Mensagem

Basta-me saber que sois jovens para eu vos amar

São João Bosco

 
Início seta Curiosidades seta A Divina Proporção
A Divina Proporção Imprimir e-mail

A DIVINA PROPORÇÃO

 

Por que é que os historiadores religiosos descrevem que foi a beleza perfeita que Deus teria escolhido para fazer o mundo?

Por volta de 1500, com o retorno do Renascentismo, a cultura clássica voltou à moda.

Michelangelo e, principalmente Leonardo da Vinci, grandes amantes da cultura pagã, colocaram esta proporção natural nas suas obras. Mas Da Vinci foi ainda mais longe: ele, como cientista, usava cadáveres para medir as proporções do corpo humano e descobriu que nenhuma outra coisa obedece tanto à DIVINA PROPORÇÃO do que o corpo humano... obra prima de Deus.

 

Por exemplo:

- Meça a sua altura e depois divida pela altura do seu umbigo até ao chão: o resultado é 1,618.

- Meça o seu braço inteiro e depois divida pelo tamanho do seu cotovelo até ao dedo: o resultado é 1,618.

- Meça os seus dedos, ele inteiro dividido pela distância da dobra central até à ponta ou da dobra central até à ponta dividido pela segunda dobra: o resultado é 1,618;

- Meça a sua perna inteira e divida pelo tamanho do seu joelho até ao chão. O resultado é 1,618;

- A altura do seu crânio dividido pela distância da sua mandíbula até ao alto da cabeça dá 1,618;

- Da sua cintura até à cabeça e depois só o tórax: o resultado é 1,618;

 

Considere sempre erros de medida da régua ou fita métrica, que não são instrumentos precisos de medição.

 

Tudo, cada osso do corpo humano, é regido pela Divina Proporção.

Coelhos, abelhas, constelações, girassóis, árvores, arte e o homem, coisas teoricamente diferentes, são todas ligadas numa proporção em comum.

 

Até hoje esta é considerada a mais perfeita das proporções.

Não por acaso é usada, hoje, pelos "inteligentes" no nosso dia-a-dia: meça o seu cartão de crédito, largura / altura, o seu livro, o seu jornal, uma foto revelada. Lembre-se de considerar sempre possíveis erros de medida da régua ou fita métrica.

 

Encontramos ainda o número Phi em famosas sinfonias como a 9ª de Beethoven, e em muitas outras obras.

 

E... isso tudo seria uma mera coincidência?

 

Eis o resultado da questão:

Venham as grandes e todas as pequenas Guerras que quiserem, que pela Divina Proporção, os que crêem, sairão delas sempre a multiplicar.

 

Webdesign Contabilidade Porto Porto Apartments