AS GRANDES PROMESSAS DO MENINO JESUS DE PRAGA

O Menino Jesus de Praga «promete e cumpre» quer falando através da veneranda Imagem que se encontra em Praga, quer aparecendo em forma de criança aos seus apaixonados devotos, dignando-se, na sua bondade infinita, fazer grandes promessas que nos estimulam fortemente a recorrer à sua divina protecção nas nossas necessidades espirituais ou materiais, individuais ou colectivas. E cumpre-as fielmente porque Deus é tão omnipotente reclinado no presépio de Belém, como dependurado na Cruz do Gólgota: É sempre o mesmo: infinitamente bom e poderoso, fiel e verdadeiro!

Meditemos as principais promessas:

PRIMEIRA PROMESSA:

«TENDE PIEDADE DE MIM E EU TEREI PIEDADE DE VÓS! RESTITUI-ME AS MINHAS MÃOS E VOS DAREI A PAZ! QUANTO MAIS ME HONRARDES MAIS EU VOS FAVORECEREI!»

É esta a promessa feita ao Rev. P. Cirilo da Mãe de Deus, religioso Carmelita Descalço, íntimo confidente do Menino Jesus e principal apóstolo desta salutar devoção, e que morreu com fama de santidade.
Esta promessa inclui duas promessas particulares, que são as duas primeiras, e uma geral, que é a última:
«Quanto mais Me honrardes, mais Eu vos favorecerei».
Esta promessa é tão clara, que não precisa de esclarecimento algum; é tão importante, que assegura serem os nossos pedidos sempre atendidos na medida da nossa devoção para com o Menino Jesus de Praga.
O número e a grandeza dos favores que nos concede o Menino Jesus depende essencialmente do amor que Lhe temos, da confiança com que a Ele recorremos e do fervor com que Lhe prestamos culto. Honremo-LO com as nossas orações, boas obras e virtudes, e os favores choverão abundantemente sobre nós.

SEGUNDA PROMESSA

«RECORRE AO MEU CORAÇÃO, E CADA VEZ QUE QUISERES OBTER UMA GRACA, NÃO DEIXEIS DE MA PEDIR PELOS MÉRITOS DA MINHA SANTA INFÂNCIA, PORQUE NÃO TA RECUSAREI! TUDO QUANTO ME PEDIREM PELA MINHA SANTA INFÂNCIA SERÁ CONCEDIDO!».

Promessa feita à Venerável Margarida do Santíssimo Sacramento, Carmelita Descalça do Convento de Beaune, em França, que morreu com a idade de 27 anos, em perfume de santidade. Tornou-se célebre pela sua grande devoção à Infância de Jesus e pelo zelo em a propagar. É a autora da coroinha do Menino Jesus.
Esta promessa do Menino Jesus é de um alcance incomensurável, duma generosidade infinita, duma bondade inefável, que enche o nosso espírito de consoladoras esperanças, e que nos obriga a prostrar-nos diante do Menino Jesus de Praga e dizer-lhe com a alma repleta de gratidão e amor: «OBRIGADO, MEU DOCE JESUS DE PRAGA! OBRIGADO, MIL VEZES MUITO OBRIGADO!»
Explicações desta promessa? Não são precisas: foram dadas pelo próprio Menino Jesus quando fez a promessa. Toda a explicação pode deturpar a sua amplidão e simplicidade.
Não estabelece limites: «TUDO será concedido». Só estabelece uma condição: o pedido deve-Lhe ser feito «PELA MINHA SANTA INFÂNCIA, PELOS MÉRITOS DA MINHA SANTA INFÂNCIA». O «tudo» que promete, está subordinado ao pedido que deve ser feito «pela sua Santa Infância».
Esta promessa não é simplesmente «promessa», mas é mais, muito mais: é um apelo insistente e veemente, que parece atingir o grau de obrigatoriedade: «Recorre!» imperativo, exigente e categórico, imperativo de súplica.
Obriga-nos a recorrer ao seu Coração amantíssimo e sempre que queremos obter uma graça suplica que NÃO DEIXEMOS de Lha pedir porque: «Não ta recusarei», se a pedirmos pelos méritos da sua Santa Infância, essa fase da Sua vida terrestre que quer avivar nos nossos corações e ver actualizada nas nossas vidas!
Tudo isto é sublime, é encantador: arrebata os corações e nos enche de alegrias consoladoras.

TERCEIRA PROMESSA

«APRESSA-TE, MINHA FILHA, A PEDIR POR ESTE POVO CULPADO! É NOS MISTÉRIOS DA MINHA SANTA INFÂNCIA QUE ENCONTRARÁS GRAÇA E MISERICÓRDIA PARA A TUA PÁTRIA!»

Esta promessa, como também a anterior, foi feita à Venerável’ Margarida do Santíssimo Sacramento. E como é bela e amável! O Menino Jesus que veio aplacar a ira de Deus indignado pelos inúmeros pecados da humanidade caída, agora pede, insiste, exige que os homens recorram com confiança a Ele, — tão encantador e tão nosso, — pedindo-Lhe perdão pelos pecados alheios num sentimento de reparação colectiva e universal, para que os povos não sejam severamente castigados. «Apressa-te!». Não só nos «obriga» a pedir misericórdia pelo povo culpado mas a pedir-Lha imediatamente, sem demora. Esta promessa faz-nos pensar nas palavras ardentes de S. Paulo quando escrevia sob o impulso do Espírito Santo:
«O amor de Cristo nos constrange» (II Cor. V, 13).

Nós podemos e devemos orar e sacrificar-nos, não só por uma ou por algumas pessoas em particular, mas pela nossa Pátria, e pelo mundo inteiro.

Sim, hoje e sempre, levantemos as nossas mãos suplicantes ao céu para que o Menino Jesus abençoe Portugal.