Ave Maria Imaculada... Rezai o Terço todos os dias... Mãe da Eucaristia, rogai por nós...Rainha da JAM, rogai por nós... Vinde, Espirito Santo... Jesus, Maria, eu amo-Vos, salvai almas!

Curiosidades

Conversão ao catolicismo

 Youssif é de origem muçulmana. Os pais ensinaram-lhe "os rudimentos da religião: rezar, jejuar, temer a Deus... Mas nunca achei o suficiente, sempre precisei de ir mais longe na espiritualidade, entender Deus. E eles nunca me falaram de Deus."

Quando tinha cerca de 13 anos, conheceu um amigo evangélico e acompanhou-o a uma das suas celebrações. Ele gostava deles: "Eu achei muito agradável ter uma relação pessoal com Deus. Mas isto criou muitas preocupações na minha família. Sendo adolescente, obedeci e parei de praticar esta religião."

O próximo passo de Youssif na sua busca espiritual foram os cultos raelianos, mas isso também não o preencheu: "Então deixei tudo e tornei-me um agnóstico. Eu gostava de ser um agnóstico porque eu ainda tinha fé em Deus, mas quanto mais longe eu estava, mais me escondia, porque não incomodava o meu modo de vida. Discuti muito com pessoas religiosas, mas isto não me incomodava desde que não me forçassem, não tentaram convencer-me de coisas em que eu não queria acreditar".

 Quando se casou, Youssif fez isto com uma garota católica: "Ela continuou a ir à missa. Discutimos muito sobre isto, o que acho que contribuiu muito para a minha fé."

Após quatro anos de casamento, algo aconteceu que completou este caminho: "Fomos convidados para um fim de semana cristão para casais. E naquele fim de semana eu realmente tive a experiência de conhecer pessoas que tinham fé, que acreditavam em Deus e que tinham a certeza - que foi sentida na sua oração - de que Deus ouvia a sua oração. Exactamente o que eu perdi quando eu era muçulmano!

Conhecer o Deus cristão desta maneira directa foi um antes e depois para Youssif: "Descobri um Deus que está perto de nós, tão perto que ele se preocupa com as menores e mais frágeis coisas do nosso ser. Isto realmente transformou-me e eu saí naquele fim de semana com a certeza de que Deus me amava. Era, por outro lado, tudo o que eu sabia sobre a religião católica: que Deus me amava pessoalmente."

A primeira consequência? "A primeira coisa que mudou na minha vida foi a liberdade. Senti-me livre para pensar diferentemente dos outros, e com uma relação com Jesus que é bastante simples, hoje."

Jesus, conclui ele, "é aquele a quem posso dizer: 'Amigo, não posso mais, a minha vida não está a ir bem, você tem que intervir, você tem que fazer alguma coisa'. E eu sei com certeza que ele me ouve e que ele vai encontrar uma solução. Nós encontramo-lo juntos, porque Deus respeita a a nossa liberdade. Mas quando as coisas não estão a ir bem, em qualquer caso eu vou para a Adoração, tomo a Bíblia, e digo: 'Ajuda-me' e quando eu a abro tenho a certeza de que Deus me responde."

Regressar