CRISTO VIVO NA FAMÍLIA

Disse Jesus: “Dão grande prazer ao meu Coração os que a Ele se consagrarem e renovarem esta consagração com frequência”.

 

EXEMPLO
Estava tudo preparado para a entronização na Sexta-feira seguinte. A casa era rica. Na segunda-feira porém o chefe de família adoeceu repentinamente e de doença grave. O doente, depois de receber os Sacramentos, diz à esposa: «Vou morrer e não quero sair desta casa sem deixar quem me substitua.» A senhora ouviu e guardou no seu coração as palavras do marido, o seu testamento.
É Sexta-feira. No caixão está o corpo do fale­cido chefe da família. Cercam-no os amigos. Alguns momentos antes da saída do enterro, entra na sala onde repousa o cadáver do marido, a viúva que traz uma imagem do Sagrado Coração e diz: «meus senhores, desejo cumprir a última vontade do meu marido." Coloca então o quadro do Coração de Jesus nas mãos do falecido que repousa no caixão, pede aos presentes que a acompanhem na oração do Credo e no acto de con­sagração. A Imagem é em seguida tirada e con­venientemente entronizada no lugar de honra da sala. Tomando de novo a palavra, a viúva diz: «Agora podeis levar este cadáver. Levai-o. A ocupar o seu lugar, fica nesta família, Cristo vivo.» A convivência com Cristo no lar é encanta­dora: por ela a família merece prémio, e que pré­mio!?