Mensagem


Abri as portas ao Redentor

João Paulo II

 
Início
Ano Novo
Consagrar o novo ano a Nossa Senhora Imprimir e-mail

 

Consagrar o novo ano a Nossa Senhora 

 

Ó Mãe dos homens e dos povos, Vós que conheceis todos os seus sofrimentos e as suas esperanças, vós que sentis maternalmente todas as lutas entre o bem e o mal, entre a luz e as trevas que abalam o mundo contemporâneo, acolhei o nosso clamor que, movidos pelo Espírito Santo, elevamos directamente ao vosso coração. Abraçai, com amor de Mãe e de Serva do Senhor, este nosso mundo humano que Vos confiamos e consagramos, cheios de inquietude pela sorte terrena e eterna dos homens e dos povos.

De modo especial, Vos entregamos e consagramos os homens e as nações que desta entrega e desta consagração têm particularmente necessidade.

À vossa proteção nos acolhemos, Santa Mãe de Deus! Não desprezeis as súplicas que se elevam de nós que estamos na provação!

Encontrando-nos, hoje, diante Vós, Mãe de Cristo, diante do vosso Imaculado Coração, desejamos, juntamente com toda a Igreja, unir-nos à consagração que, por nosso amor, o vosso Filho fez de Si mesmo ao Pai: “Eu consagro-Me por eles — foram as suas palavras — para eles serem também consagrados na verdade” (Jo 17, 19).

Queremos unir-nos ao nosso Redentor nesta consagração pelo mundo e pelos homens, a qual, no Seu coração divino, tem o poder de alcançar o perdão e de conseguir a reparação.

Bendita sejais acima de todas as criaturas, Serva do Senhor, que obedecestes da maneira mais plena ao chamamento divino!

Louvada sejais Vós, que estais inteiramente unida à consagração redentora do vosso Filho!

Mãe da Igreja, iluminai o povo de Deus nos caminhos da fé, da esperança e da caridade! Iluminai de modo especial os povos dos quais Vós esperais a nossa consagração e a nossa entrega. Ajudai-nos a viver na verdade da consagração de Cristo por toda a família humana do mundo contemporâneo.

Confiando-Vos, ó Mãe, o mundo, todos os homens e todos os povos, nós Vos confiamos também a própria consagração do mundo, depositando-a no vosso coração materno.

Oh Imaculado Coração, ajudai-nos a vencer a ameaça do mal, que se enraíza tão facilmente nos corações dos homens de hoje e que, nos seus efeitos incomensuráveis, pesa já sobre a vida presente e parece fechar os caminhos do futuro!

Da fome e da guerra, livrai-nos!

Da guerra nuclear, de uma autodestruição incalculável, e de toda a espécie de guerra, livrai-nos!

Dos pecados contra a vida do homem, desde os seus primeiros instantes, livrai-nos!

Do ódio e do aviltamento da dignidade dos filhos de Deus, livrai-nos!

De todo o género de injustiça na vida social, nacional e internacional, livrai-nos!

Da facilidade em calcar aos pés os mandamentos de Deus, livrai-nos!

Da tentativa de ofuscar nos corações humanos a própria verdade de Deus, livrai-nos!

Da perda da consciência do bem e do mal, livrai-nos!

Dos pecados contra o Espírito Santo, livrai-nos, livrai-nos!

Acolhei, ó Mãe de Cristo, este clamor carregado do sofrimento de todos os homens! Carregado do sofrimento de sociedades inteiras!

Ajudai-nos com a força do Espírito Santo a vencer todo o pecado: o pecado do homem e o “pecado do mundo”; enfim, o pecado em todas as suas manifestações.

Que se revele uma vez mais, na história do mundo, a força salvífica infinita da Redenção: a força do amor misericordioso! Que ele detenha o mal! Que ele transforme as consciências! Que se manifeste para todos, no vosso Imaculado Coração, a luz da Esperança!

Amém!

 
E se hoje fosse o último dia da minha vida? Imprimir e-mail
Image
Hoje é o último dia do ano. E se fosse o último dia da minha vida?Geralmente, no final do ano, dia 31 de Dezembro, ou primeiro dia do ano novo, é costume de muitos reverem a sua vida. Pensar no que viveu durante o ano que passou, comparar com o ano anterior, o que foi bom, o que não foi tão bom assim…
É o que se chama fazer a ‘revisão de vida’.
Eu sinto em mim um desejo de parar, olhar para mim, como estou a viver, fazer o ponto da situação. Analisar o que vivi neste ano em especial, o que cresci, o que podia ter sido melhor.
Sinto um desejo enorme de louvar ao Senhor pelas bênçãos que Ele me concedeu neste ano, pela sua providência abundante em várias áreas da minha vida. Reconheço que Deus cuidou concretamente de mim mais um ano.
Mas, vejo também que poderia ter sido melhor. Em muitos momentos, poderia ter dado respostas diferentes, poderia ter amado mais pessoas concretamente, ter dado mais atenção a quem veio até mim e precisava de mim… e assim, em muitos outros aspectos, poderia ter sido e reagido melhor.
Para o próximo ano, o que posso tentar melhorar? Estou no caminho certo? Ou preciso de mudar a direcção? Estou a deixar-me guiar inteiramente por Deus ou estou a querer ter o controle de tudo nas minhas próprias mãos?
“Vem Espírito Santo, vem Paráclito consolador! Orienta-me, guia-me, consola-me e conduz-me. Somente pela força do teu Espírito, que é Santo, ó meu Deus, conseguirei seguir o caminho que Tu tens para mim. Vem em meu auxílio!”
Quero recomeçar. Quero ser melhor. Hoje deve ser o ‘primeiro dia do resto da minha vida’.
“Tenta progredir com simplicidade, permanecendo firme nas resoluções que tomaste.”
(Padre Pio de Pietrelcina)
  Image
 
Louvor e memória no final de um ano Imprimir e-mail

Chegados ao termo de um ano e prestes a começar um novo, deixemo-nos inspirar pelo evangelho.

Os pastores “foram sem demora a Belém e encontraram Maria, José e o Menino deitado numa manjedoira” e partiram como mensageiros da novidade de Cristo, glorificando e louvando a Deus.

Fala também de Maria, a Mãe, que “guardava todas estes acontecimentos, meditando-os no seu coração”.

Este texto é vivo e actual para nós hoje e nesta hora. Os pastores e Maria precedem-nos, interpretam-nos, envolvem-nos e convidam-nos a partilhar os sentimentos do seu coração. O Evangelho dá-nos a graça de fazer nossos o louvor dos pastores e a memória com que Maria guarda e medita os acontecimentos.

1. Louvor e memória no final de um ano
São precisamente estes sentimentos que devem caracterizar a conclusão deste ano que passa:
- o louvor, que é a expressão mais natural da gratidão ao Senhor por todos os dons que, na Sua grande bondade e na sua incansável misericórdia, concedeu a cada um de nós, às nossas famílias, aos outros, à Igreja e à humanidade;
- a memória, que consiste em guardar, na nossa mente e no nosso coração, todos esses dons para que eles possam desenvolver todo o potencial que encerram de bem e de fecundidade, não só para hoje mas também para amanhã.
No recolhimento e no silêncio da oração pessoal, cada um de nós poderá encontrar os motivos particulares para dar graças a Deus e para recordar as ressonâncias em nós suscitadas pelas maravilhas que o Senhor realizou em nosso favor.
O cântico do Te Deum, que neste dia se costuma entoar, quer dar voz comunitária e alegre a este louvor e memória de toda a Igreja e de todos nós.

2. Com a bênção de Deus iniciamos um novo ano
Contudo, ao terminar o ano, queremos suscitar e alimentar no nosso coração outros sentimentos. Não basta reviver o louvor grato dos pastores e a memória meditativa de Maria.
É preciso, na consciência da nossa fragilidade, exprimir o nosso arrependimento, implorar a misericórdia de Deus. O Te Deum leva-nos a alimentar estes sentimentos quando nos faz cantar: “Tem piedade de nós, Senhor, tem piedade”, “A tua misericórdia esteja sempre connosco”. Imploramos, pois, o dom da Misericórdia para nós, para a Igreja e para toda a humanidade.
Daqui nasce a confiança e o abandono filial em Deus, a esperança na sua ajuda, a certeza do seu Amor terno e fiel, para hoje e para o tempo que há-de vir.
É este amor que nos é revelado e comunicado pelo Filho eterno de Deus que se fez homem como nós e para nós, no seio da Virgem Maria.
É este amor que faz palpitar o pequeno – e imenso – coração do Menino de Belém, ícone da condescendência de Deus para com a fragilidade e a fraqueza do homem, ícone da misericórdia salvífica de Deus para com o homem pecador.
No rosto deste Menino resplandece a glória do Pai – o esplendor do Amor do Pai – que quer ilumina o rosto de cada homem e entrar no seu coração. É com esta bênção que o Senhor nos introduz no novo ano, assegurando-nos a sua protecção, a sua paz e a sua alegria.
Deixo aqui para cada um de vós votos de bênção, graça e paz para o novo ano:
 “O Senhor te abençoe e te proteja; o Senhor faça brilhar sobre ti o Seu rosto sorridente e te dê a Sua graça; o Senhor dirija para ti o olhar do Seu rosto e te dê a paz”. Ámen! Aleluia!
  Image

 

 

 
12 atitudes positivas para o Ano Novo Imprimir e-mail

 

 

12 atitudes positivas para o Ano Novo  

 

Ano Novo convida a uma vida nova. 12 atitudes positivas para um ano feliz

 

1 –  Adicione fé e esperança aos seus sonhos. Todo o sonho precisa de ser alimentado, caso contrário, será apenas uma teoria.

2 – Nas encruzilhadas da vida, peça orientação ao Espírito Santo. Não queira resolver sozinho os seus problemas; deixe espaço para que Deus participe nas suas decisões.

3 – O diálogo é a base para uma convivência pacífica e saudável. Coloque as cartas na mesa quando algum problema surgir. Falar com respeito é melhor do que silenciar com ódio.

4 – Contemple as estrelas quando estiver estressado. O brilho que elas emanam faz com que se lembre que, mesmo nas trevas, o amor de Deus nos acompanha e ilumina os nossos caminhos.

