A música na Santa Missa

A música na liturgia da Santa Missa

Algumas fontes para podermos aprofundar o tema: Catecismo da Igreja Católica (CIC), a Liturgia diária, o Missal Romano – neles estão a instrução geral e também as direcções para a música na liturgia.
O dicionário diz: “Liturgia – culto público e oficial instituído por uma Igreja, ritual”. No Catecismo da Igreja Católica – no qual a nossa fé é explicada e detalhada, está escrito: “A palavra 'liturgia' significa originalmente obra pública, serviço da parte do povo e em favor do povo.
Na tradição cristã, ela significa que o povo de Deus toma parte na obra de Deus” (Parágrafo 1069, CIC).

Na maneira de Deus se manifestar há uma liturgia.

A liturgia ajuda-nos a celebrar melhor o mistério de Nosso Senhor Jesus Cristo. Ela faz-nos tomar parte do maior mistério, que é a Santa Missa, a qual tem começo, meio e fim.
A Santa Missa é acção de graças por excelência, é a maior das orações. Tudo o que nela acontece – cada resposta, gestos do sacerdote, etc. – quer realizar a nossa santificação e fazer com que vivamos bem este mistério.
Não é só 'importante', mas é dever de cada um de nós participar bem da Celebração Eucarística.

A liturgia não serve para nos 'engessar', mas sim, para nos fazer mergulhar no mistério, amar e sermos santificados nessa celebração.

Os músicos, devem respeitar a cultura do lugar, da região. Não adianta chegar a uma Santa Missa das 7 da manhã com uma banda inteira.
No número 62 da instrução geral sobre o Missal Romano está escrito assim: “Evitem qualquer tipo de individualismo ou divisão, considerando sempre que todos têm um único Pai nos Céus e por este motivo são irmãos entre si". Aqui diz muito daquelas pessoas que rezam muito alto durante a Missa, ou cantam alto, ou rezam adiantadas ou atrasadas em relação aos demais. Isto chama a atenção e dispersa-nos da liturgia.

Como é que vivemos de maneira plena aqui na terra a manifestação da nossa fé? Vivendo a Santa Missa!

Os músicos fazem parte da assembleia de fiéis. Por isso, devem promover a participação activa dos fiéis no canto e ter atenção no repertório de acordo com quem está na assembleia. Tudo para que a unidade seja vivida.