O segredo para ser uma mãe forte

O SEGREDO PARA SER UMA MÃE FORTE

 Como criar o meu filho? Estou a fazer tudo certo?

Como mãe ou como pai, quantas vezes já ouviste alguém dizer-te que estás a fazer algo errado? Ou recebeste sugestões não solicitadas para fazer algo diferente?

Desde que eu me tornei mãe (há pouco tempo), já lhe perdi a conta. Estranhos facilmente julgam os meus métodos. Eles pronunciam sentenças sobre as minhas ações com tanta certeza, como se eles soubessem de alguma forma como criar os meus filhos, ou talvez tivessem vários anos de prática médica.

Chega-se ao ponto em que eu preciso de parar e de me dizer uma frase simples: eu sei mais.

Mas é difícil quando alguém te castiga, ou recomenda exatamente o oposto de qualquer coisa que tu escolheste:

 “Vais usar fórmula de leite? As boas mães sabem os benefícios do leite materno”.

 “Ainda estás a amamentar? Meu Deus, ele é tão grande! Eu parei quando ele completou X meses”.

 “Uau, largaste o teu trabalho? A licença da maternidade foi muito curta ou algo assim?”

 “Já voltaste ao trabalho? Eu senti que era muito importante estar por perto no primeiro ano”.

Estas e outras declarações, embora não sejam viciosas, têm implicações dolorosas. É fácil começar a pensar que eles estão realmente a dizer coisas como:

 “Tu és uma mãe horrível se não amamentares”.

 “A tua amamentação não é apropriada”.

 “Tu desististe do teu emprego porque não tens ambição”.

 “Voltaste ao trabalho porque o teu trabalho é mais importante que o teu filho”.

E no fluxo constante de opiniões e sugestões e perguntas, pode ser difícil lembrar um simples facto: nenhum estranho pode julgar o que é bom para ti e para o teu filho. Então faz as tuas escolhas com base em ti, no teu filho, no teu marido e  no teu médico. É isto e nada mais. É um círculo pequeno e digno.

Como uma mãe perdida

Por que é que, então, parece tão fácil julgar as escolhas que a outra mãe faz? Como mães, estamos todas tentadas a dar conselhos ou julgamentos sobre outra mãe. Mas seria bom lembrar-se das nossas dificuldades. Porque a paternidade não é fácil. Na maioria das vezes não há respostas como sim ou não, por isso é fácil para os outros semear a semente da ansiedade e medo dizendo que uma escolha errada foi feita.

Uma criança de um ano não entende que acidentalmente dar um pontapé na sua mãe enquanto chora irá magoá-la – e eles não fazem isto intencionalmente, é claro. Mas todos nós sabemos que os mais velhos às vezes nos causam dor um pouco mais deliberadamente: um adolescente infeliz já grita “eu odeio-te” por alguma razão trivial.

E aceitamos tudo, não porque somos mártires masoquistas, ou porque não vemos o mundo além da maternidade. Nós aceitamos as críticas e os retrocessos no processo porque amamos essa pequena pessoa mais do que qualquer coisa no mundo. Mesmo que um menino de dois anos te possa fazer querer fugir e esquecer tudo às vezes, tu podes apostar que alguns momentos depois ele vai fazer-te sorrir como uma tola. Tu amas outras pessoas, também, é claro. Tu amas o teu marido, pais e amigos, mas esta pequena pessoa viveu dentro durante nove meses – ele era uma parte de ti, que criou um vínculo extraordinário e único entre vós os dois.

Significa também que por muito tempo (certamente os primeiros anos da tua vida) tu e o teu marido, sois tudo para o teu filho. O seu mundo inteiro. E apenas olhando esse conhecimento novamente de vez em quando pode ajudar-te a sobreviver aos momentos mais difíceis da paternidade. Pode dar-te força quando te sentes impotente. É quando tu deves olhar para o teu filho, lembrares-te do quanto ele confia em ti, e esperar aquele sorriso. Isto pode dissipar todas as tuas dúvidas e restaurar a tua crença de que estás a fazer o melhor trabalho que podes, em ser a mãe dele.

Difícil de acreditar que apenas um pequeno conselho pode ser tão curativo? Eu já experimentei dúzias (se não centenas) de momentos como este. O meu pequeno sabe como me frustrar tremendamente, mas pouco tempo depois, um sorriso, um pequeno gesto, uma tentativa de dizer “mãe” ou tentar andar sozinho, e o meu coração maternal derrete-se. Eu esqueço como estava chateada porque me lembro do quanto eu sou importante para ele. Lembro-me de quão grande influência eu terei nas suas escolhas à medida que ele crescer, e como eu serei uma parte da sua vida.

Lembro que sei ser forte porque tenho alguém para ser forte. Tudo porque sou mãe.