5 – Se se cruzar com um gato preto na rua, não se assuste, é apenas um animal que nem sabe que você é supersticioso (a).

6 – Comece cada dia deste novo ano com o pé direito: acredite em você mesmo, lute pelos seus ideais e faça o bem sem esperar retorno.

7 – Para conquistar um amor de verdade, tome um banho de dignidade e autoestima. Seja verdadeiro (a) com os seus valores e acredite que uma vida a dois é fruto de um caminho de conhecimento, diálogo e partilha.

8 – Use folhas de louro para fazer uma deliciosa feijoada para os amigos. E não se esqueça de me convidar!

9 – Use e abuse das cores amarelas. Garanto que não vai lhe trazer dinheiro, mas, com certeza, vai lembrá-lo que o dinheiro não cai do céu e Deus ajuda quem cedo madruga!

10 – Nozes, avelãs, tâmaras e castanhas são óptimas para a saúde. Mas, elas não trazem fartura, a não ser para o seu peso se forem consumidas em excesso.

11 – Para nunca faltar dinheiro, trabalhe com seriedade, não gaste com supérfluos e não faça despesas as maiores do que o seu salário.

12 – Para ter paz não precisa de usar a cor branca, basta apenas ter consciência de que a paz começa com os seus gestos, palavras e atitudes.

 
O que será novo no ano novo? Imprimir e-mail

 

O que será novo no ano novo?  

 

O ano novo faz mudar o nosso olhar sobre a vida e sobre os problemas

 

Ao longo da nossa caminhada aprendemos a triste lição de ficarmos presos somente a um ponto de vista. Aprendemos a olhar a vida de maneira míope. O ano novo faz nascer novos olhares que em nós se escondem. A luz de um ano novo brilha silenciosamente nos jardins secretos que em nós habitam.

Talvez o poeta consiga ver o que muitos desejariam. Ele contempla o silêncio das palavras e nelas descobre a essência das palavras ainda não escritas. Ele dá vida às sementes que silenciosamente dormem nos canteiros da alma. Palavras germinam como as sementes: silenciosamente. No solo em que foram sepultadas, as palavras brotam sob olhares de novas possibilidades.

Cada flor que nasce do silêncio é um olhar totalmente novo diante da vida. Cada esquina da alma revela o que antes nunca tínhamos visto. Caminhar entre os nossos sonhos, nas campinas verdes da esperança, é fazer do quotidiano a mais bela experiência do ser humano.

 

A mudança no ano novo

 

Olhar a vida com os olhos da bondade é acreditar que o mundo pode ser diferente se mudarmos o nosso olhar em relação a ele. A mudança não começa no outro, ela nasce em nós, primeiro. O mundo que em nós carregamos só começará a mudar quando nos mudarmos a nós mesmos. A mudança começa cada nova manhã que se despede das trevas de uma noite que se tornou passado. Experiências de ressurreição nascem do que foi sepultado nas noites que não mais serão as mesmas.

Nem sempre é fácil mudar o olhar. É preciso que, antes, nasça o desejo no nosso coração. Muitos olham e não vêem. Muitos vêem e não conseguem olhar. Olhar é ir além do que vemos. É atravessar pontes e descobrir novos territórios em terras antigas.

A ponte que une é mais bonita que o muro que separa. O sertão que em nós habita pode ser tão bonito como o oásis com o qual um dia sonhamos. Nos poentes da vida o nosso olhar contemplará uma linda manhã que está para chegar.

 
Começar o ano com o "pé direito" Imprimir e-mail
Colocar o coração na frente

"Começar o ano com o pé direito."
O "pé" não tem nada a ver com o ano, ai de nós se não usamos o direito e o esquerdo…
Mas começar o ano com o coração, isso sim. Ter a vontade de superar os nossos limites.
Colocar à frente o nosso coração…
Reflectindo sobre isto, vejo que o resultado nem sempre é o mais importante. O primeiro lugar nem sempre vai para o melhor. Mas uma coisa eu tenho a certeza: Saí daquela arena como um vencedor, pois dei tudo o que eu tinha.
Fui sem saber se o meu "barco" iria aguentar, fui esperando a dor que há meses venho sentindo... fui resolvido a dar tudo de mim.
Graças a Deus, o resultado foi mais do que gratificante, porém, o grande prémio foi conseguir mais uma vez tentar até ao fim, sem desanimar.
Hoje, posso dizer que comecei o ano não com o pé direito, mas com todo o meu coração.
Actualmente, rezo para que Deus me ajude a ter esta mesma chama acesa dentro de mim, não só para as minhas montarias, mas para tudo na minha vida.
Adriano Moraes é bi-campeão mundial de rodeio. Actualmente reside no Texas, EUA.
 
 
  Image
 
 
 
 
Qual o sentido das festas de fim de ano? Imprimir e-mail
 

Qual o sentido das festas de fim de ano? 

 

 No fim do ano, as festas multiplicam-se. São confraternizações com colegas de trabalho, estudos, grupos de casais e de jovens, formaturas e por aí adiante! Sem contar os momentos em família como a ceia de Natal e o Réveillon. Nesses momentos tão gostosos, damos boas risadas, trocamos presentes e recordamos momentos de superação. Porém, para algumas pessoas, o fim de ano pode gerar tristeza.

Festa é uma invenção de Deus

“A festa é uma invenção de Deus”, afirma o Papa. Após concluir a obra da criação, no sétimo dia Deus descansou. Com esta ação divina, aprendemos “a importância de dedicar um tempo para contemplar e desfrutar daquilo que no trabalho foi bem feito”.

Festa no meio da dor

Quantas vezes as nossas mães, sentindo dores, prepararam um belo almoço para nós, não é? Ou quantos pais foram ao supermercado com o “dinheiro suado” comprar algo especial para o almoço de domingo? São sacrifícios de pais e mães que vivem e celebram a festa no meio das dificuldades. Francisco recorda que uma festa pode acontecer “em circunstâncias difíceis ou dolorosas, e celebra-se talvez com o ‘nó na garganta’”.

A força que encontramos nestes casos, nós a encontramos em Deus. Pais e mães são especialistas neste assunto. “Quantas vezes, por amor aos filhos, são capazes de sugar o sofrimento para deixar que eles vivam bem a festa, saboreiem o sentido bom da vida! Há tanto amor nisto!”, recorda o Santo Padre.

 

Festa no ambiente de trabalho

Francisco destaca como é saudável a festa no ambiente de trabalho, sem omitir os deveres. É muito importante celebrar “um aniversário, um matrimónio, um novo nascimento, bem como uma despedida ou uma chegada… é importante”. Estes momentos de familiaridade fazem bem à engrenagem da máquina produtiva.

O verdadeiro tempo de festa

A verdadeira festa suspende o trabalho profissional, porque é sagrada. Esta parada recorda-nos que fomos feitos à imagem e semelhança de Deus, portanto, não escravos do trabalho. Assim como o Senhor, nunca devemos ser escravos do trabalho, mas “senhores”. Inclusive, há um mandamento que diz respeito a todos, ninguém é excluído: “Guardar domingos e festas”.O tempo é sagrado, porque habitado por Deus; de maneira especial, a Missa aos domingos, que é marcada pela graça de Jesus, pela Sua presença, pelo Seu amor e sacrifício, o Seu fazer-se comunidade e estar conosco. “Trabalho, família, alegrias e cansaços de cada dia, também o sofrimento e a morte; tudo é transfigurado pela graça de Cristo”, que confere a cada realidade sentido pleno.Se comparássemos o ritmo familiar com uma orquestra, perceberíamos que a harmonia do lar é tão importante com a afinação dos instrumentos. Assim como nos espetáculos em que os músicos executam lindas obras, as famílias devem estar atentas para seguir a partitura divina.
 
Consagremos o novo ano a Maria Imprimir e-mail
 

Consagremos o novo ano a Maria

 Que a Mãe de Deus nos acompanhe em todos os nossos passos, em tudo o que faremos neste novo ano No primeiro dia do ano, estamos cheios de boas inspirações e aspirações para o ano que entra. Por isso, a primeira coisa que a Liturgia de hoje nos dá é a bênção da paz, que vem do coração de Deus; a paz que dissipa todo mal, que envolve nossos corações e nos dá o sentimento divino.

Que a paz que recebemos do coração d’Ele esteja em nós todos os dias deste novo que se inicia.

 A colaboração de Maria

 

Nós, hoje, olhamos para a Mãe do Salvador Jesus Cristo. O verdadeiro Deus e Homem nasceu de uma mulher, desse modo, no primeiro dia do ano, a Liturgia nós dá a graça de celebrarmos Santa Maria Mãe de Jesus Cristo e de todos nós.Compreendermos o lugar que Maria ocupa no plano da salvação de Deus nos faz olhar com mais fé e esperança para os dias de nossa vida.

 

A primeira realidade: Maria foi a mulher que esperou em Deus, assim como seus pais e antepassados, que tinham no Senhor sua esperança e confiança. Por isso, Ele fez cumprir Suas promessas na pessoa de Maria.Deus têm muitas promessas de bênçãos e graças, de proteção para este ano que se inicia! Quando olhamos para a Virgem Maria, mantemo-nos firmes na confiança, porque ela poderia ter muitos motivos para desanimar, mas jamais desanimou.

 

A segunda realidade: a nova humanidade, a nova criação que Deus fez começa no ventre, no seio de Maria. Todos aqueles que nasceram no Senhor renascem no ventre de Nossa Senhora.

Se Cristo, a nova criatura, é Aquele que veio para estar entre nós, para nos salvar e nos santificar, Ele quis envolver-se no ventre, no coração e no seio de Sua Mãe. É lá também que Ele quer nos colocar todos os dias de nossa vida.

 O novo ano que se inicia

 

No embalar de um novo ano, é bom começarmos tudo novo por aquela que Deus começou todas as coisas. Que Maria seja para nós um alento de esperança e confiança, de ânimo e certeza de que Deus faz nova todas as coisas.

Que a Mãe de Deus nos acompanhe em todos os nossos passos, em tudo que faremos neste novo ano!Que a paz do Senhor esteja no coração de todos!
 
