Mensagem


Deus é Amor

Papa Bento XVI

 
Início seta Alguns Santos seta Beato Duns Scoto
Beato Duns Scoto Imprimir e-mail
Duns Scoto, fiel cantor da Encarnação e o defensor da Imaculada Conceição.

 

Escocês de nascimento, Scoto leccionou teologia em Oxford, Cambridge e Paris, até à sua morte, em Colónia, em 1308.

É de sublinhar a sua lealdade ao Papa, ao afastar-se de Paris quando, "após o começo dum grave conflito entre o rei Felipe IV o Belo e o Papa Bonifácio VIII, Duns Scoto preferiu o exílio voluntário, em vez de assinar um documento hostil ao Sumo Pontífice, como o rei havia imposto a todos os religiosos.

Este facto "convida-nos a recordar quantas vezes, na história da Igreja, os crentes encontraram hostilidade e sofreram inclusive perseguições por causa da sua fidelidade e da sua devoção a Cristo, à Igreja e ao Papa".

"Todos contemplamos com admiração estes cristãos, que nos ensinam a proteger como um bem precioso a fé em Cristo e a comunhão com o Sucessor de Pedro e, assim, com a Igreja universal".

Ainda que o seu culto tenha sido quase imediato à sua morte, foi em 1993 que o Papa João Paulo II o beatificou, chamando-lhe "cantor do Verbo encarnado e defensor da Imaculada Conceição".

"Antes de tudo, meditou sobre o mistério da Encarnação e, ao contrário de muitos pensadores cristãos da época, sustentou que o Filho de Deus ter-se-ia feito homem mesmo que a humanidade não tivesse pecado."

Este pensamento, "talvez um pouco surpreendente", reconhece o Papa, nasce "porque, para Duns Scoto, a Encarnação do Filho de Deus, projectada desde a eternidade por parte de Deus Pai no seu plano de amor, é cumprimento da criação e torna possível a toda criatura, em Cristo e por meio d'Ele, ser cumulada de graça e dar louvor e glória a Deus na eternidade".

Duns Scoto, "ainda consciente de que, na realidade, por causa do pecado original, Cristo nos redimiu com a sua Paixão, Morte e Ressurreição, reafirma que a Encarnação é a maior e mais bela obra de toda a história da salvação e que esta não está condicionada por nenhum facto contingente, mas é a ideia original de Deus de unir finalmente todo o criado consigo mesmo na pessoa e na carne do Filho".

Esta visão teológica " abre-nos à contemplação, ao estupor e à gratidão: Cristo é o centro da história e do cosmos, é Aquele que dá sentido, dignidade e valor à nossa vida".

Imaculada Conceição

Duns Scoto reflectiu não somente sobre "o papel de Cristo na história da salvação, mas também o de Maria", especialmente no que se refere à Imaculada Conceição.

Scoto argumentou, contra o parecer dos seus coetâneos, que "Maria está totalmente redimida por Cristo, mas já antes da sua concepção", o que se chamou de "Redenção preventiva".

Este argumento "foi depois adoptado também pelo Papa Pio IX em 1854, quando definiu solenemente o dogma da Imaculada Conceição de Maria".

Também desenvolveu "um ponto no qual a modernidade é muito sensível. Trata-se do tema da liberdade e da sua relação com a vontade e com o intelecto".

No entanto, "a liberdade como qualidade fundamental da vontade, iniciando uma postura de tendência voluntarista", a qual "corre o risco, de facto, de levar à ideia de um Deus que não estaria ligado à verdade nem ao bem".

"O desejo de salvar a absoluta transcendência e diversidade de Deus com uma afirmação tão radical e impenetrável da sua vontade não leva em consideração que o Deus que se revelou em Cristo é o Deus ‘logos', que agiu e age repleto de amor por nós."

“A liberdade foi o grande sonho da humanidade, desde o início, mas particularmente na época moderna".

"Precisamente a história moderna, além da nossa experiência quotidiana, ensina-nos que a liberdade é autêntica e ajuda na construção duma civilização verdadeiramente humana somente quando está reconciliada com a verdade".

 

Webdesign Contabilidade Porto Porto Apartments