O Terço e o Ângelus

O TERÇO E O ANGELUS

Acho admirável o Rosário que desfiamos assim como se desfolha uma rosa, pétala por pétala. O Rosário está ao alcance do pobre e do rico, do sábio e do ignorante. O embalar das Ave-Marias, semelhante às ondas do mar, permite que todos tenham acesso aos sublimes momentos de contemplação.

Gosto muito do Ângelus, também. Nos nossos campos, antigamente, três vezes ao dia, os sinos tocavam, convidando o operário, o lavrador, o intelectual a interromper, por alguns segundos, o que estavam a fazer, erguendo-se acima dos negócios, dos assuntos do mundo, para se lembrar, do grande Negócio da história: a Encarnação, Deus feito homem. E a origem deste portento está no "Sim" de Maria.