Receita para um ano novo de paz Imprimir e-mail

Receita para um ano novo de paz  

 

Renove a sua esperança para um ano novo de paz

 Para que o ano seja novo, é preciso que você desamarre os laços que o impedem de caminhar rumo ao perdão. Desfaça os nós da prepotência e revista-se de humildade. Dê o primeiro passo e acredite que o perdão revigora a alma e devolve a paz ao coração angustiado.

Não tenha medo de recomeçar. Nem sempre é fácil deixar aquilo que nos aprisiona. Liberte-se das prisões que criou para si mesmo. Olhe ao seu redor e veja que na liberdade madura você pode ser mais feliz do que sendo prisioneiro de seus pecados. Liberdade conquista-se com responsabilidade, e maturidade é fruto das escolhas bem realizadas. Abra os cadeados que o impedem de ver a vida com mais otimismo. Despeça-se do mau humor. Viva com mais leveza e pare de achar o lado ruim das pessoas e das situações. Chegou o momento de viver a vida com mais gratidão. Mais um ano mal-humorado será insuportável para você mesmo.

 Sempre é tempo de praticar gestos de bondadeFuja das trevas e caminhe na luz. Um novo ano é sempre uma nova oportunidade de buscar a luz. Deixe-se iluminar pelo bom exemplo das pessoas. Busque amizades que agreguem valor à sua vida. Despeça-se das situações que ofuscam sua visão. Você foi criado para iluminar-se. Seja luz! Brilhe amando! Ilumine semeando esperança!

Acredite que sempre é tempo de praticar gestos de bondade. Não espere o momento ideal para ajudar alguém. Faça de cada situação uma oportunidade única para praticar o bem. Faça de cada dia deste novo ano o tempo de amar. Faça a diferença. Acredite na força do amor partilhado.

 Pequenos gestos fazem grandes diferençasSeja misericordioso. Acolha a todos com um sorriso verdadeiro e com um abraço fraterno. Pequenos gestos fazem grandes diferenças quando praticados com amor. Seja ponte que une e não muro que separa. Ajude os necessitados e cada dia deste ano novo será um Natal permanente. Visite os enfermos e celebre a liturgia da caridade no altar de cada leito de dor. Ofereça sua bondade sem esperar retorno. Quem semeia com amor colhe sorrisos de gratidão.A oração é alimento da alma e fortaleza na vida

Ore mais. A oração é alimento da alma e fortaleza na vida. Em cada oração, unimo-nos mais profundamente ao coração de Deus. Mesmo em meio às lágrimas e dificuldades, busque o auxilio e a segurança d’Aquele que nunca nos abandona. Em Deus somos acolhidos no amor e na misericórdia. Nosso Pai celestial jamais abandona um filho necessitado. Seja na dor ou na alegria, busque Deus com amor. N’Ele somos amados eternamente.

 Acredite em si mesmoVocê é protagonista da mais bela história da vida, da qual Deus o fez personagem principal. Sua missão começa com um sorriso de bondade e se expande pelo mundo com pequenos gestos de amor. No palco da vida, você é obra divina da criação. Você foi gerado no amor de Deus. Em sua alma estão impressas as marcas da divindade. Você é fruto de um amor eterno, por isso mesmo, faça deste novo ano o início de um novo tempo na sua história. Seja para o mundo a realidade de um novo tempo! Seja de Deus! Seja feliz com Deus!
 
Mais um ano chega ao fim Imprimir e-mail
 

Mais um ano chega ao fim. O que fizeste? 

  O ano passou rápido, e talvez nem tenhas percebido. Então, para e faz uma reflexão

O tempo é um dos aspectos mais fascinantes da vida e, por incrível que pareça, é único para cada pessoa, mesmo que os relógios sejas iguais e o ano tenha 365 dias para todos. É que como cada um, lida com ele de modo diferente, as experiências também são exclusivas. A Sagrada Escritura afirma, em Ecle 3, “que cada coisa é boa e proveitosa quando vivida no seu devido tempo”; e eu acredito nisto. Mas o que fazer quando o tempo passa tão veloz, que nem sequer conseguimos pensar no que seria bom viver naquele momento?

Pensando no ano que termina, podemos analisar o que conseguimos viver e, pelos frutos elegermos o que devemos cultivar ou lançarmos fora para não perdermos tempo na vida. Aliás, tenho aprendido que o tempo não mudou. Nós é que nos temos ocupado demais, e dá-nos a impressão de que o tempo é insuficiente para tudo o que queremos realizar. A afirmativa fica ainda mais clara quando estamos de férias, por exemplo, e praticamente nos obrigamos a desacelerar o ritmo das atividades.

No início, podemos até continuar agitados como se estivéssemos fora de órbita, mas, depois de alguns dias, vamos achando o nosso lugar e percebemos que, finalmente, voltamos a viver. Já no caso contrário, quando nos colocamos como a pessoa mais indispensável do mundo e tentamos resolver dez situações no mesmo instante, o tempo parece voar. Aí, batemos na conhecida tecla: “A vida é feita de escolhas!” Portanto, ao analisar a tua vida nos últimos doze meses, tens a sensação de que “o ano passou a voar” e não deu tempo para fazer tudo o que tinhas planeado, pode ser um sinal de que tenha cumprido muitas tarefas e vivido pouco. Se os planos que tinhas em viajar de férias, optar pelo amor em vez do sucesso, visitar amigos e ser paciente, por exemplo, foram substituídos por tarefas e horas extras no trabalho, é preciso “recalcular a rota”.

Vive a felicidade

A felicidade é um dom que não se encontra no fim da estrada, mas está distribuída pelo caminho e costuma esconder-se nas coisas mais simples. É por isso que, se passarmos pela vida sempre com pressa, correremos o risco de não encontrar a felicidade e chegarmos ao fim da jornada com as mãos vazias e a sensação de ter sido desleal com o próprio coração. E isto, com certeza, não é a vontade de Deus para nenhum de nós. Portanto, a dica é: tenha calma! Por mais difícil que seja, é preciso desacelerar um pouco para não se perder no tempo, que é o nosso amigo ou o nosso rival, dependendo das escolhas que fazemos em relação a ele. Ter calma, não é deixar de fazer o que se deve, mas conciliar as possibilidades, respeitar os limites e eleger o essencial a cada instante. Quando começamos a pensar assim, podemos perceber que, muitas vezes, gastamos o nosso precioso tempo, que seria dedicado ao descanso, com o uso das redes sociais, que nos fazem ficar cada vez mais cansados e sem tempo, simplesmente por falta de disciplina.

Em todo o caso, ao pensarmos no ano que passou, podemos rever as nossas escolhas e aprendermos algumas lições. O que foi bom deve perpetuar, e o que não foi, já é passado, temos uma nova chance para acertar. A cada amanhecer recebemos do Criador a capacidade de levarmos ao mundo um sopro de vida, esperança, paz e amor em tudo que fazemos, só é preciso manter o coração unido ao d’Ele, sabendo que tudo o que fazemos é graças a Sua misericórdia.

O Senhor enviou-nos ao mundo não apenas para cumprirmos tarefas, mas, antes de tudo, para sermos canais do Seu amor na vida daqueles que, por um motivo ou outro, entram na nossa história. Desejo que, ao pensar no ano que passou, possas fazer escolhas que favoreçam a tua vida, pois é vivendo cada instante com sentido que experimentamos a ação concreta de Deus. A propósito, Ele está entre nós agora, revela-se a mim enquanto escrevo, e a ti enquanto estiveres a ler.

Demos-Lhe graças pelo ano que termina!
 
Feliz dia trinta e um Imprimir e-mail

Como vivi este ano?

A noite tão esperada chegou, depois de um dia agitado. A última data do calendário daqui a algumas horas não mais existirá. Com ela se vão datas que marcaram o coração, dias carregados de esperança, meses cheios de saudades e lembranças, de um tempo que não volta mais.
Como vivi este ano? Há frases lindas que lemos em livros e anotamos nos cadernos, na mão, nos cartões para os amigos, na porta do guarda-roupa ou as emolduramos e acabam se tornando objectos de decoração, as quais muitos podem ler e colher aquilo de que precisam.
Geralmente, estas frases, depois de se tornarem objectos de decoração, são esquecidas e deixam de ser vividas, mas um dia, elas tiram o nosso sossego.
A frase que nunca achei que escaparia da moldura é a seguinte: "Um coração sensível gosta de valores frágeis".
Um valor frágil que se esconde e se revela ao homem é o silêncio. Naquele momento decidi-me por ele. Não o silêncio do isolamento ou da solidão, mas o silêncio interior, aquele que vem de Deus e que nos coloca frente a frente connosco mesmos. Parece loucura, dentro da agitação do dia trinta e um de Dezembro, buscar silêncio. No entanto, quero prolongar este dia dentro de mim, eternizá-lo para que se torne mais um desejo da alma vivido pelo corpo.
Há um tipo de silêncio que arranca do coração ameaças, acusações, medos e incertezas e que, simplesmente, anulam datas, encontros e reencontros. Mas, há um silêncio que se oculta por detrás do desejo de toda a alma, escondido nas sacolas de presentes, ofuscado pelas luzes dos fogos de artifícios, camuflado em forma de presentes na árvore de Natal, velado nos olhares alcoolizados, depois do estouro da champanhe. Silêncio cheio de sentimentos ternos e eternos que retiram do coração palavras que são verdadeiras cartas de amor jogadas ao mar, dentro de garrafas que, um dia chegarão ao porto da vida de alguém ou ancorarão em outro coração.
Que o dia trinta e um se eternize e nos faça recolher as folhas do calendário de amores perdidos, as palavras que não foram ditas, os segredos que não foram revelados, os perdões que não foram dispensados, e os olhares negados. Muitos baterão à nossa porta com olhares carregados de esperança sem fingir afeições, com palavras nos lábios que serão verdadeiras sonatas de Chopin a tocar no nosso silêncio perguntando: Quem sou eu? Quais os meus desejos, medos e sonhos? Será que neste ano conquistei corações ou apartei-os de mim? Silêncio de reconstrução, não de omissão, que remexe o que está parado, que desconcerta para concertar.
O silêncio das surpresas de Deus, da chuva que cai, das ondas do mar, da última folha do calendário que cai no chão, anunciando que o Novo Ano chegou, que uma nova pessoa pode nascer e que é tempo de palavras que se conjugam no coração de sujeitos que decidimos amar. Um feliz dia trinta e um!

