Ave Maria Imaculada... Rezai o Terço todos os dias... Mãe da Eucaristia, rogai por nós... Rainha da JAM, rogai por nós... Vinde, Espirito Santo... Jesus, Maria, eu amo-Vos, salvai almas!

Eutanásia

O Papa Bento XVI pede respeito à vida e condena a eutanásia

Bento XVI deixou um forte apelo contra a eutanásia, pedindo o respeito de toda a sociedade para com as pessoas em final de vida e para com as suas famílias, repetindo "a firme e constante condenação ética de qualquer forma de eutanásia directa".

Para Bento XVI, nas grandes cidades em que cada vez há mais pessoas idosas e solitárias, mesmo nos momentos de doença grave e na proximidade da morte, as pressões eutanásicas tornam-se cada vez mais pesadas, sobretudo quando se insinua uma visão utilarista em relação à pessoa.

"Numa sociedade complexa, fortemente influenciada pelas dinâmicas da produtividade e pelas exigências da economia, as pessoas frágeis e as famílias mais pobres arriscam-se, nos momentos de dificuldade económica ou de doença, a serem esquecidas", acusou.

Neste contexto, Bento XVI pediu que à imagem do que já acontece por ocasião do nascimento, as famílias tenham "direitos específicos" na fase terminal de um parente, para que possam acompanhá-lo com mais proximidade.

Citando a sua última encíclica, Spe salvi, o Papa frisou que a medida da humanidade se determina essencialmente na relação com o sofrimento e com aquele que sofre.

"Uma sociedade que não consegue aceitar quem sofre e não é capaz de contribuir através da com-paixão (sic)a fazer que o sofrimento seja partilhado é uma sociedade cruel e desumana", atirou.

"Embora na consciência de que ‘não é a ciência que redime os homens’, toda a sociedade e em especial os sectores ligados à ciência médica têm o dever de exprimir a solidariedade do amor, a salvaguarda e o respeito da vida humana em cada momento do seu desenvolvimento terreno, sobretudo quando essa sofre uma condição de doença ou se encontra na sua fase terminal", prosseguiu.

Mais concretamente, especificou o Papa, trata-se de "assegurar a cada pessoa que o apoio necessário, através de terapias e intervenções médicas adequadas, individuadas e geridas segundos os critérios da proporcionalidade médica, sempre tendo em conta o dever moral de fornecer (da parte do médico) e de acolher (da parte do paciente) aqueles meios de preservação da vida que, na situação concreta, resultem ‘ordinários’".

"Pelo contrário, no caso de terapias que se possam considerar extraordinárias, o recurso às mesmas deverá ser considerado moralmente lícito, mas facultativo", prosseguiu.

Evocando uma "sociedade solidária e humanitária", que tenha em conta as dificuldades enfrentadas por quem tem a seu cargo, por períodos prolongados, doente graves não auto-suficientes, Bento XVI observou que "um maior respeito da vida humana individual passa inevitavelmente pela solidariedade concreta de todos e de cada um, constituindo um dos mais urgentes desafios do nosso tempo".

Bento XVI ressaltou que “a eutanásia é uma falsa solução ao drama do sofrimento, uma solução indigna do homem. De facto, a verdadeira resposta não pode ser a da morte, ainda que suave, mas sim testemunhar o amor que ajuda a enfrentar a dor e a agonia de modo humano. Estejamos certos disto: nenhuma lágrima, nem de quem sofre, nem de quem está próximo, se perde diante de Deus”.


O Catecismo da Igreja ensina:

§2280 – “Cada um é responsável por sua vida diante de Deus que lha deu e que dela é sempre o único e soberano Senhor. Devemos receber a vida com conhecimento e preservá-la para sua honra e a salvação de nossas almas. Somos os administradores e não os proprietários da vida que Deus nos confiou. Não podemos dispor dela.”

§2281 – “O suicídio contradiz a inclinação natural do ser humano a conservar e perpetuar a própria vida. É gravemente contrário ao justo amor de si mesmo. Ofende igualmente o amor do próximo porque rompe injustamente os vínculos de solidariedade com as sociedades familiar, nacional e humana, às quais nos ligam muitas obrigações. O suicídio é contrário ao amor do Deus vivo.”

§2282 – “Se for cometido com a intenção de servir de exemplo, principalmente para os jovens, o suicídio adquire ainda a gravidade de um escândalo. A cooperação voluntária ao suicídio é contrário à lei moral. Distúrbios psíquicos graves, a angústia ou o medo grave da provação, do sofrimento ou da tortura podem diminuir a responsabilidade do suicida.”

§2283 – “Não se deve desesperar da salvação das pessoas que se mataram. Deus pode, por caminhos que só ele conhece, dar-lhes ocasião de um arrependimento salutar. A Igreja ora pelas pessoas que atentaram contra a própria vida.”
Cada vez mais o homem vai expulsando Deus do mundo; e voltando à barbárie dos tempos romanos; orgulhosamente vai ocupando o lugar de Deus. Mas não pode se esquecer do que disse um dia S. Tomás de Aquino: “Quanto mais o homem se afasta de Deus, mais se aproxima do seu nada, e do desespero”.



Regressar