O Coração de Jesus é fonte de cura e libertação

  O Coração de Jesus é fonte de cura e libertação

 

São cinco leis que nos libertam e cinco remédios que nos curam

Quem não quer ter uma vida saudável, ter uma vida feliz? O Papa Emérito Bento XVI definiu a Santidade como sendo Felicidade. E qual é a senha para chegar à felicidade? Comecemos antes por aqui: os primeiros livros da Bíblia são cinco, o Pentateuco.

Para vencer o gigante Golias, David utilizou cinco pedrinhas. Nossa Senhora, numa de suas aparições, fala das cinco pedrinhas para vencermos os gigantes da nossa vida: Terço, Eucaristia, Jejum, Palavra de Deus e Confissão. O que quer dizer que para nos conectarmos à rede da felicidade, é necessário usarmos cinco leis que nos libertam e cinco remédios que nos curam.

Na criação, no jardim do Éden, tudo era perfeito, tudo era felicidade, até que Adão e Eva ouviram a voz errada, seguiram outra direcção, e o pecado entrou no mundo. Entender o que é o pecado original é simples: levante o seu pé direito. Depois, dê uma inclinada no seu tronco. Agora, nesta posição, levante o pé esquerdo! Não dá? Realmente não dá, senão nós nos desequilibramos. O pecado é isso, é um desequilíbrio vital que temos em nós. Pecado é fechamento, idolatria, desequilíbrio, doença. Pecado fede, cheira mal, pecado é ruim, é infelicidade. Por isso, por hoje não vou mais pecar!

Da mesma forma como as nossas características físicas são passadas para nós de geração em geração através do DNA, assim é o pecado em nós: já nascemos com esse desequilíbrio. Mas há uma solução! Se eu deixar um livro cair, como é que sabemos que ele vai descer e não subir? Através da lei da gravidade. Conosco é a mesma coisa, há leis que nos norteiam.

Leis que nos libertam

Há cinco leis de atracção que nos reintegram, que nos levam para o céu. Há no nosso coração um desejo profundo do céu: buscai as coisas do alto! Mesmo o jovem que anda nas drogas procura a felicidade (mas encontra a morte, embora o seu coração busque a felicidade). Então há uma lei da espiritualidade, uma lei para a nossa gravidade. E este conjunto de leis para nós, basicamente, são cinco:

Lei da espiritualidade: amar a Deus sobre todas as coisas:

Lei da gravidade (natural): amar o próximo como a si mesmo:

Lei da proximidade: amar o que está mais perto; há em nós um magnetismo que nos puxa para o irmão, um senso para a solidariedade. Mas é preciso exercer essa lei.

Lei da interioridade: há uma força que me atrai para mim mesmo. Se eu me deixar atrair por essa força da interioridade, ela vai me fazer ir cada vez mais fundo, até me encontrar com o criador. Isto faz me conectar com toda a criação. A Trindade habita em mim e em ti, ela passeia pelo paraíso da nossa alma.

Lei da integridade: juntar os nossos cacos. Amar é tornar-me íntegro: amar a Deus (encontro-me com o Criador e ligo-me a toda a criação), amar ao próximo como a mim mesmo (encontro-me com Jesus que está no outro), mergulhar nas profundezas da minha própria alma (encontro-me com o Espírito Santo que está em mim).

Estas coisas não são aprendidas de uma hora para outra, leva-se uma vida inteira para entendê-las. São coisas tão simples e óbvias, mas parece que não as compreendemos. Há, portanto, um caminho, uma senha para a felicidade, mas é preciso que a gente exercite essas leis, esse caminho, para podermos compreendê-la.

E quais são os 5 remédios?

Oração: Nós só aprendemos a rezar, rezando! É simples assim. E uma das formas de oração é a contemplação. O primeiro remédio, portanto, para reequilibrar a nossa relação com Deus é a oração.

Jejum e abstinência: O diabo é sedutor, bonito, ele não é feio e nem se encontra numa situação que nos daria nojo. Para que ele nos possa atrair, ele reveste-se de beleza, de sedução. Ele quer primeiro seduzir-te para depois te acusar, então sê inteligente! Vive o jejum para combate-lo. Liberta-te, também, daquilo que te aprisiona através da abstinência. Há pessoas que precisam de se abster de falar, que falam compulsivamente. Há pessoas que não saem da TV, do telemóvel, da internet. Tudo que é demais, em desequilíbrio, é veneno. Então, para reequilibrar a nossa relação com as coisas, o jejum;

Caridade / Esmola: A caridade transformada em esmola, em gestos de afecto, em elogio, em solidariedade com os pobres. Para reequilibrar a minha relação com o outro, a caridade;

Silêncio: Este remédio é o da intimidade, da solidão acompanhada, um tempo para ti mesmo! Isto cura, isto reintegra! Há momentos que é preciso parar, fazer silêncio, ter Intimidade. Tu tens direito à tua gaveta dos sapatos na qual ninguém mexe. Desta forma, para reequilibrar a minha relação comigo mesmo, o silêncio:

Verdade: Para nos reintegrar no amor, nós precisamos do remédio da verdade. O Papa Francisco fala do encontro com Jesus através da verdade. S. Inácio de Loyola diz que a verdade é a luz que vence o pai das trevas. Um dos maiores exorcismos é a verdade e um dos altares da verdade é a confissão. Para reequilibrar os meus fragmentos, proporcionando a minha integração, a verdade.

Estas são as cinco leis que nos libertam e os cinco remédios que nos curam. Há 25 anos eu compus uma música e eu nem fazia ideia de que ela falava desses passos para a nossa reintegração:

“Toca Senhor, toca Senhor com o Teu amor. Tira todo o medo, angústia e aflição. Toca nesta alma e cura o coração. Cura da doença que faz o irmão sofrer, toca neste corpo, Jesus, com o teu poder. Tira toda a mágoa que faz alguém chorar, tira todo o ódio, ensina a perdoar. Cura do pecado e lava com o perdão, faz das nossas pedras um novo coração. Toca os nossos lábios e o nosso interior, vamos te louvar, Jesus, com muito amor!”