  Image

 

 

 
Como ter o melhor ano da sua vida? Imprimir e-mail

 

Como ter o melhor ano da sua vida?  

 

Chegámos no fim de mais um ano! Devemos preparar-nos para viver o próximo ano

 

É comum, no fim de ano, as pessoas confraternizarem e desejarem votos de felicidades, realizações e prosperidade uns aos outros. A frase: “Muito dinheiro no bolso, saúde para dar e vender”, é célebre neste tempo.

Isto é muito bom, porque percebemos que a maioria dos seres humanos tem boa intenção e preza o bem. No entanto, quando assim nos expressamos e desejamos todo o bem ao outro, estamos a referir-nos quase que exclusivamente ao que é material ou emocional, ou seja, ao que é passageiro e frágil. Prova disso é que, quando alcançamos este tipo de alegria, nos satisfazemos no momento, mas isso não basta. Estas conquistas, no máximo, podem trazer a sensação de dever cumprido para uma etapa da vida, como o estudo, por exemplo. Se fazemos a viagem dos sonhos, quereremos viajar uma vez mais; se adquirimos um bem, este se depreciará e, uma hora ou outra, deixará de ter interesse; se nos formamos num curso, em breve este conhecimento ficará desactualizado exigindo que façamos outras formações; na área afectiva teremos sempre o desafio de manter o vínculo com a outra pessoa e que não estaremos bem com ninguém se não nos encontramos connosco mesmos primeiramente.

E diga-se de passagem, até entre nós cristãos, que nos “gabamos” de nos atentarmos mais as coisas espirituais, quando dizemos “feliz ano novo!”, geralmente referimo-nos a uma felicidade que coloque a outra pessoa numa comodidade emocional e espiritual. Desejamos a paz do tipo que é resultado da ausência de qualquer desafio, queremos que o outro alcance o milagre como um passe de mágica, muitas vezes sem o efeito que o processo de busca da graça constrói na pessoa.

Por isso, cansamo-nos quando correndo atrás de uma falsa realização, que mais é um êxtase de momento, e não investimos na verdadeira felicidade e sentido existencial. Nenhum ano será bom o suficiente para quem alimenta coisas terrenas na sua alma e no seu coração que pertencem ao Céu.

 

Como ter o melhor ano da sua vida?

 

Ame mais

 

Amar mais, não quer dizer, beije mais, namore mais. Amar significa ir em direcção de todos, também das pessoas que não merecem o seu amor e quem sabe nem a sua consideração. Jesus disse: “Se amais somente os que vos amam, que recompensa tereis? {…} Não fazem isto também os pagãos?” (Mt. 5, 45-46). Qualquer um tem bons sentimentos para com quem lhe faz bem, o desafio aqui é amar de verdade. Dê chance às pessoas de que você não gosta, ou que o decepcionaram.

E o perdão é uma das faces mais nobres do amor. Dê perdão a quem o magoou, quem o feriu. Isto primeiramente vai te libertar do sentimento ruim, do seu orgulho de se considerar o prejudicado (e talvez seja mesmo) e esperar que de alguma forma o agressor seja punido (se não a justiça humana, quem sabe pela justiça divina). Livrar-se de todo o resquício de mágoa e ódio já dá alívio ao seu coração e alma. Às vezes agarramo-nos tanto à vontade de justiça que nos tornamos justiceiros e a simples torcida de prejuízo ao outro é um modo do mal se instalar em nós. Quem deseja o mal tem o mal dentro de si, e é impossível ser feliz carregando o mal.

Ao contrário, quem ama traz o amor em si e o amor nunca causa prejuízo, pois se amou, cresceu espiritualmente.

Quantas pessoas, mesmo quando “passadas para traz”, enganadas, decepcionadas, com a sensação de derrota, conseguem dormir tranquilas porque puderam ao fim dizer: “Fiz tudo o que podia pelo outro!”?

Amar só nos faz melhores. Sai pior como pessoa, quem não amou.

Amar não é só num relacionamento de enamorados ou esponsal, mas nas amizades, familiares e outros.

E amor e perdão não dependem de sentimentos, mas de decisão. Pode sentir raiva, mas se decidir ter atitudes cristãs – isso é amar – com quem o ofendeu, a raiva irá quebrando aos poucos.  Deixe o amor entrar definitivamente na sua vida e verá a felicidade entrando juntamente.

 

Reclame menos

 

Quando não lançamos a palavra maldizente, fruto da nossa opinião que às vezes é equivocada, proporcionamos ao menos alguns segundos – dependendo da gravidade do facto dias, meses – de reflexão interior. Isso  faz-nos olhar novamente, agora mais devagar e atento para o acontecido, podendo dar-nos condições de responder melhor e mais acertadamente ao caso.

Quanta gente não “enfia os pés pelas mãos” porque tomado de ira, age impensadamente?

Quando meditamos o facto, podemos também ver saídas, possibilidades e adequações ao ocorrido.

 Reclamar pode bloquear em parte este processo interior. Além de que o que sempre reclama, é uma pessoa chata de lidar.

  

Faça o bem

 

O mundo precisa urgentemente de gente que promova o bem. Pode aderir a uma causa, mas dentro das nossas casas, nos ambientes de trabalho, há várias realidades de pessoas que precisam da sua “mãozinha”.

Fazer algo para o outro com gratuidade dá mais alegria do que realizar alguma coisa para si mesmo. Quer ver? Imagine-se indo comprar um agasalho para você. Chega à loja, escolhe uma bela roupa, paga e sai todo contente. Quando chega na esquina encontra uma mãe com o filhinho à chuva e ambos a tremer de frio. Você não pensa duas vezes e dá o seu agasalho, recém adquirido, a essa mãe.

Que sentimento te satisfaz mais, o de comprar algo novo ou de ter doado algo a quem tinha mais necessidade do que você?

Tenho a certeza que não só sairá contente porque foi capaz de se desapegar de algo seu e fazer outra pessoa feliz, como, se não tivesse doado a roupa sairia com peso de consciência.

Em vez de brigar no trânsito, dê a passagem. Abra mão, um pouco mais, dos seus direitos, dê preferência ao que pede o seu cônjuge, o seu (a sua) namorado (a), ao jeito dela, ao que ele(a) quer. Ajude os seus pais nos serviços de casa, se tem habilidade de produzir algo, faça também a quem não tem condições de lhe pagar, faça favores, seja disponível.

 Estas atitudes dão leveza à nossa alma, pois “há mais alegria em dar do que em receber”.

Desafio-o a fazer esta experiência e ver se a felicidade não invadirá o seu coração.

Tenha metas

Não é porque estamos a tentar plasmar as coisas do céu em nós, que eliminamos toda a dimensão terrena. Para ter o melhor ano da sua vida, todas as áreas da nossa humanidade merecem atenção. É importante ter objetivos materiais, intelectuais e emocionais.

Estude, poupe, ou invista num bem, busque ter emoções equilibradas.

Contudo, tenha metas espirituais também. Aliás, a próxima dica diz sobre isso.

 

Reze mais

 

Tenha mais intimidade com o Senhor. Invista na oração pessoal, individual “Quando orares, entra no teu quarto, fecha a porta e ora ao teu Pai em segredo” (Mt 6, 6), e também na oração em grupo “se dois de vós se unirem para pedir” (Mt 18, 19).

Leia a Palavra de Deus, faça o propósito de ir mais vezes à Santa Missa, à confissão, aos sacramentos. Deus quer orientar-te segundo a Sabedoria que é Ele, é dom do Espírito Santo.

Esteja atento às subtilezas de Deus. O modo como Ele manifesta a fala e a vontade Dele na sua vida.

 

Simplifique as coisas

 

Descomplique, favoreça, tire os empecilhos, quem sabe os melindres, jeitos e manias que temos, em favor daquilo que o outro precisa ou requer.

 Não esperemos estar tudo pronto e do nosso jeito para fazermos o nosso melhor.

Explique as coisas às pessoas, dialogue, programe-se a sair de casa com o seu bom humor, a bem receber as pessoas, prefira servir bem, se pode, antecipe-se às necessidades das outras pessoas.

 

Perca tempo

 

Gaste tempo com os filhos, o seu cônjuge, brinque mais, faça coisas inéditas com quem ama, com quem compartilha a vida consigo.

 Os momentos que ficam marcados na nossa vida, geralmente foram aqueles em que perdemos tempo com coisas simples.

Enfim, busquemos neste ano novo elevar a alma e o espírito, pois aí está o segredo da verdadeira realização. Invista na sua humanidade, mas não fique só na dimensão terrena, invista também em coisas que não passam, coisas que imprimem o eterno na nossa alma.

Se seguir estas dicas, com certeza terá o melhor ano da sua vida. Se já as faz, faça novamente em 2018, e sempre.

Feliz Ano Novo para si!

 
Como será o ano 2017 para ti? Imprimir e-mail

COMO SERÁ O ANO 2017 PARA TI?

 

Início de 2017, muitas perguntas surgem na nossa mente: O que fazer? Será que este ano vai ser diferente? Será que as coisas vão melhorar?
É comum as pessoas traçarem metas para o próximo ano do que elas querem viver e não fazer um balanço do que já viveram. Porque isso acontece?
Talvez porque as pessoas tenham um certo receio de se avaliarem a si mesmas, é mais fácil colocar metas do que parar e pensar no que aconteceu, na experiência que foi adquirida. As pessoas não têm o hábito de aprender com a experiência. Que tudo, seja positivo ou negativo, ele concorre para que a pessoa cresça enquanto indivíduo.
Se é uma experiência ruim, vamos aprender com ela, ficar com os aspectos positivos da experiência.
É com os erros que aprendemos, então, ficar pensando só no futuro, traçar metas. "Ah! Agora vai melhorar", é uma coisa até um pouco mágica, as pessoas falam: "Em 2017 tudo vai mudar, eu vou parar de fumar, parar de beber..." Mas não sabe porque deu tudo errado no ano anterior, podemos pensar: "Porque eu não parei de fumar nesse ano que passou?", O que eu contribuí para que isso acontecesse? Ninguém quer olhar para si mesmo, fazer um balanço da sua vida, das suas culpas, sempre há a tendência de jogar no outro a responsabilidade de seus actos.
Como a pessoa deve trabalhar com o que foi negativo no ano que passou, para viver melhor o novo ano?
Exactamente fazendo um balanço, o que eu posso aprender com esse negativo? O que ele pode contribuir pra mim, será que foi tudo tão ruim porque eu não consegui enxergar o outro. Eu não consegui lidar com minhas coisas ruins, parar para pensar, será que eu sou uma pessoa muito impulsiva, se auto-avaliar.
Hoje em dia o indivíduo está muito imediatista, muito consumista, entra numa 'roda viva', numa busca incessante do prazer imediato. E não pára pra pensar, não pensa nas consequências. Quando termina o ano, pensa: "O que eu fiz? Deu tudo errado... Mas porque será que deu tudo errado?". Vamos aprender, vamos avaliar, "será que eu não entrei numa 'roda viva'? Que eu não parei para pensar? Que eu fui muito com a cabeça dos outros? E minha individualidade, autonomia e independência?".
 

