Para agradar a Deus, reza pela conversão dos pecadores

 

Para agradar a Deus, reza pela conversão dos pecadores

 

As orações que fazemos pelos outros, mormente pelos pecadores, são muito agradáveis a Deus.

O Senhor queixa-se dos seus servos que não rezam pelos pecadores.

Um dia, lamentava-se Nosso Senhor a Santa Maria Madalena de Pazzi: “Vê, minha filha, como caem os cristãos nas mãos do demónio; se os meus escolhidos não os livrassem pelas suas orações, seriam tragados por ele”.

De um modo todo especial, porém, Nosso Senhor deseja e exige isto dos sacerdotes e religiosos.

Por isso, dizia muitas vezes a Santa às suas religiosas:  “Irmãs, Deus separou-nos do mundo, não somente para fazermos bem a nós mesmas, mas também para nós procurarmos aplacar a sua ira contra os pecadores”.

Falou-lhe, uma vez, o Senhor:  “Eu vos dei, a vós, esposas escolhidas, a cidade de refúgio, (isto é, a Paixão de Jesus Cristo), para que tenhais onde recorrer para ajudar as minhas criaturas; por isso, recorrei a ela e ali oferecei auxílio às minhas criaturas que perecem; sacrificai mesmo a vossa vida por elas”.

Pelo que a Santa, inflamada de santo zelo, oferecia a Deus, cinquenta vezes por dia, o sangue do Redentor pelos pecadores e se consumia em desejos pela sua conversão, dizendo:  “Que pena, Senhor! Como sinto ver que posso ajudar as tuas criaturas com o sacrifício da minha vida e, contudo, não poder realizá-lo!”

Ela, em todos os exercícios de piedade, recomendava os pecadores a Deus; e na sua vida se conta que não passava uma hora do dia sem que não pedisse por eles.

Frequentemente levantava-se à meia noite e dirigia-se à Igreja, onde estava o Santíssimo Sacramento, para rezar pelos pecadores.

Apesar de tudo isto, foi encontrada, uma vez, a chorar e, interrogada do motivo das lágrimas, respondeu: “Porque me parece que nada faço pela conversão dos pecadores”.

Chegou até a oferecer-se padecer as penas do inferno pela conversão deles, contanto que lá não tivesse de odiar a Deus.

Frequentes vezes conseguiu ser atormentada por graves dores e enfermidades pela salvação dos pecadores.

Rezava especialmente pelos sacerdotes, vendo que estes, com uma vida exemplar, seriam causa da salvação de muitos e com uma vida má levariam muitos à ruína e perdição.

Pedia a Nosso Senhor que a castigasse pelas culpas deles e dizia: “Senhor, fazei-me morrer tantas vezes e tornar à vida, até satisfazer por eles a Vossa justiça”…

Esta santa, pelas suas orações, libertou de facto muitas almas das garras de Satanás.