A Ave Maria salva um salteador

A “Ave Maria”, salva um salteador

 

 Na recitação diária de uma “Ave Maria”, a salvação de um bandido.

 

 Um salteador tinha construído uma fortaleza à margem de um caminho, e despojava sem piedade todos os que por ali passavam; mas recitava todos os dias a Ave Maria, sem que nenhum impedimento o fizesse faltar.

 Um dia passou um santo monge, e os companheiros do bandido viram-se no dever de o despojar: mas o homem de Deus pediu-lhes para ser conduzido junto ao chefe, dizendo que tinha um segredo a comunicar-lhe. Levado à presença do salteador, pediu-lhe que reunisse todos os habitantes da fortaleza, a fim de lhes pregar a palavra de Deus. Mas, quando foram reunidos, o religioso disse: “Não estão todos aqui, falta alguém!” E como se lhe dizia que ninguém faltava: “Procurai bem – repetia ele – vereis que falta alguém!”

Então um dos bandidos disse: “De fato, um dos criados não está aqui!”

E o monge acrescentou: “É precisamente ele que espero”.

      Mandaram procurálo, mas, à vista do homem de Deus, ele rolou com olhos aterrorizados, debatiase como um louco, e recusava aproximarse.

       E o homem de Deus disse-lhe: “Em nome de Nosso Senhor Jesus Cristo conjurote a dizer quem és e por que vieste aqui!”

       Respondeu o criado: “Já que sou forçado a falar, sabei que não sou um homem, mas um demónio, que, sob forma humana, mora há catorze anos junto deste bandido. O nosso chefe envioume junto dele para espreitar o dia em que ele negligenciasse recitar a Ave Maria; porque, neste dia, ele nos pertenceria, e tinha ordem de estrangulálo no campo. Porém, esta única oração quotidiana impediao de cair em nosso poder. Debalde o espreitei: nem uma só vez ele faltou a recitála”.

O bandido, estupefacto, caiu aos pés do homem de Deus, pediu-lhe perdão, e converteuse desde então a uma vida digna.