Ave Maria Imaculada... Rezai o Terço todos os dias... Mãe da Eucaristia, rogai por nós...Rainha da JAM, rogai por nós... Vinde, Espirito Santo... Jesus, Maria, eu amo-Vos, salvai almas!

Curiosidades

As 20 coisas que os anjos da guarda fazem por nós

Imagina que tinhas um guarda-costas que estava sempre contigo. Ele fez todas as coisas habituais de guarda-costas. Proteger-te do perigo, afastando os assaltantes e, geralmente, manter-te seguro em todas as situações. Mas ele também fez mais do que isso: ofereceu-te orientação moral, ajudou-te a tornares-te uma pessoa mais forte e levou-te ao teu chamamento final na vida.

Nós não temos que imaginar isto. Nós já temos este guarda-costas. A tradição cristã chama-lhes anjos da guarda. A sua existência é apoiada pela Escritura e tanto católicos como protestantes acreditam neles

Mas muitas vezes deixamos de aproveitar este grande recurso espiritual.

Para melhor conseguir a ajuda dos anjos da guarda, pode ser útil ter uma melhor apreciação do que eles podem fazer por nós. Aqui estão 20 coisas:

1. O Anjo da Guarda, defende-nos dos demónios

Às vezes, visualizamos a tomada de decisão moral como um debate entre um anjo mau sussurrando num ouvido e um bom anjo falando sabiamente no outro. Há uma verdade nisto: de acordo com São Tomás de Aquino, um dos papéis dos anjos da guarda é lutar contra os demónios (Summa Theologica, Parte 1)

2. Protege-nos de danos

Os anjos da guarda geralmente protegem-nos dos danos espirituais e físicos. Esta crença está enraizada nas Escrituras. Por exemplo, o Salmo 91: 11-12 declara: “Pois ele comanda os seus anjos com respeito a ti, para te guardar onde quer que tu vás. Com as mãos deles, apoiar-vos-ão, para não bateres no pé contra uma pedra.

3. Fortalece-nos contra a tentação

Os anjos da guarda não apenas afastam o mal, mas também nos fortalecem para que possamos fazê-lo sozinhos. São Bernardo disse num sermão: “Tão frequentemente, portanto, que uma tentação mais séria pesa sobre ti e uma prova excessiva é ameaçadora, chama a sua guarda, o seu líder, o seu ajudante nas tuas necessidades, na tua tribulação; chora para ele e diz-lhe: ‘Senhor, salva-nos; nós perecemos! ‘”

4. Anjo da Guarda. Encoraje-nos

São Bernardo também disse que com anjos como estes ao nosso lado não deveríamos ter medo. Devemos ter a coragem de viver a nossa fé com ousadia e enfrentar qualquer coisa que a vida nos possa levar. Como ele diz: “Por que deveríamos temer estes guardiões? Aqueles que nos mantêm em todos os nossos caminhos não podem ser vencidos nem enganados, muito menos enganosos. Eles são fiéis; eles são prudentes; eles são poderosos; por que trememos?

5. Intervêm milagrosamente para nos salvar de problemas

Os anjos da guarda não apenas ‘guarda’, mas também nos podem salvar quando já estamos em apuros. Isto é ilustrado pela história de Pedro em Actos 12, quando um anjo ajuda a libertar o apóstolo da prisão. A história sugere que é o seu anjo pessoal que interveio. Claro que não podemos contar com tais milagres. Mas é um conforto adicional saber que são possíveis.

6. Protege-nos desde o nascimento

Os Padres da Igreja uma vez debateram se os anjos da guarda eram designados no nascimento ou no batismo. São Jerónimo argumentou decisivamente para o primeiro. A sua base era Mateus 18:10, que é uma passagem bíblica crucialmente importante que sustenta a existência de anjos da guarda. No versículo, Jesus diz: “Vede que não desprezeis algum destes pequeninos, porque eu vos digo que os seus anjos no céu vêem sempre a face do meu Pai celestial.” A razão pela qual recebemos anjos da guarda no nascimento é que a sua ajuda está associada à nossa natureza como seres racionais, em vez de pertencer à ordem da graça.

7. Protege todos nós – incluindo os incrédulos 

Esta conclusão decorre do acima exposto. Deus nunca deixa nenhum de nós, inclusive os pecadores. Como o grande teólogo dogmático Ludwig Ott explicou, “De acordo com o ensinamento geral dos teólogos, no entanto, não apenas todo o baptizado, mas todo o ser humano, incluindo os incrédulos, tem o seu próprio anjo guardião especial”.

O Papa Bento XVI também ensinou que os anjos da guarda são “ministros do cuidado divino por todo o ser humano”.

8. Lembra-nos da dignidade das pessoas

Isto segue de tudo o que foi dito antes. É particularmente evidente em Mateus 18:10 onde Jesus nos instrui a não ‘desprezar’ os ‘pequeninos’ porque eles têm anjos a cuidar deles. São Jerónimo disse: “O valor das almas é tão grande que, desde o nascimento cada um tem um anjo atribuído a ele por protecção.” Piper enfatiza como a presença dos anjos da guarda deve levar-nos a um respeito maior pelos nossos irmãos cristãos: “Portanto, não desprezem este simples e inexpressivo discípulo de Jesus! Deixe a sua comitiva angélica lembrá-lo de quem é filho.”

