A Festa do Sagrado Coração

Sobre a terceira grande aparição, em Junho de 1675, escreveu Santa Margarida Maria: “Estando diante do Santíssimo Sacramento num dia da sua oitava, recebi do meu Deus graças inefáveis. Sentindo-me inflamada em desejos de Lhe retribuir amor com amor, disse-me Ele: «Tu só poderás provar-me mais amor, fazendo o que tantas vezes te hei-de pedido».

E, mostrando-me o seu divino Coração, disse-me:

«Eis aqui o Coração que a tal ponto amou os homens, que nada poupou, até se esgotar e se consumir, para lhes testemunhar o seu amor; e entretanto só recebo da maior parte deles ingratidões, pelas irreverências, sacrilégios, desprezo e tibieza com que me tratam no meu Sacramento de amor. O que me é ainda mais sensível, é serem corações que me foram consagrados, os que assim me tratam. Por isso te peço que se dedique a primeira sexta-feira depois da oitava do Santíssimo Sacramento a uma festa particular com o fim de venerar o meu Coração, fazendo-lhe actos de reparação, comungando nesse dia em desagravo pelas indignidades recebidas durante o tempo em que esteve exposto sobre os altares.»

«Prometo que o meu Coração dilatar-se-á para difundir com abundância os influxos do seu divino amor sobre todos quantos lhe tributarem esta homenagem, e fizerem com que outros lha tributem.»”

A festa tem o fim de render o obséquio do nosso amor ao amor infinito de Jesus e a digna satisfação ou reparação devida ao Coração de Jesus, pelos inumeráveis pecados cometidos sobretudo contra a Eucaristia.