O que fazer para viver bem este ano?
A 1ª coisa
seria saber lidar com esta frustração, não ser tão imediatista, não acreditar em tudo, em fórmulas mágicas, consumir tudo. Não perder a individualidade, porque senão vem o vazio, é preciso repensar os valores.
A 2ª
é consequência desta, saber preservar a própria autonomia e independência da pessoa, pensar por conta própria, não cair em modismos,
E, também, assumir responsabilidade dos seus próprios actos, 3ª questão
. Não culpar o outro, reconhecer os erros, e não só se justificar procurando culpar os outros.
Uma outra coisa seria aprender a lidar com as diferenças individuais, olhar o outro, perceber o outro e ver que podemos aprender com as diferenças, o outro é diferente de mim, tem desejos diferentes, aspirações diferentes, pensa diferente, e que podemos aprender com isso.
Vive a vida de uma forma mais apaixonada, descobre coisas novas, isto vai estimular a tua própria auto-estima, a valorizar-te mais, apreciar-te mais, diferenciar-te do outro. Estas seriam metas para 2017, para melhorar mais a tua forma de viver.

 

 
Ano novo é pouco: precisamos de uma alma nova Imprimir e-mail

Um ano novo é muito pouco: precisamos de uma alma nova

 

Mudanças que realmente valem a pena

 

Toda virada de ano é repleta das mesmas coisas: sonhos, projetos, mudanças, enfim, uma busca por uma vida nova. Infelizmente, a maioria das pessoas se preocupa apenas com as coisas exteriores, com os bens que passam: trabalho, dinheiro, sucesso, descanso, viagens, festas, e tanto mais. Poucos são os que aproveitam essa atmosfera de mudança para repensar a vida interior e propor mudanças. Além disso, para a maior parte das pessoas, toda virada de ano é uma grande frustração: os dias passam e a vida continua igual, justamente porque quem precisa mudar somos nós, independente do ano.  É uma triste ilusão e algo bem comum (e imaturo), condicionar as nossas necessidades, projetos, sonhos a factores exteriores. Assim, se falharmos, a culpa não será nossa.

Mas, afinal de contas, os propósitos de ano novo são ruins? Absolutamente não. Se soubermos aproveitar essa atmosfera de mudança, quanto poderemos fazer! Devemos tomar cuidado com o que nos alerta São Josemaria: “Tu não deves trabalhar por entusiasmo, mas por Amor.” Qualquer propósito de ano novo será sempre em vão e levará à frustração se não tivermos uma vontade firme.

 “Se a cada ano extirpássemos um vício, bem depressa seríamos perfeitos.” (Imitação de Cristo)

Essa citação do livro Imitação de Cristo é tão chocante quanto verdadeira. E, mais do que isso, totalmente possível e alcançável! Grande parte das vezes não progredimos espiritualmente porque estamos perdidos em meio a tantos e tantos propósitos. Principalmente na vida familiar, com tempo tão curto, é difícil progredir em muitas coisas ao mesmo tempo. Mas não é impossível! O importante é não estacionar, pois na vida espiritual quem não progride, retrocede.

Então, que tal adotarmos essa proposta de extirpar um defeito ou vício por ano? É uma proposta real, eficaz e que está ao alcance de todos!

O defeito dominante

Após um bom exame de consciência, somos capazes de identificar qual defeito ou vício mais tem atrapalhado a nossa vida e incomodado as outras pessoas. É esse o vício que deve ser corrigido. ”Para combater com eficácia na vida interior devemos conhecer bem o que os autores espirituais chamaram o defeito dominante, o que em cada um tende a prevalecer sobre os outros e, como consequência, se torna presente na forma de opinar, de julgar, de querer e de agir. ” (Pe. Garrigou)

”O demónio é como um leão que ruge ao nosso redor, procurando nos devorar. Com muita inteligência, ele busca, precisamente, nos atacar em nosso ponto fraco. Assim, ele faz a ronda para examinar todas as nossas virtudes teologais, cardeais e morais, e é no ponto em que nos encontra mais fraco, é nesse ponto, que é o mais perigoso para a nossa salvação, que ele nos ataca e tenta nos abater. Como um bom chefe de guerra, ele sabe que uma vez tomado o ponto mais fraco de nossa alma, o menos virtuoso, ele vai se tornar o mestre de todo o resto de nossa alma. Esse ponto mais desprovido de virtude, o mais arruinado pelas nossas más inclinações é justamente o nosso defeito dominante, que é também a raiz, a causa de muitos outros pecados. Esse defeito dominante pode ser muito diverso segundo cada pessoa: o orgulho, a vaidade, a sensualidade, a impureza, a falta de modéstia, o respeito humano, o apego aos bens desse mundo, o apego às honras ou à glória desse mundo. Ele pode ser a preguiça, sobretudo a preguiça espiritual, a falta de espírito sobrenatural, a falta de esperança, a inconstância, o espírito mundano, a cólera, etc…

Para que sejamos vitoriosos nesse combate, é preciso, todavia, seguir o conselho da Igreja. A vitória sobre o nosso defeito dominante não ocorre sem os sofrimentos, sem as cruzes, sem as privações. É impossível vencê-lo sem a mortificação, sem a penitência. Do mesmo modo, sem a oração – sem muita oração – é igualmente impossível vencê-lo e até mesmo começar a batalha, pois é Deus que nos dá a força para combater e é Deus que nos dá, em última instância, a vitória. Sem Ele, mais uma vez, nada podemos fazer. Finalmente, é a caridade, a vontade de servir a Deus, infinitamente bom e amável, que deve nos animar e nos dispor ao combate.  Para não se enganar a respeito de seu próprio defeito dominante, é necessário pedir o auxílio de Deus, para que Ele mostre qual é esse defeito e convém pedir conselho a um padre bom que conheça sua alma.” (Pe. Daniel Pinheiro)

E, não só corrigir o vício/defeito, deve ser feito também a atitude contrária, que é o remédio para a correção. Por exemplo, uma pessoa acostumada a reclamar pode escolher corrigir esse defeito e se esforçar em dar graças a Deus por tudo o que acontecer.

 
Fim de ano Imprimir e-mail

 

Fim de ano

 

É um tempo favorável ao amor, à partilha, à revisão de vida...

 

Há um clima diferente no ar. As despedidas do ano que termina e as expectativas para o ano vindouro contagiam-nos. Pobre ou rico, adulto ou criança, todos acabamos por nos envolver nesta atmosfera de luz e festa. Parece que o amor e a paz, que emanam do presépio, atingem em cheio cada coração; até mesmo os mais fechados ou indiferentes à fé se tornam generosos. Por isso, é uma época própria para confraternizações, revisão de vida, sonhos e esperança. É um tempo favorável ao amor, à partilha do que temos e, mais ainda, do que somos. Momento oportuno também para dar e receber o perdão, condição essencial para quem deseja um coração livre e, consequentemente, uma vida nova no ano novo.
É ainda época propícia para agradecermos a Deus por todos os benefícios que Ele nos concedeu durante o ano que terminou; e apoiados nos sinais do Seu amor, é tempo de encontrarmos forças para acolhermos o ano novo cheios de esperança.

Agradecer é um gesto nobre e, cada vez mais, necessário em nossos dias. É de Deus que recebemos tudo o que temos, desde a vida ao alimento, a saúde, a força e a inteligência para trabalhar; o ar que respiramos, o nascer e o pôr-do-sol, a beleza da natureza. Enfim, “em tudo isto há a mão de Deus”. Por isso, louvor e gratidão a Ele, Autor de todo o bem!
Mas também é preciso agradecer às pessoas! Para sermos mais felizes, precisamos de reconhecer quem realmente somos e isto leva-nos a perceber que sozinhos dificilmente chegamos à realização, já que a nossa vida está entrelaçada com a vida de milhares de pessoas por este mundo afora.
Portanto, neste clima de celebração, dar um abraço e olhar nos olhos daqueles que dedicam a vida para o nosso bem-estar, talvez tenha muito mais sentido do que enviar um cartão ou até mesmo um valioso presente.
Um dia uma senhora desabafou: “Ganhei muitas coisas dos meus patrões neste fim de ano, cesta de Natal com vinho e bolo-rei e até me deram um perfume. Mas de que adianta? Trabalhei até tarde, todos os dias, e eles nem me disseram obrigado; nem sequer me desejaram Feliz Ano Novo. Isto para mim seria mais importante do que os presentes”.
E um ar de tristeza envolvia esta senhora. Por isso, fiquemos atentos aos nossos gestos. Na verdade, o ser humano tem sede de amor, de reconhecimento, de afeto, de olhos nos olhos e palavras de incentivo; e isto não se compra com dinheiro, mas dá-se, gratuitamente, e transmite-se nos pequenos acontecimentos do dia-a-dia.
Que bom saber que o ano novo nos dá uma nova chance de acertar! Reconhecer os nossos limites já é um bom começo de uma vida nova. Afinal, depois dos festejos, a vida desafia-nos a continuar viagem e as nossas escolhas serão determinantes. Quem deseja recomeçar com leveza e paz, por exemplo, deve ser mais humilde e deixar muito peso para trás de si mesmo, optando pela novidade de cada dia. O homem que não se renova, perde-se, infantiliza-se, sente-se pesado e cansa-se com pouca coisa.
É claro que o passado tem o seu valor, mas não nos podemos prender a ele. Se o que aconteceu foi bom, óptimo, lembremos com gratidão. Mas se não foi como desejávamos, devemos entregar as nossas dores e decepções a Deus e não tentarmos carregá-las como se fossem um fardo às nossas costas.
Lembremo-nos que a nossa vida não termina aqui. Nascemos para o alto e, neste mundo, tudo é passageiro. Portanto, entre um ano que termina e outro que começa, caminhar é preciso. Quando faltarem as forças, caminha devagar, mas não pares. Por onde fores, procura levar o essencial e mantém o teu olhar fixo na meta, lá no alto, mesmo que permaneças com os pés no chão.
Se achares necessário, pára 1 pouco e pensa sobre a tua vida. Não tenhas medo de reconhecer os erros e acertos; acima de tudo, luta para dar a vitória ao amor. Só é feliz quem ama.
Deixa o ano que termina levar tudo o que é dor, solidão, mágoa e ressentimento. Leva para o ano novo somente o que é bom, justo e nobre. Soluções, respostas, abraços, sorrisos, liberdade, justiça, amor, paz e esperança. Tem certeza: o mundo será melhor com a tua colaboração!
Se começares o ano com gratidão, confiança na misericórdia de Deus e cheio do Espírito Santo, com o coração livre de todo o apego às coisas vãs e disposto a amar mais do que ser amado, certamente o teu ano será sempre novo e a tua vida será mais feliz de Janeiro a Dezembro.

