Miguel. Para além da promessa explícita feita a Moisés, "Eis que Eu envio um anjo diante de ti" (Ex 23,20), o profeta Zacarias parece ter beneficiado de uma ajuda semelhante pelo "anjo que me falava" (Zc 1,9.14; 2,2).
Este caso, e outro parecido em Ml 3,1, serve para confirmar uma antiga tradição que fala de um "Anjo Companheiro", não outro "Anjo da Guarda", mas um que sempre ajuda. Concretamente, um testemunho famoso desta ajuda foi narrado por S. Pedro Canisius. No seu livro Confissões e Testamento ele pede a Deus:
A tua gloriosa Mãe deu-me a sua bênção para este novo começo (a profissão religiosa), o que aconteceu através de um anjo que me foi dado diante do altar de S. Pedro e S. Paulo. Ele admoestou-me a habituar-me a tê-lo ao meu lado direito e a prestar-lhe a atenção que é devida a uma pessoa venerável. Isto deveria fortalecer em mim a lembrança da presença do mensageiro de Deus, pois é muito útil tê-los sempre diante dos olhos...Tive a impressão de que na profissão de votos na Companhia de Jesus se recebe um espírito especial, precisamente como foram dados aos apóstolos no Pentecostes.

 

São Miguel Arcanjo: Príncipe da Milícia celeste, poderoso escudo contra a ação diabólica

Comemora-se a 29 de Setembro a festa do glorioso São Miguel, cuja invicta combatividade em defesa do Deus omnipotente é assim descrita no Apocalipse:
“Houve uma batalha no Céu: Miguel e os seus Anjos guerrearam contra o Dragão. O Dragão batalhou, juntamente com os seus Anjos, mas foi derrotado e não se encontrou mais um lugar para eles no Céu” (Apoc. 12, 7-8).
A devoção ao Príncipe das Mílicias Celestes atingiu um desenvolvimento extraordinário na Idade Média. Essa forma de devoção marca ainda todas as modalidades de culto ao chefe das legiões angélicas.
Entretanto, ele já era reverenciado no Antigo Testamento.
O Profeta Daniel refere-se a São Miguel nos seguintes termos:
“Naquele tempo, surgirá Miguel, o grande Príncipe, constituído defensor dos filhos do seu povo [isto é, o povo fiel católico, herdeiro, no Novo Testamento, do povo de Israel], e será tempo de angústia como jamais houve” (Dan. 12, 1).
São Miguel é comumente designado como Arcanjo. Entretanto, tal qualificação pode ser genérica e não significar que ele pertença ao oitavo coro de Anjos (os Arcanjos).
A esse respeito, merece ser reproduzida significativa citação do grande exegeta jesuíta Pe. Cornélio A Lapide, nascido em Bocholt, província belga de Limburgo, em 1567, e falecido em Roma, a 11 de Março de 1637.
A extensa obra desse insigne autor, que comentou todos os livros do Antigo e do Novo Testamento, é até hoje universalmente admirada. Merecem especial destaque a grande erudição, a escrupulosa diligência e o luminoso engenho com que ele trata da Sagrada Escritura.
Embora num ou noutro ponto do texto bíblico tenham surgido novas questões, é incontestável que seus magníficos comentários e eruditas citações ainda hoje gozam de autoridade. Eis suas palavras:
“Muitos julgam que Miguel, tanto pela dignidade de natureza, como de graça e de glória é absolutamente o primeiro e o Príncipe de todos os anjos.

 “E isso se prova, primeiro, pelo Apocalipse (12, 7), onde se diz que Miguel lutou contra Lúcifer e seus anjos, resistindo à sua soberba com o brado cheio de humildade: ‘Quem (é) como Deus?’ Portanto, assim como Lúcifer é o chefe dos demónios, Miguel o é dos anjos, sendo o primeiro entre os Serafins.
“Segundo, porque a Igreja chama-lhe Príncipe da Milícia Celeste, que está posto à entrada do Paraíso.
“E é em seu nome que se celebra a festa de todos os anjos. Terceiro, porque Miguel é hoje cultuado como o protetor da Igreja como outrora o foi da Sinagoga.
“Finalmente, em quarto lugar, prova-se que São Miguel é o Príncipe de todos os anjos, e por isso o primeiro entre os Serafins, porque o diz São Basílio na Homilia De Angelis: ‘A ti, ó Miguel, general dos espíritos celestes, que por honra e dignidade estais posto à frente de todos os outros espíritos celestiais, a ti suplico...’”

