Seguranša em discotecas, hoje sacerdote

O bispo do Algarve presidiu à ordenação de dois sacerdotes para a diocese, Fernando Rafael Rocha e José Chula, respetivamente de 37 e 26 anos e naturais de Quarteira e Monchique.

O diácono Fernando Rafael Rocha decidiu mudar de vida e foi batizado aos 28 anos, depois de ter trabalhado como segurança em bares e discotecas e instrutor em ginásios.

Em entrevista ao jornal diocesano do Algarve, ‘Folha do Domingo’, o futuro sacerdote recorda que não tinha frequentado a catequese nem nunca tinha tido qualquer prática religiosa a não ser a das orações que a bisavó lhe ensinara, em criança.

 “Entrei para o Seminário praticamente sozinho. A minha família estava em pânico porque pensava que eu iria deixar-lhes quase mil euros em despesas e encargos mensais como casa e outros”, relata.

Agora, com 37 anos de idade, o diácono Rafael Rocha será ordenado sacerdote na sua cidade natal, depois de ter ficado impressionado com as palavras do bispo diocesano, D. Manuel Quintas, que lhe falou da falta de sacerdotes na região.

 “Não sou eu que decido o momento porque, cada vez mais, sinto que ser ordenado é obra de Deus e não minha. Eu, simplesmente, disponibilizo a minha vida com as minhas fraquezas, pecados, qualidades e defeitos”.

 

+ Natural de Monchique, o diácono José Chula tem 26 anos e sentiu o chamamento para o sacerdócio há oito, num caminho que se foi construindo com a ajuda dos mais próximos.

 “Havendo falta de padres percebi que o Senhor me chamava a dar o meu contributo para colmatar essa falta. Sei que é com orgulho que a minha família me verá ser ordenado padre, mas nunca senti a mais pequena pressão nesse sentido”, refere ao jornal ‘Folha do Domingo’.