9. Lembra-nos do cuidado de Deus para com todos

São Tomás de Aquino explica como os anjos operam de acordo com o plano providencial de Deus para todos os homens. Segue-se que estes anjos servem como um lembrete do Seu cuidado por nós.

10. Anjo da Guarda. Levam as nossas necessidades a Deus

Akin diz que os anjos da guarda agem como intercessores que levam os nossos pedidos directamente a Deus com base nas palavras de Jesus em Mateus 18:10 sobre os anjos que contemplam a face de Deus.

11. Levam-nos para mais perto de Deus

Segue-se do exposto que os anjos da guarda também nos ajudam a nos aproximar de Deus. Mesmo quando Deus parece distante, lembra-te que o anjo da guarda designado para ti pessoalmente, está ao mesmo tempo a ver Deus directamente.

12. Move-nos para o bem

Os anjos da guarda também nos movem para o bem. Além disso, é manifesto que, no que se refere às coisas a serem feitas, o conhecimento e a afeição humanos podem variar e fracassar em muitos aspectos do bem; e por isso era necessário que os anjos fossem designados para a tutela dos homens, para os regular e os mover para o bem: isto inclui levar-nos a realizar boas obras.

13. Reforça os mandamentos de Deus

Um dos papéis dos nossos guardiões angelicais ajuda-nos a usar a nossa razão para buscar a virtude. Em particular, ele diz que os anjos nos ajudam a desenvolver a prudência servindo como “instrutor universal” de Deus, transmitindo os preceitos de Deus.

14. Ilumina a verdade

Os Anjos “propõem a verdade inteligível aos homens” através de coisas sensíveis. Embora ele não elabore este ponto, este é um ensinamento básico da Igreja que o mundo material aponta para realidades espirituais invisíveis. Como São Paulo diz em Romanos 1:20: “Desde a criação do mundo, os seus atributos invisíveis de poder e divindade eternos puderam ser compreendidos e percebidos no que ele fez”.

15. Fortalece as nossas mentes

Uma segunda maneira que os anjos nos esclarecem, é reforçando os nossos intelectos: o intelecto humano como o inferior, é fortalecido pela acção do intelecto angélico”.

16. Comunica-se através da nossa imaginação

Além de trabalhar através dos nossos sentidos e intelectos, os nossos anjos da guarda também nos influenciam através das nossas imaginações- Temos o exemplo dos sonhos de São José. Mas pode não ser algo tão óbvio como um sonho; poderia também ser através de meios mais sutis como um “fantasma”, que poderia ser definido como uma imagem trazida aos sentidos ou à imaginação.

17. Influencia as nossas vontades

Os anjos não podem mover directamente a vontade, mas podem indirectamente influenciá-la através dos nossos sentidos e intelecto. Isto significa que os nossos anjos da guarda influenciam cada parte do nosso ser para melhor – nossos sentidos, intelecto e vontade.

18. Ajuda-nos na nossa salvação

O objectivo final de todos os anjos da guarda é ajudar na nossa salvação. Os Anjos são enviados para ministrar, e com eficácia, para aqueles que receberão a herança da salvação, se considerarmos o efeito final da sua tutela, que é a realização desta herança. Hebreus 1:14, afirma: “Eles não são todos espíritos ministradores enviados para servir, por causa daqueles que devem herdar a salvação?”

19. Lembra-nos do nosso objectivo final

Inspirado pelas palavras de Cristo em Mateus 18:10, Santo Agostinho sugere que os anjos da guarda nos lembram que o nosso objectivo final é a visão beatífica de Deus: “Como, então, eles vêem, assim também veremos; mas ainda não vemos assim. Por isto o apóstolo usa as palavras citadas há pouco, agora vemos através de um vidro, sombriamente; mas depois cara a cara. Esta visão é reservada como a recompensa da nossa fé; e disto o apóstolo João também diz: Quando Ele aparecer, seremos como Ele, pois o veremos como Ele é. 1 João 3: 2. Pela face de Deus, devemos entender a Sua manifestação, e não uma parte do corpo semelhante àquela que nos nossos corpos chamamos por esse nome”. (Cidade de Deus, Livro 22, Capítulo 29).

20. Nunca nos deixa 

Os anjos da guarda assumem os seus deveres no nosso nascimento e mantêm-nos até à nossa morte. Isto é apenas uma extensão da verdade mais ampla de que nunca deixamos completamente o cuidado de Deus, mesmo em pecado e dúvida: “Mas é evidente que nem o homem, nem absolutamente nada, é inteiramente retirado da providência de Deus; na medida em que uma coisa participa do ser, até agora está sujeita à providência que se estende sobre todo o ser. Deus, de facto, é dito que abandona o homem, de acordo com o ordenamento da Sua providência, mas somente na medida em que Ele permite que o homem sofra algum defeito de punição ou culpa. Da mesma forma, deve-se dizer que o anjo da guarda nunca abandona inteiramente um homem…”

Regressar