 
Bom Ano de 2016 Imprimir e-mail

Bom Ano de 2016

 

Que o Novo Ano traga para Ti e para quantos te são mais queridos, muitas felicidades e empenhamento no trabalho em favor do Reino de Deus. Há poucos dias celebrámos o nascimento de Jesus. Ele, sendo Deus, veio habitar no meio de nós. Que Ele seja para ti e para mim modelo de humildade, disponibilidade, alegria, paz, amor, entrega, partilha e serviço.

O Deus Menino é levado ao Templo pelos pais, para ser apresentado ao Senhor.

Simeão, homem "justo e piedoso, esperava a consolação de Israel e o Espírito Santo estava nele. Movido pelo Espírito, veio ao Templo" (cfr. Lc-2, 25-27) – Simeão pegou no Deus Menino e rezou um bonito cântico, que ainda hoje rezamos cada dia na Liturgia das Horas (completas).

"Agora Senhor, podes despedir em paz o teu servo, segundo a tua palavra; porque os meus olhos viram a tua salvação que preparaste em face de todos os povos, luz para iluminar as nações e glória do teu povo, Israel" (cfr. Lc. 2,29-33).

Simeão, homem grande, atento, disponível ao Espírito, tem a honra de perceber e de reconhecer a passagem de Deus na História da Humanidade. Ele é sensível à voz ao Espírito. Ele sai de casa, vai ao Templo e dá-se o grande encontro.

 

E nós? Quantas vezes nos acomodamos à vida "fácil", àquilo que não exige muito de nós, que nos deixa instalados? Arriscamos a que não haja encontro com este Menino que nos traz a salvação; arriscamos continuar com as nossas incertezas, com as nossas inseguranças porque não decidimos dar o salto na fé, avançar.

 

Mas, Jesus Menino contínua entre nós, possivelmente onde menos esperamos encontrá-lo. Não percas as oportunidades.

 

Vai ao Seu encontro, avança, Ele espera por ti! Aceita, neste Novo Ano de 2º16, que Jesus Cristo seja o teu Companheiro. Vale a pena!

 
Ano Novo e o valor do tempo Imprimir e-mail

 

Ano novo e o valor do tempo, o dom básico que Deus nos dá, sem o qual não há outros dons

 

“Enquanto temos tempo…” (Gl 6,10)

 

O tempo é o dom básico que Deus nos dá, sem o qual não há outros dons. Sim, é no tempo que nos é dado praticar o bem, trabalhar, lutar, e ter méritos diante de Deus. O tempo pode parecer sem sabor e sem valor para quem o vive no dia-a-dia, há mesmo quem procure “matar” o tempo em vazios passatempos.

E muito rica é a conceituação de tempo que a Escritura Sagrada nos oferece. Ela o apresenta a nós como uma caminhada de peregrinos que “deixam o relativo em busca da pátria definitiva’ (1Pd 1,7; Hb 11,13-16; 1Cor 5,8s). É uma semeadura, cuja colheita ocorrerá no além, de modo que “quem semeia pouco, colherá pouco, e quem semeia muito, colherá muito” (Gl 6,7s; 2Cor 9,6). Cada segundo do nosso tempo tem seu eco na vida definitiva, é no tempo que construímos nossa eternidade.

O tempo é breve e fugidio (2Cor 7,1), passa e não volta, de modo que é preciso aproveitar o HOJE de Deus: “enquanto ainda se diz HOJE” (Hb 3,13). “HOJE” se ouvirdes a sua voz…” (Hb 3,7). O homem não sabe quantos HOJE ainda terá, pois o desfecho terrestre é de data incerta (1Ts5,1). O tempo quantitativo exige ser também tempo qualitativo, exige qualidades correspondentes; o cristão deve crescer não somente em número de anos passageiros, mas também em méritos e valores definitivos.

O passado já não nos pertence, o futuro não está ao alcance das nossas mãos; apenas o Presente é nosso, está à nossa disposição.

O tempo é como uma antessala da vida plena, de tal modo que na terra aprontamos a nossa veste nupcial para a ceia da vida eterna (cf. Ap 21,2). É um preparar-se suado e trabalhoso, atribulado, pois nada de grande se faz sem fadiga. Mas, lembra-nos o Apóstolo: “as passageiras tribulações desta vida não têm proporção com o peso de glória que elas nos preparam para a pátria definitiva” (Ef. 5,16, Rm 8,11; 2Cor 4,17).

O tempo lembra-nos que estamos no exílio, que deve despertar no cristão o anseio da mansão definitiva, pois vivemos da fé, e não da visão face-a-face da Beleza Infinita (2Cor 5,6s). A paciência de Deus nos concede tempo para uma conversão sempre mais perfeita (Rm 2,4; 2Pd 3,9). Deus conhece a nossa fragilidade humana e diariamente nos renova a sua graça e misericórdia, a fim de que hoje possamos viver melhor ainda do que ontem.

Estas ideias voltam à mente dos cristãos especialmente no início de um Ano Novo. É o Apóstolo quem escreve: “Exortamo-vos a que não recebais a graça de Deus em vão…” (2 Cor 6,1s). Um Ano Novo é um tempo novo, na graça de Nosso Senhor Jesus Cristo, como dizia-se antigamente. O cristão deve saber aproveitar, cada vez mais conscientemente, o chamado de Deus, lembrando-se de que o Senhor não quer corações tristes e constrangidos.

Fim e começo de Ano lembram sempre a passagem do tempo. “Como voa!”, costuma-se dizer. Segundo Ap 10, 6, um anjo proclamará certa vez: “Já não haverá mais tempo!” – Estes dizeres poderão trazer alegria a quem, lutando sem cessar, preencheu santamente os seus dias. Mas poderá despertar com susto e dissabor quem for colhido de surpresa e despreparado.

Muitas vezes só apreciamos os valores que temos, depois que desaparecem, e tomamos consciência de haver lidado com grandes bens sem se dar plena conta disto. Assim também é o tempo; pode parecer insignificante, mas, uma vez perdido, aparece com todo o seu valor.

O começo de novo Ano sugere uma reflexão sobre estes fatos, a fim de que não se repitam. O tempo vale no plano da fé; sim, é o tempo resgatado pelo sangue de Cristo, “o tempo oportuno, os dias da salvação” (2Cor 6, 2). E por que tão importante? Porque nas 24 horas de cada dia já se iniciou o Reino de Deus. Consciente disto, dizia São Paulo: “O tempo se fez breve” (1Cor 8, 29). O tempo do cristão é enriquecido pela presença do Eterno dentro da fragilidade do mundo. Aliás, “passa a figura deste mundo” (1Cor 7,31).

Estas verdades se tornam ainda mais significativas no começo de novo Ano. Com efeito; ressoa então mais vivamente a advertência do Apóstolo: “A nossa salvação está agora mais próxima do que quando começamos a acreditar ou a viver a nossa fé” (Rm 13, 11). E continua o Apóstolo: “A noite vai adiantada, o dia se aproxima”; na verdade, para quem sofre de insônia, a noite é tanto mais penosa quanto mais adiantada: mas este sofrimento especial é garantia de término próximo.

Assim é a vida do cristão: passada na penumbra ou mesmo na noite da fé, quanto mais avançada em anos ela é, tanto mais penosa pode ser, mas também tanto mais penetrada pelos raios do dia que vai despontando e aos poucos dissipará as trevas.

Importa, pois, a todo discípulo de Cristo levar cada vez mais a sério a exortação do Senhor: “Vigiai, pois não sabeis nem o dia nem a hora” (Lc 12, 35-40). Qualquer momento pode ser o último e há de ser intensamente vivido na presença do Eterno.

Que o novo Ano signifique para todos os nossos leitores uma aproximação ainda mais consciente da luz do Dia sem ocaso!

