Novembro, mÍs das Almas

Novembro, mês das Almas

O mês de Novembro é chamado de «mês das almas», uma vez que é tradicionalmente dedicado às Almas do Purgatório. Depois de ter celebrado a festa de Todos os Santos no dia 1, a Igreja lembra, especialmente no dia 2 de Novembro, todos os fiéis que já partiram deste mundo e que ainda não estão na glória de Deus.

Por vezes, a existência do Purgatório causa estranheza em muitos de nós. Mas a Igreja lembra-nos que a realidade deste lugar de purificação é necessária e muito proveitosa para os que lá se encontram e para quem reza por eles.

Rezar pelas almas que esperam ver-se livres das suas faltas para entrarem no Paraíso, é uma verdadeira obra de caridade, pois elas já nada podem por si mesmas. E este acto de caridade podemos e devemos tê-lo para com os nossos familiares, amigos, conhecidos e até para com pessoas anónimas que esperam uma Missa, uma esmola, uma oração que alivie os seus sofrimentos no fogo purificador do Purgatório.

Segundo nos ensina o Catecismo da Igreja Católica, passam por este fogo "os que morrem na graça e na amizade de Deus, mas não estão perfeitamente purificados". Portanto, as almas que estão no Purgatório fazem parte da mesma Igreja Católica e beneficiam de modo especial da Comunhão dos Santos, pela qual a Igreja Militante (os católicos que ainda vivem na Terra) pode pedir a intercessão à Igreja Triunfante (os Santos do Céu) e pode também aliviar as penas da Igreja Padecente (os irmãos que estão no Purgatório).

Mas será Deus tão rigoroso assim, a ponto de não tolerar nem mesmo a menor imperfeição, limpando-a com penas severas? Esta pergunta facilmente pode vir à nossa mente. Em primeiro lugar, devemos nos lembrar desta verdade: depois da nossa morte, não seremos julgados segundo nossos próprios critérios, mas segundo a Lei de Deus. Estaremos diante de um Juiz sumamente santo e perfeito e no seu Reino "não entrará nada de impuro" (Ap 21, 27).

Que faltas serão purificadas nesse lugar?  São os restos do apego exagerado à vida terrena e às criaturas, ou seja, as imperfeições, os pecados veniais, bem como a dívida dos pecados mortais já perdoados no Sacramento da Confissão. Estas imperfeições afastam-nos do Mandamento de amar a Deus sobre todas as coisas.

As almas do Purgatório têm a certeza da salvação. Cabe-nos a nós, que ainda caminhamos neste mundo, ajudá-las a serem admitidas o quanto antes à presença de Deus, pedindo-Lhe que lhes dê o descanso eterno e que perdoe, pela Sua misericórdia, as faltas que as impedem de O contemplar.

Mas como podemos, concretamente, ajudar estes nossos irmãos que sofrem no Purgatório?

A oração mais útil para eles é a Santa Missa, com todos os seus méritos, que são os mesmos que Jesus obteve para nós na cruz. Mandar rezar uma Missa pela alma de um familiar ou amigo é a maneira mais eficaz de aliviar o sofrimento de uma alma.

Depois o ganho de indulgências segundo as disposições das Igreja. Muito útil para as almas são também os sacrifícios e as orações dos fiéis vivos, como a oração do Terço, o Ângelus, as jaculatórias pelos defuntos e a esmola e o jejum.

Durante este mês de Novembro, lembremo-nos especialmente destas almas, muitas delas abandonadas, sem terem quem se lembre e reze por elas, e rezemos pelo menos uma oração ao final do dia por elas. Quando estiverem no Paraíso, não esquecerão aqueles que as ajudaram a chegar ao Céu.  E nós, que continuamos na Terra, ganharemos mais intercessores junto de Deus.