 

Quem é o meu anjo da guarda?         

O anjo do Senhor acampa ao redor dos que o temem e os salva” (Sl 33,8).

O Catecismo da Igreja diz que “a existência dos seres espirituais, não-corporais, os anjos, é uma verdade de fé”. O testemunho da Escritura a respeito é tão claro quanto a unanimidade da Tradição (n.328). Nenhum católico pode, então, negar a existência dos anjos. Eles são criaturas pessoais e imortais, puramente espirituais, dotados de inteligência e de vontade e superam em perfeição todas as criaturas visíveis (cf. Cat. n.330). São Gregório Magno disse que quase todas as páginas da Revelação escrita falam dos anjos.

A Igreja ensina que, desde o início até à morte, a vida humana é cercada pela proteção (Sl 90,10-13) e pela intercessão dos anjos. “O anjo do Senhor acampa ao redor dos que o temem e os salva” (Sl 33,8).

São Basílio Magno (†369), doutor da Igreja, disse: “Cada fiel é ladeado por um anjo como protetor e pastor para o conduzir à vida” (Ad. Eunomium 3,1). Isto é, temos um Anjo da Guarda pessoal. Jesus disse: “Não desprezeis nenhum destes pequeninos, porque eu vos digo que os seus anjos nos céus vêem continuamente a face do meu Pai que está nos céus” (Mt 18,10).

A liturgia de 2 de Outubro celebra os Anjos da Guarda desde o século XVI. Ora, se a Igreja celebra a festa dos Anjos da Guarda é porque, de facto, eles existem e cuidam de nós, nos protegem, iluminam, governam a nossa vida, ajudam-nos como ajudou Tobias. Mas para isso é preciso crer neles, respeitá-los, não afugentá-los pelo pecado. Um dia, um rapaz disse: “Eu não vejo pornografia na internet, porque tenho vergonha do meu Anjo da Guarda!”. A melhor homenagem ao nosso anjo é viver uma vida sem pecados, buscando, com a ajuda dele, fazer a vontade de Deus.

A Tradição da Igreja acredita que o nosso Anjo da Guarda tem a tarefa de oferecer ao Senhor as nossas orações, apoiar-nos e proteger-nos dos ataques do diabo, que nos tenta fazer pecar e perder a vida eterna. Então, nada mais importante do que ter uma vida de intimidade com o nosso anjo, invocando-o constantemente e colocando-nos debaixo da sua protecção, rezando-lhe esta oração: Santo anjo do Senhor, meu zeloso guardador, pois que a ti me confiou a piedade divina, hoje e sempre me governa, rege, guarda e ilumina. Amém.

O melhor a fazer é não fazer nada sem pedir a luz, a proteção, o governo do bom anjo que o Senhor colocou como guarda e custódio da nossa vida, do baptismo, até à morte. É por isso que muitos Papas, como João XXIII, revelaram a sua profunda devoção pelo Anjo da Guarda, sugerindo, como também disse Bento XVI, que expressemos a nossa gratidão pelo serviço que ele presta a cada um de nós e o invoquemos todos os dias.

O Santo Padre Pio teve um relacionamento profundo com o Anjo da Guarda. São inúmeras as passagens da vida deste santo com o seu anjo e com o anjo dos outros. Certa vez, ele disse a uma pessoa: “Nós rezaremos pela sua mãe, para que o seu anjo da guarda lhe faça companhia”. Invoque o seu Anjo da Guarda, pois ele o iluminará e o guiará no caminho de Deus.

É muito importante termos um relacionamento vivo e fervoroso com o nosso bom anjo protetor durante toda a vida.

 

Regressar