 
Sugestões de propósitos para o ano novo Imprimir e-mail

 

 

 Sugestões de propósitos para o ano novo

 

A seguir, uma lista com sugestões de propósitos de correcção:

 

•Não reclamar, sendo assim, dando graças a Deus por tudo o que acontecer;

•Não fofocar, sendo assim, procurando guardar o que penso a respeito do próximo só para mim;

•Não fazer julgamento temerário, sendo assim, procurando pensar sempre o bem do próximo;

•Não perder tempo na internet, sendo assim, reservando apenas um horário por dia pra checar o que preciso;

•Não mentir nem para me desculpar, sendo assim, falando sempre a verdade;

•Não falar mal do esposo/esposa bem como não expor a vida familiar para os outros, sendo assim, guardando a intimidade de nosso lar;

•Não passar tanto tempo trabalhando ou em outras coisas, sendo assim, procurando passar mais tempo em família;

•Não sendo impaciente, sendo assim, procurando sofrer as contrariedades com serenidade e alegria;

•Não gastar demasiadamente, sendo assim, comprando somente o necessário;

•Deixar de assistir televisão, sendo assim, usando esse tempo para algo útil como leitura, oração ou tempo em família;

•Vencer o meu mau humor, sendo assim, procurando sorrir e não descontar nas pessoas;

•Não me irritar com os defeitos alheios, sendo assim, sofrendo os defeitos dos outros e rezando para que a graça de Deus venha e os ajude a mudar;

•Não sendo orgulhoso, sendo assim, pedindo perdão quando errar;

•Não ler, assistir ou falar coisas imorais, sendo assim, vivendo a pureza;

•Não usar moda imodesta e sensual, sendo assim, vestir-me decentemente;

•Não discutindo por coisas pequenas, sendo assim, relevando bobagens e focando nas coisas boas;

•Não perder tempo, sendo assim, cumprindo minhas obrigações de cada dia;

•Não impor minha opinião, sendo assim, aprendendo a ceder;

•Não tendo inveja, sendo assim, reconhecendo o bem nos outros;

•Não pecando contra a castidade matrimonial, sendo assim, vivendo o plano de Deus para a sexualidade do casal;

•Não provocando confusões, sendo assim, guardando a minha língua;

•Não procurar agradecimento em tudo, sendo assim, fazer as coisas sem esperar retribuição;

•Não ser preguiçoso, sendo assim, ser generoso e me colocando a disposição das pessoas;

•Não ser curioso, sendo assim, cuidando dos assuntos de minha própria vida de família;

•Não me importando com a opinião das pessoas, sendo assim, pensando em agradar somente a Deus.

 
Sugestões de propósitos espirituais Imprimir e-mail

Sugestões de propósitos espirituais

 

Além de corrigir um defeito/vício, também podemos inserir um bom propósito relacionado a vida de oração, como:

•Rezar o terço em família todos os dias;

•Rezar o Ofício da Imaculada Conceição aos sábados;

•Assistir mais de uma Missa por semana com a família;

•Ler o Evangelho do dia com a família;

•Falar para as pessoas sobre a salvação eterna;

•Meditar sobre a morte, o céu e o inferno;

•Não desanimar nas dificuldades;

•Rezar quando me sentir triste;

•Estar sempre fazendo algo para o bem da minha alma e dos que amo;

•Rezar quando tiver uma tentação;

•Oferecer sacrifícios pelas almas do purgatório;

•Rezando a Nossa Senhora nas tentações;

•Oferecer sacrifícios pela pureza e inocência das crianças e jovens;

•Consagrar-me a Nossa Senhora;

•Ensinar algo da fé para alguém;

•Assistir Missa todos os domingos

•Rezar o Ângelus antes das refeições;

•Rezar a oração das refeições;

•Ensinar os filhos a rezar;

•Abençoar os filhos antes de dormir;

•Fazer leitura espiritual (tratados de espiritualidade, vida dos santos,…);

•Fazer leitura formativa (estudar sobre algum tema referente a nossa fé);

•Fazer alguns minutos de meditação por dia (do Santo Evangelho ou usando algum livro);

•Confessar-se uma vez por mês;

•Participar da vida paroquial;

•Rezar pelas vocações;

•Visitar asilos, orfanatos, hospitais;

•Ajudar financeiramente algum instituto religioso;

•Rezar diariamente pelos filhos e esposo (a);

•Buscar uma vida interior na presença de Deus

 

A vida passa extraordinariamente depressa e precisamos urgentemente daquela ”determinada determinação” de que Santa Teresa tanto nos fala. Se tivermos sempre em mente que ”O Reino dos céus é arrebatado à força e são os violentos que o conquistam”, não teremos dificuldade de combater o bom combate e esforçar-nos, até o sangue, para alcançar a santidade. E, principalmente, se ainda não é pelo amor que buscamos agradar ao bom Deus, ao menos que meditemos todos os dias o momento do nosso julgamento, onde estaremos diante do Justo Juiz. Certamente o temor nos dará bons empurrões!

 
2016 será o ano da vitória de Deus para nós Imprimir e-mail

2016 será o ano da vitória de Deus para nós!

 

O ser humano é capaz de mudar

 

"Ano novo, vida nova!", "Próspero Ano Novo!", "Que tudo de bom aconteça!", "Muita paz, saúde e dinheiro no bolso!", entre outras, são frases que sempre ouvimos nesta época do ano. O que está por trás destes dizeres?... São expressões do desejo do ser humano de ser feliz; expressões da capacidade humana de sonhar com um mundo melhor. Expressões da esperança que, graças a Deus, teima em não morrer nos nossos corações. Porém, este desejo, estes sonhos, esta esperança, – para muita gente –, acabam por se tornar, cada ano, apenas ilusões e fantasias que não se concretizam.


Como fazer para que o ano novo seja melhor para as nossas vidas?
O ser humano é capaz de mudar. Mas só isto não é suficiente. Ele só é feliz se melhorar. Mudar é importante, mais que isso: melhorar é essencial para a realização humana. Tudo bem.


Então, como podes melhorar? Como posso fazê-lo? Eu creio (e tenho experimentado isso, assim como milhares de pessoas) que só melhoramos se formos impulsionados por algo além dos limites da nossa querida, mas frágil, humanidade. Sempre que deixamos a graça de Deus agir na nossa vida.

 
Feliz homem novo! Imprimir e-mail
Espiritualidade verdadeira do Reveillon

Mais um ano se finda na excitação das grandes festas de Reveillon, nas quais nos preparamos para celebrar a chegada de mais 365 novos dias. Pessoas de todo o mundo, lembrando das dificuldades vividas durante todo o último, enchem-se de esperança para enfrentar um novo exército com 365 bravos guerreiros que não hesitarão em nos testar até à exaustão de cada dia.
Certamente, celebramos o 1º dia do novo calendário na expectativa de um ano de paz e confraternização mundial. Queremos que os próximos dias sigam pelas veredas da paz e harmonia, entretanto, muitas pessoas ainda envolvidas por velhos hábitos não se irão importar em pular sete ondas, comer 24 passas, ou em se vestir de branco acreditando que estas e muitas outras receitas populares poderão "atrair" boa sorte, afastar o mau-olhado ou trazer a felicidade acompanhada de muito dinheiro e saúde.
Como seria bom se ao puxar a última folha do velho calendário fossem para o cesto de lixo todas as nossas maldades, problemas e tristezas vividas. Como seria bom se ao pular as ondas do mar, além de relembrarmos a nossa infância na alegria do nosso primeiro passeio na praia, tivéssemos a certeza de estar a saltar também todas os nossos problemas e tristezas, ou ainda, vestindo-se de branco, todas as nossas forças fossem revitalizadas... Contudo, nada disso acontecerá, se ao iniciar o Novo Ano não nascer no nosso coração o desejo de submetermos a Deus as rédeas da nossa vida. Entregando-Lhe o nosso desejo e empenho de ser diferente, de responder aos Seus desígnios conforme a Sua vontade.
Toda a humanidade anseia por um mundo em que todas as nossas diferenças pessoais pudessem ser eliminadas, e que antes de conviver lobos e cordeiros, pudéssemos experimentar a convivência como irmãos. Entretanto, para a realização desta verdade é necessário primeiro nascer o Novo Homem e esta receita já nos foi apresentada por Jesus em diálogo com Nicodemos – um fariseu e doutor membro do Conselho Supremo.
"Em verdade, em verdade te digo: quem não nascer de novo não poderá ver o Reino de Deus." (Cf. João 3,1-21)
Mesmo que ainda tenhamos a vergonha ingénua de entregar a Deus a nossa vida, aproveitemos para actualizar o mesmo encontro de Nicodemos com Jesus, na vigília em que todos esperam para o Novo Ano.
Aquele que deixa resplandecer sobre si a luz da face d´Aquele que tem o mundo nas suas mãos, conhecerá o Seu caminho e todas as nações a Sua Salvação. (cf. Salmo 66,2)
Que a contagem regressiva dos 10 segundos marque o nosso lançamento nos braços do Deus que é um Pai apaixonado, procurando viver no Réveillon uma espiritualidade verdadeira que, de facto, nos faças novas pessoas.
Feliz Ano 2011!
  Image
 
A graça de recomeçar tudo de novo Imprimir e-mail

A graça de recomeçar tudo de novo

 

Hoje é o primeiro dia do resto da minha vida, portanto, é dia de começar tudo de novo.

 

É mais um dia que Deus me concede para viver bem todas as coisas!

 

Vou vivê-lo na certeza de que o Senhor vem e eu vou ter um encontro pessoal com Ele. Que a sua vinda gloriosa me possa encontrar bem preparado para este encontro.


Em cada novo dia estou mais perto do encontro pessoal com o Senhor, por isso, preciso de estar mais preparado.


Hoje o Senhor concede-me a graça de recomeçar tudo de novo, de procurar fazer todas as coisas como se fosse a última vez, de maneira que preciso de fazer tudo muito bem!

 
Reveillón durante o ano! Imprimir e-mail

Como fazer para que o ano novo seja melhor para as nossas vidas?

"Ano novo, vida nova!", "Próspero Ano Novo!", "Que tudo de bom aconteça!", "Muita paz, saúde, e dinheiro no bolso!", entre outras. São frases que sempre se ouvem nesta época do ano. O que está por trás destes dizeres? Eles são expressões do desejo do ser humano de ser feliz; expressões da capacidade humana de sonhar com um mundo melhor; expressões da esperança que, graças a Deus, teima em não morrer nos nossos corações. Porém, este desejo, estes sonhos, esta esperança, – para muita gente –, acabam por se tornar, cada ano, apenas ilusões e fantasias que não se concretizam.

Como fazer para que o ano novo seja melhor para as nossas vidas?

O ser humano é capaz de mudar. Mas, só isso não é suficiente. Ele só é feliz se melhorar. Mudar é importante, mas, melhorar é essencial para a realização humana. Tudo bem.
Então, como tu podes melhorar? Como eu posso fazê-lo? Eu creio que só melhoramos se formos impulsionados por algo além dos limites da nossa frágil humanidade.

