Jovem, não te contentes com o que é passageiro

Jovem, não te contentes com o que é passageiro  

 Como jovem, gasta a tua força com aquilo que realmente vale a pena

 “Jovens, eu vos escrevi, porque sois fortes.” Trata-se de uma afirmação, e como jovem posso dizer que também é uma clara constatação. Não me refiro à mera aparência de um jovem musculoso, bombado, ou daquela jovem com o seu corpo bem delineado, mas é uma “característica” da alma, do coração, uma força e fortaleza que está incutida no coração de cada jovem, uma vitalidade, garra e ousadia que o faz desbravar e até mesmo inconformar-se com as situações. Isto é muito bom, desde que essa energia e força sejam canalizadas e aproveitadas da melhor maneira, porque a mesma força que gera construção, se mal aproveitada, pode gerar a destruição de si e da sociedade.

Temos que reconhecer e valorizar a importância e a potência que existe em cada jovem, mas que, ao mesmo tempo, merece atenção, cuidado, ajuda, para que, de facto, a sua jovialidade não seja apenas de aparência, mas se torne uma positiva influência.

Longe de um conceito reduzido e erróneo, o jovem cristão é chamado a ser protagonista, a começar da sua própria história, mas, ao mesmo tempo, ser um agente de protagonismo na sociedade e na história naquilo que lhe compete. A mesma Palavra que afirma que “sois forte”, em sequência, aponta a fonte dessa força e quem podemos vencer apoiados nela: “Jovens, eu vos escrevi, porque sois fortes, e a Palavra de Deus permanece em vós, e vencestes o maligno. (cf. I Jo 2,14)

 Dando um passo a mais, não basta “termos a força”, é preciso termos fortaleza interior, e é apoiados na Palavra da Verdade que encontramos a segurança e a confiança da qual necessitamos, e aí, sim, podemos vencer o mal que se levanta contra nós, para nos destruir, pois não sejamos ingénuos, o mal sabe do que somos capazes, por isso ele investe tanto contra nós, para impedir que sejamos quem devemos e somos chamados a ser. A força da Palavra de Deus muda muitos corações, e muitos podem concordar com isto.

Como um jovem manterá pura a sua vida? Sendo fiel às vossas palavras (Sl 118,9)

 

Há dias aconteceu a abertura de um processo de beatificação não muito comum, pois se trata de um jovem samurai chamado Takayama, que ajudava nas atividades missionárias no Japão e era protetor dos cristãos e dos missionários jesuítas.

 

 “Abriu mão de posses por amor a Cristo e foi constatada a sua grande fidelidade à vocação cristã, ele que perseverou apesar de todas as dificuldades”. O Papa Francisco aprovou o decreto que reconhece o seu martírio, e ele será declarado beato e entrará na lista de católicos japoneses que preferiram morrer a renunciar a sua fé.

 

É desta força que falo, como este jovem destemido que entregou a vida, não a perdeu, mas ganhou na eternidade. Que como jovens gastemos a nossa força, a nossa vida naquilo que realmente vale a pena, não nos contentemos com aquilo que é meramente passageiro, mas vamos em direcção ao que o nosso coração anseia: a eternidade! O jovem não tem um “coração pequeno”, ele é grande, ele não quer simplesmente viver de passagens, mas anseia permanecer, deseja o eterno.

 Jovens, sede revolucionários! Na cultura do provisório, do relativo, muitos pregam que o importante é ‘curtir’ o momento, que não vale a pena comprometer-se por toda a vida, fazer escolhas definitivas ‘para sempre’, uma vez que não se sabe o que nos reserva o amanhã. Nisto peço que se rebelem contra a cultura do provisório, a qual, no fundo, crê que não sois capazes de assumir responsabilidades, que não sois capazes de amar de verdade. Eu tenho confiança em vós, jovens, e rezo por vós. Tende coragem de ‘ir contra a corrente’. E também tende coragem de ser felizes!” (Papa Francisco)