Ave Maria Imaculada... Rezai o Terço todos os dias... Mãe da Eucaristia, rogai por nós...Rainha da JAM, rogai por nós... Vinde, Espirito Santo... Jesus, Maria, eu amo-Vos, salvai almas!

Quaresma-Páscoa

Via Sacra

Via Sacra

O exercício espiritual da Via Sacra consiste em que os fiéis percorram mentalmente a caminhada de Jesus carregando a Cruz desde o pretório de Pilatos até ao monte Calvário, meditando simultaneamente a Paixão do Senhor.
Tal exercício, muito usual no tempo da Quaresma, teve origem na época das Cruzadas (séculos XI/XIII): os fiéis que então percorriam na Terra Santa os lugares sagrados da Paixão de Cristo quiseram reproduzir no Ocidente a peregrinação feita ao longo da Via Dolorosa em Jerusalém.
O número de estações ou etapas desta caminhada foi sendo definido paulatinamente, chegando à forma actual, de catorze estações, no século XVI.
O exercício da Via Sacra tem sido muito recomendado pelos Sumos Pontífices, pois ocasiona frutuosa meditação da Paixão do Senhor Jesus.
Compreende catorze estações ou etapas, cada uma das quais representa uma cena da Paixão a ser meditada pelo discípulo de Cristo.

1ª Estação: Jesus é sentenciado à morte.

- Nós Vos adoramos e bendizemos, Senhor Jesus Cristo.
- Porque pela vossa Santa Cruz  remistes o mundo.
Jesus foi sentenciado não por um tribunal, mas por todos e por causa dos nossos pecados. Condenado pelos mesmos que O tinham aclamado pouco antes. E Ele cala…
Nós fugimos de ser reprovados. E saltamos imediatamente…
Concedei-me, Senhor, a graça de Vos imitar, unindo-me a Ti pelo silêncio quando alguém me fizer sofrer ou me condene injustamente. Eu mereço-o. Ajudai-me, Senhor!

Pequei Senhor, tem piedade e misericórdia de mim.
Pai Nosso, Ave Maria e Glória… 

2ª Estação: Jesus carrega a cruz

Que eu compreenda, Senhor, o valor da cruz, das minhas pequenas cruzes de cada dia, dos meus achaques, das minhas doenças, da minha solidão. Que eu não desanime, mas tome a minha cruz de cada dia e te siga, faça dela um instrumento de salvação.
Concedei-me, Senhor, a graça converter em oferta amorosa, em reparação pela minha vida e no apostolado pelos meus irmãos, a minha cruz de cada dia.

3ª Estação: Jesus cai, pela primeira vez, com o peso da cruz.

Tu cais Senhor, para me redimir. Para me ajudar a levantar nas minhas quedas diárias, quando depois de ter me proposto a ser fiel, volto a reincidir nos meus pecados e defeitos quotidianos. Ajuda-me a levantar sempre e a seguir o meu caminho a Ti!

4ª Estação: Encontro com a Virgem Maria

Faz Senhor, com que eu me encontre ao lado de tua Mãe em todos os momentos da minha vida. Com ela, apoiando-me no seu carinho maternal, tenho a segurança de chegar a Ti no último dia da minha existência. Ajuda-me Mãe!

5ª Estação: O Cireneu ajuda o Senhor a carregar a Cruz

Cada um de nós tem a nossa vocação, viemos ao mundo para algo concreto, para nos realizarmos de uma maneira particular. Qual é a minha vocação e como eu a vivo? Mas, há algo, Senhor, que é minha missão e de todos: a de ser Cireneu dos outros, a de ajudar a todos.
Como realizo a minha missão de Cireneu?

6ª Estação: Verónica enxuga o rosto de Jesus

É a mulher valente, decidida, que se aproxima de Ti quando todos Te abandonam. Eu, Senhor, abandono-Te quando me deixo levar pelo “que dirão”, do respeito humano, quando não me atrevo a defender o próximo ausente, quando não me atrevo a replicar uma brincadeira que ridiculariza os que tratam de se aproximar de Ti. E em tantas outras ocasiões. Ajuda-me a não me deixar levar pelo respeito humano, pelo “que dirão”.

7ª Estação: Segunda queda no caminho da Cruz

Cais, Senhor, pela segunda vez. A Via Sacra fala-nos em três quedas no teu caminhar até ao Calvário. Talvez foram mais. Cais diante de todos… Quando aprenderei eu a não temer ficar mal diante dos outros, por um erro, pelo orgulho, por um equívoco? Quando aprenderei que também isto se pode converter em oferenda?

8ª Estação: Jesus consola as filhas de Jerusalém
 

Muitas vezes, teria eu que analisar a causa das minhas lágrimas. Ao menos, dos meus pesares, das minhas preocupações. Talvez haja neles um fundo de orgulho, de amor próprio mal entendido, de egoísmo, de inveja. Deveria chorar pela minha falta de correspondência aos teus inúmeros benefícios de cada dia, que me manifestam Senhor, quanto me queres.
Concedei-me, Senhor, a graça de uma profunda gratidão e correspondência à tua misericórdia.

