Carta aos catequistas

Queridos (as) Catequistas,
Ainda no início de mais um ano de catequese quero dar-vos os parabéns. Sei que nem sempre o que vós fazeis encontra apoio suficiente dos pais e da comunidade. Mas, acredito na perseverança e no entusiasmo de cada um (a) de vós. Só uma grande paixão por Jesus e pelo seu projecto pode ajudar a levar adiante a missão de catequista.
A Sagrada Escritura está no centro da nossa catequese. Em Roma ocorre neste momento – de 5 a 26 de Outubro – o Sínodo dos Bispos, com o tema a «Palavra de Deus na vida e na missão da Igreja».
A Palavra de Deus ajuda a dar sentido às nossas tristezas e alegrias, nossas angústias e esperanças. Ela fecunda a nossa existência, orienta os nossos passos e aquece-nos o coração.
Deus quer encontrar-se connosco. Por isso, enviou o seu próprio Filho, que se tornou igual a nós em tudo, menos no pecado. Ele assumiu as nossas fraquezas e derrotas. Veio para nos salvar e orientar, definitivamente, as nossas vidas para o Pai. Ele é o caminho, a verdade e a vida! A Sua morte e ressurreição são fontes de vida para nós.
A celebração eucarística é fonte e ápice da nossa vida cristã. Nós somos chamados a intensificar a nossa catequese sobre a eucaristia. Mais do que falar sobre, precisamos vivenciar o mistério pascal: “morrer com Cristo, para ressuscitar com Ele”. Num mundo marcado por tantas corrupções e falsidades, o discípulo (a) de Jesus é chamado (a) a entregar a sua vida para que outros (as) tenham vida.
O (a) catequista é um (a) vocacionado (a). Participa da missão evangelizadora da Igreja. O seu papel na comunidade é de fundamental importância. Mais do que transmitir a Palavra pela boca, deve testemunhá-la com a própria vida.
Que Deus vos abençoe na vossa missão, que é tão nobre e tão bela!