O dogma da Comunhão dos Santos
O dogma da Comunhão dos Santos.

 

Rezamos no Credo: Creio na Comunhão dos Santos!

Muita gente pergunta: “Que vem a ser a Comunhão dos Santos?”

Santos são os cristãos que vivem na graça de Deus.

Os primeiros cristãos eram assim chamados.

Santos, são os justos no céu, os que se salvaram e estão na posse de Deus.

Santos são os justos que padecem no purgatório.

Não são verdadeiras santas as almas confirmadas na graça e à espera da eterna visão do céu?

Pois, comunhão ou comunicação é a união dos fiéis da terra, do céu e do purgatório.

Eles formam as três Igrejas; a Igreja militante, somos nós os que combatemos neste mundo; a Igreja triunfante, os fiéis já no céu no triunfo eterno da glória, e a Igreja padecente, os fiéis que se purificam nas chamas do purgatório.

Todos são membros de Cristo.

Todos formam o Corpo Místico de Cristo, nossa Cabeça.

Estamos todos unidos em Jesus Cristo como os membros unidos à cabeça.

Que sublime doutrina!

Cristo nosso Senhor é glorificado no céu pelos membros triunfantes, sofre no purgatório pelos seus membros padecentes, luta connosco neste mundo com os membros militantes.

Pois com esta doutrina admirável do Corpo Místico, podemo-nos auxiliar uns aos outros nesta sublime solidariedade em Cristo e por Cristo.

As almas do purgatório, por elas, já não podem merecer mais, dependem de nós os que ainda temos à nossa disposição os tesouros da Redenção e os méritos de Cristo.

Podemos ajudá-las, podemos socorrê-las e dependem de nós.

Por sua vez, os santos do céu, junto de Deus, na posse da eterna felicidade podem-nos valer nesta vida, podem interceder por nós.

Então recorremos à Igreja triunfante, pedindo socorro, e ajudamos a Igreja padecente.

Isto é o dogma da Comunhão dos Santos.

Podem os santos do céu ajudar as almas do purgatório?

Há relações entre a Igreja triunfante e a Igreja padecente?

Cremos que sim, São Tomás de Aquino o afirma.

Muitos autores o ensinam.

Os Santos não podem merecer no céu como nós aqui na terra.

Portanto, satisfazer pelas almas não podem, mas pedir e interceder por elas muitos teólogos o afirmam com muito fundamento.

E demais, há uma oração da Igreja que nos autoriza esta crença: “Ó Deus que perdoais aos pecadores e que desejais a salvação dos homens, imploramos a vossa clemência por intercessão da Bem-Aventurada Maria sempre Virgem e de todos os Santos, em favor dos nossos irmãos, benfeitores e parentes que saíram deste mundo, para que alcancem a bem-aventurança eterna”.

Os primeiros cristãos sepultavam os mortos junto do túmulo dos Santos para lhes implorar a intercessão.

Podemos pois crer que os Santos, não como nós, mas intercedendo e pedindo, podem ajudar os que vivem no purgatório.