9ª Estação: Jesus cai pela terceira vez

Terceira queda. Mais perto da Cruz. Mais esgotado, mais falta de forças. Cais desfalecido, Senhor. Eu digo que me pesam os anos, que não sou o mesmo de antes, que me sinto incapaz.
Concedei-me, Senhor, a graça de Te imitar nesta terceira queda e faz com que o meu desfalecimento seja benéfico para outros, porque eu os dou a Ti para eles.

10ª Estação: Jesus é despojado das suas vestes

Arrancam as tuas vestes, agarradas a Ti pelo sangue das tuas feridas. A infinita distância da tua dor, eu senti, às vezes, como algo que arrancava dolorosamente de mim pela perda dos meus seres queridos.
Senhor Jesus, que eu saiba oferecer a lembrança das separações que me desgarraram, unindo-me à tua paixão a consolar os que sofrem, fugindo do meu próprio egoísmo.

11ª Estação: Jesus é pregado na Cruz

Senhor, que eu diminua as minhas limitações com o meu esforço e assim possa ajudar os meus irmãos. Quero pregar na cruz contigo todos os meus pecados, o meu homem velho, os meus vícios, egoísmos e auto-suficiências…
E que quando o meu esforço não consiga diminuí-las, eu me esforce em as oferecer também por eles.

12ª Estação: Jesus morre na Cruz

Eu Te adoro,  meu Senhor, morto na Cruz para me salvar.  Adoro e beijo as tuas chagas, as feridas dos cravos, o golpe de lança no lado, de onde jorrou sangue e água fonte de misericórdia para nós… Obrigado Senhor, obrigado! Morreste para me  salvar, para salvar a todos nós e nos dar a vida em plenitude.
Concedei-me, Senhor, a graça responder ao teu amor com amor, cumprir a tua Vontade, trabalhar pela minha salvação, ajudado pela tua graça. E dai-me a graça de trabalhar com afinco pela salvação dos meus irmãos e pela defesa da vida.

13ª Estação: Jesus nos braços de sua mãe

Deixa-me estar ao teu lado, Mãe, especialmente  nestes momentos da tua incomparável dor. Deixa-me estar ao teu lado. Mais te peço: que hoje e sempre me tenhas perto de Ti e te compadeças de mim. Nos momentos de dor e sofrimento põe-me no teu colo.
Olhai-me com compaixão, não me deixes, ó minha Mãe!

14ª Estação: Jesus é depositado no Sepulcro.

Tudo está terminado. Mas não: depois da morte, vem a Ressurreição. Ensina-me a ver tudo o que passa, o transitório e passageiro, à luz do que não passa. E que esta luz ilumine todos os meus actos. Que eu nunca perca a esperança, pois o amor é mais forte do que a morte!
Coloco no sepulcro vazio todos os meus pecados e o homem velho. Assim seja.

Oração Final:

Eu Te suplico Senhor, que me concedas,
por intercessão de tua Mãe a Virgem Maria,
que cada vez que medite na tua Paixão,
fique gravado em mim
com marca de actualidade constante,
o que Tu fizeste por mim
e os teus constantes benefícios.
Faz Senhor, que me acompanhe,
durante toda a minha vida,
um agradecimento imenso à tua Bondade. Amém

“Olha para Cruz: esta é a minha maior prova: ninguém te ama como Eu!”

A Via-Sacra segundo os Evangelhos

O Santo Padre João Paulo II introduziu nova sequência das cenas na Via Sacra que promove no Coliseu, em Roma, optando pelas narrações dos Evangelistas. É esta sucessão que estamos propondo aqui, com as próprias palavras da Sagrada Escritura.

As novas Estações são:

1. Jesus ora no Horto de Getsémani, Monte das Oliveiras
Mt 26,36-46; Mc 14,32; Lc 22,39; Jo 18,1
2. Jesus, traído por Judas, é aprisionado
Mt 26,47-56; Mc 14,43; Lc 22,47; Jo 18,2
3. A condenação de Jesus perante o Sinédrio
Mt 26,57-66; Mc 14,53; Lc 22,54; Jo 18,19
4. As negações do Apóstolo Pedro
Mt 26,69-75; Mc 14,66; Lc 22,55; Jo 18,15
5. Jesus entregue a Pilatos
Jo 18,28; Mt 27,11; Mc 15,2; Lc 23,2
6. A flagelação e a coroação de espinhos de Jesus. Ludíbrio.
Jo 19,1; Mt 27,24; Mc 15,15; Lc 23,24
7. Jesus carrega a Cruz
Lc 22,26; Mt 27,31; Mc 15,20; Jo 19,16
8. Jesus e Simão Cireneu
Lc 22,26; Mt 27,32; Mc 15,21
9. O encontro de Jesus com as mulheres de Jerusalém
Lc 22,27; Mt 27,33
10. A crucificação de Jesus
Jo 19,18; Mt 27,35; Mc 15,24; Lc 23,33
11. Jesus e o bom ladrão
Lc 23,35; Mt 27,39; Mc 15,29; Lc 23,35
12. Maria Santíssima e o Apóstolo João ao pé da Cruz de Jesus
Jo 19,25-27
13. A morte de Jesus
Mt 27,45; Mc 15,33; Lc 23,44; Jo 19,28
14. Jesus deposto no sepulcro
Mc 15,42; Mt 27,57; Lc 23,50; Jo 19,38



Regressar