Mensagem

Basta-me saber que sois jovens para eu vos amar

São João Bosco

 
Início seta A Família seta Como o casal deve lidar com a frustração de não ter filhos
Como o casal deve lidar com a frustração de não ter filhos Imprimir e-mail

 

Como o casal deve lidar com a frustração de não ter filhos 

 

Como lidar com o sentimento de frustração e pressão diante da possibilidade de não ter filhos

 

Vivemos numa constante pressão! Quando se é solteiro, a pressão é: “Quando te casas?” Quando se é casado, a pressão é: “Quando tens um filho?” Quando se tem um filho, a pressão é: “Quando terás outro?” Diante de tanta pressão, podemo-nos perder na indiferença do que, de facto, o outro está a viver. Talvez, o solteiro viva o sofrimento de não ter encontrado alguém para se casar; o casado, o sofrimento por não ter um filho; o pai, o sofrimento por se sentir incapaz de dar ao filho o que este deseja.

 

Falemos sobre a pressão que um casal vive para ter um filho, mas, por inúmeras razões (infertilidade orgânica, transitória e até mesmo esterilidade), não conseguem, gerando assim uma situação de possível e grande sofrimento. A pressão da família e da sociedade para que o casal tenha filhos, muitas vezes, é enorme; e o facto de não conseguir engravidar pode fazer a pessoa sentir-se fracassada.

 

Como administrar tal sofrimento perante a própria vida e diante da conjugalidade assumida?

 

1º) Não negues os teus sentimentos

 

A primeira coisa a viver, diante do sofrimento em não conseguir engravidar, é assumir os sentimentos, o desejo frustrado, o sonho que não se realiza. Quanto mais o casal nega estes sentimentos, mais estes ganham forças destrutivas. É preciso reconhecer a fundo o desejo que ambos (homem e mulher) trazem referente à concepção dos filhos. A aceitação e o enfrentamento do que você sente ajuda a suportar as emoções e pressões (internas e externas) com mais serenidade.

 

2º) Não te destruas pela culpa

 

Diante da dor em não conseguir ter filhos, não te autodestruas procurando os culpados: “Ah, se eu tivesse engravidado antes!”, “Ah, se eu não tivesse esperando terminar o pós-doutorado para engravidar!”, “Ah, eu poderia ter me cuidado mais” etc. Estas são vozes que tentam tirar-te a esperança e levar-te à completa aniquilação de ti mesmo e do teu cônjuge.

 

A culpa pode até impedir-te que tenhas uma centralidade, para, de facto, encarares o problema, impossibilitando-te de buscares ajuda médica, psicológica e, quem sabe, até espiritual. Nada de se culpar!

 

3º) Vive a harmoniosa e fecunda vida de casados!

 

Quando a gravidez não surge, muitos casais começam a “esfriar” a relação, é como que se a impossibilidade em ter filhos tirasse deles a vitalidade do relacionamento. Nessa hora, não só a parentalidade está em cheque, mas também a própria conjugalidade. Tentem encontrar, juntos, maneiras realistas de dividir o estresse e a frustração em não poder/conseguir ter filhos. Muitos casais pensam que a fecundidade do relacionamento está apenas na questão de gerar filhos, mas não está somente nisso! O Papa Francisco, na Exortação Amoris Laetitia, afirma: “Àqueles que não podem ter filhos, lembramos que «o matrimónio não foi instituído só em ordem à procriação (…). Por isso, mesmo que faltem os filhos, tantas vezes ardentemente desejados, o matrimónio conserva o seu valor e indissolubilidade, como comunidade e comunhão de toda a vida».

 

4º) Procura toda a ajuda necessária

 

É importante que, dentro da moral católica, busqueis toda a ajuda necessária. Vai a médicos especializados, talvez a infertilidade seja de fundo psicológico. Recorre à espiritualidade, à oração! Faz a tua parte sem te perderes numa vida obsessiva para engravidar. Mas, com calma e esperança, dá os passos que deves dar, tu e o teu cônjuge!

 

5º) Relaxa, tu não és amaldiçoado

 

Sim, os filhos são bênçãos de Deus! Então, se não os tenho, não sou abençoado por Ele? Calma, não é esta a lógica. De facto, é Deus quem dá o dom dos filhos, mas não quer dizer que, se não os tens, sejas pelo facto de que Deus não os quer dar a ti! Nesta hora, a fé é acreditar que, no mistério do sofrimento, Deus também sofre contigo. Não permitas ser invadido por pensamentos de que Deus não te ama, que és amaldiçoado.

 

6º) Estabelece um limite. Até onde tentar?

 

Há casais que decidem, desde o começo, por viver, de facto, o que a Igreja ensina sobre a reprodução humana; por isso, esgotadas todas as possibilidades morais, é hora de escolher o que fazer. Ficar anos a tentar sem que se tenha um parecer médico favorável pode ser grande sofrimento para o casal. Lembra-te: desistir dos meios humanos não quer dizer perder a fé que Deus pode realizar o impossível!

 

7º) Abre-te à fecundidade alargada

 

O Papa Francisco, na Amoris Laetitia, afirma: “A adopção é um caminho para realizar a maternidade e a paternidade de uma forma muito generosa, e desejo encorajar aqueles que não podem ter filhos a alargar e abrir o seu amor conjugal para receber quem está privado de um ambiente familiar adequado. Nunca se arrependerão de ter sido generosos. Adoptar é o acto de amor que oferece uma família a quem não a tem.”

 

Quantos casais que se abrem à adopção como uma forma de viver a paternidade e maternidade, e, com isso, tornam-se, de facto, realizados? O amor abre sempre possibilidades!

 

Ao falar em cada um destes pontos, não pretendo diminuir ou tirar o teu sofrimento em não conseguires ter filhos, mas a tentativa é de fazer com que os sentimentos possam ser administrados de uma forma mais integrada e humanizada possível.

 

Webdesign Contabilidade Porto Porto Apartments