RÉVEILLON vem do verbo francês "reveiller", que quer dizer: "Despertar". Mais do que nunca, eu creio e propago: "Queres viver um ano de 2011 excelente e abençoado?" Vive um Réveillon verdadeiro. O ano inteiro. O Réveillon para Deus! O Despertar para Deus! Que a graça infinita do Senhor, e que o Espírito Santo te desperte e me desperte para Ele. Acordemos, despertemos! Reconheçamos em que temos deixado a desejar diante do Senhor. Reconheçamos os nossos pecados.
Rezemos com uma forte decisão de mudança:
"Acorda-me, Senhor, para Ti! Desperta a minha alma de toda a sonolência. Inflama o meu relacionamento contigo, Jesus! Inflama a minha fé nas Tuas promessas! Inflama o meu fervor para ser Igreja! Inflama o meu desejo de evangelizar!"
Se por um lado, precisamos de louvar a Deus por todas as maravilhas que Ele já fez em 2010; por outro, o plano d’Ele só se cumprirá nas nossas vidas em 2011, se tivermos o desejo ardente de experimentar um novo "despertar espiritual", um reinflamar da unção do Espírito Santo em nós.
Proclamamos pela fé: 2011 será o ano da vitória de Deus em nós!

 

REZEMOS A DEUS:

Senhor, Deus, dono do tempo e da eternidade, teu é o hoje e o amanhã, o passado e o futuro.

Ao acabar mais um ano, quero dizer-Te obrigado por tudo o que recebi de Ti. Obrigado pela vida e pelo amor, pelas flores, pelo ar e pelo sol, pela alegria e pela dor, pelo que foi possível e pelo que não foi.

Ofereço-Te tudo o que fiz neste ano, o trabalho que pude realizar, as obras que passaram pelas minhas mãos e o que com elas pude construir.

Apresento-Te as pessoas que ao longo destes meses amei, as amizades novas e os antigos amores, os que estão perto de mim e os que pude ajudar, aquelas com quem partilhei a vida, o trabalho, a dor e a alegria.

Mas também, Senhor, hoje quero pedir-Te perdão. Perdão pelo tempo perdido, pelo dinheiro mal gasto, pela palavra inútil e o amor desperdilçado.

Perdão pelas obras vazias e pelo trabalho mal feito, perdão por viver sem entusiasmo.

Também pela oração que aos poucos fui deixando e que agora venho apresentar-Te, por todos os meus esquecimentos, descuidos e silêncios, novamente Te peço perdão.

Começámos um ano novo. Passo a minha vida diante do novo calendário que aparesenta estes dias que somente Tu sabes se chegarei a vivê-los.

Hoje, peço-Te por mim, para os meus parentes e amigos, a paz e a alegria, a fortaleza e a prudência, a lucidez e a sabedoria.

Quero viver cada dia com optimismo e bondade, levando a toda a parte um coração cheio de compaixão e paz.

Fecha os meus ouvidos a toda a falsidade e os meus lábios a palavras mentirosas, egoístas ou que magoem.

Abre, sim, o meu ser a tudo o que é bom.

Que o meu espírito seja repleto somente de bênçãos para que as derrame por onde passar.

Senhor, enche os meus amigos de Sabedoria, Paz e Amor.

E que a nossa amizade viva sempre nos nossos corações.

Enche-me também de bondade e alegria para que todas as pessoas que eu encontrar no meu caminho possam descobrir em mim um pouco de Ti.

Dá-nos um ano feliz e ensina-nos a repartir o que Tu nos dás.

Amém


 

 

 
Receita de Ano Novo Imprimir e-mail

RECEITA DE ANO NOVO

Para teres um belíssimo ano Novo, cor de arco-íris ou da cor da sua paz,
Ano novo sem comparação com todo o tempo já vivido (mal vivido talvez ou sem sentido),
para ganhares um ano não apenas pintado de novo, remendado às carreiras,
mas novo nas sementinhas do vir-a-ser, novo até no coração das coisas menos percebidas (a começar pelo seu interior),
novo espontâneo, que de tão perfeito nem se nota, mas com ele se come, se passeia, se ama, se compreende, se trabalha,
não precisas de expedir nem receber mensagens.

Não precisas de fazer listas de boas intenções...  para arquivá-las na gaveta.
Não precisas de chorar de arrependido pelas asneiras consumadas
nem acreditar que por decreto da esperança,
a partir de Janeiro as coisas mudem e seja tudo claridade,
recompensa, justiça entre os homens e as nações,
liberdade com cheiro e gosto de pão matinal,
direitos respeitados, começando pelo direito augusto de viver.

Para teres um ano novo que mereça este nome,
meu caro, tens de merecê-lo, tem de fazê-lo novo.
Não é fácil, mas tenta, experimenta, voluntariamente.
É dentro de TI que o Ano Novo habita e espera desde sempre.

 
Fechar para balanço Imprimir e-mail

Fechar para “balanço”

Estes são os últimos dias do ano. Passou tão rápido este ano. Tantas coisas eu vivi num ano só: mudanças, perdas, soluções, sofrimentos e muitas alegrias. Por isso, preciso de parar para fazer um “balanço” da minha vida em geral, para entrar no ano novo com cara nova, com novas expectativas e metas e é claro, sem carregar fardos do ano velho para o ano novo. Então, como fazem as grandes lojas e o comércio em geral, vou fechar para balanço. Vou fazer uma revisão de vida, repensar as coisas, ver como tenho agido e vivido a minha vida. Estes passos ajudarão a fazer o “balanço” da melhor maneira possível. Que eu possa aproveitar para rever todas as áreas da minha vida, espiritual, física, familiar e trabalho, tempo…

1°- Leitura bíblica: Lucas 19,1-10. Jesus entrou em Jericó e ia atravessando a cidade. Havia aí um homem muito rico, chamado Zaqueu, chefe dos recebedores de impostos. Ele procurava ver quem era Jesus, mas não o conseguia por causa da multidão, e porque era de baixa estatura. Ele correu adiante, subiu a um sicómoro para o ver, quando ele passasse por ali. Chegando Jesus àquele lugar e levantando os olhos, viu-o e disse-lhe: Zaqueu, desce depressa, porque é preciso que eu fique hoje em tua casa. Ele desceu a toda a pressa e recebeu-o alegremente. Vendo isto, todos murmuravam e diziam: Ele vai hospedar-se em casa de um pecador… Zaqueu, entretanto, de pé diante do Senhor, disse-lhe: “Senhor, vou dar metade dos meus bens aos pobres e, se tiver defraudado alguém, restituirei quatro vezes mais”. Disse-lhe Jesus: “Hoje entrou a salvação nesta casa”. Pois o Filho do Homem veio procurar e salvar o que estava perdido.

2°- A Vontade de Deus era encontrar-se com Zaqueu, por isso, Jesus entrou em Jericó. É Vontade de Deus encontrar-se contigo! Arranja um tempo para este encontro e dá prioridade como darias a um compromisso de trabalho.

3º- Zaqueu desejava conhecer e ver Jesus, o seu esforço de correr e subir a uma árvore, vencendo as suas limitações provou o seu desejo de mudança, de CONVERSÃO!

4°- Acolher Jesus em sua casa, com o coração aberto como estava, levou-o à conversão e a fazer uma revisão de vida: faz uma revisão das tuas metas e compromissos vividos ou não, neste ano que está a chegar ao fim, sê sincero e reconhece as tuas vitórias e fracassos;

5°- Zaqueu reconheceu o que nele estava errado e corrigiu o seu erro. É preciso reconhecer os erros e pecados e corrigi-los, para obter VIDA NOVA: refaz as tuas metas, isto é muito importante. Começa com as mais simples, aquelas que dependem só de ti, depois faz os compromissos e as metas mais difíceis, que precisarás de muita disciplina e ajuda para o conseguires.

O acto do Mestre sensibilizou Zaqueu e Jesus não precisou de lhe dizer nada, bastou a Sua presença, o Seu amor e a salvação entraram naquela vida. O que tu precisas de fazer, é receber Jesus em tua casa e deixar que Ele faça em ti, que o Espírito Santo revele ao teu coração o que precisas de mudar, refazer, corrigir. Não carregues entulhos para o ano que vem, perdoa e pede perdão, resolve, corre atrás, tem coragem de deitar fora, de dar, de te desfazeres. Depois disto faz uma boa confissão e a vida Nova irá encher o teu coração.

“Em Cristo somos mais que vencedores”!!!
Canta os louvores do Senhor com a tua vida. Deus abençoe o teu “balanço”.

Feliz e abençoado 2011!

 
Ano Novo, tempo de rever a vida Imprimir e-mail

Ano Novo, tempo de rever a vida! 

"A disciplina faz santos, sem disciplina não há santidade”. Para que esta disciplina aconteça é necessário que haja organização e para isso é importante uma revisão da vida. É preciso organizar a vida em todos os sentidos: com Deus, com o trabalho, com a alma e com a casa.

Porquê fazer uma revisão de vida? Na vida não deve haver lixo, pesos mortos, não se pode terminar o dia sem a reconciliação com Deus, connosco mesmos e com os irmãos. Não se pode carregar lixo de uma semana para a outra. Deus dá a todos a graça de rever aquilo que, na caminhada, não foi bom para aprender e seguir em frente.
 

A revisão de vida leva a uma maior intimidade com o Senhor, acalma o interior agitado, faz perceber a acção da providência Divina e constitui orientação para o apostolado. É a reflexão cristã realizada para adquirir a visão quotidiana em sintonia com o olhar com que o Pai contempla o mundo, tendo em vista a realização do seu projecto de salvação. É um olhar de fé viva que reafirma o valor da vida aos olhos de Deus.

Já paraste para analisar como foi a tua vida ao longo deste ano? Este é o melhor momento de fazer isso; 2010 está a chegar ao fim.
Aproveita e faz planos para 2011. Planos sérios, mas corajosos. Invoca antes o Espírito santo.

Bom Ano 2011!

Dizia o Santo Padre Pio: "Pela graça divina estamos na aurora de um novo ano. Este ano que somente Deus sabe se veremos o fim, deve ser todo empregue em reparar o passado, em fazer bons propósitos para o futuro. A par e passo com os bons propósitos devem estar as boas obras!" (Padre Pio de Pietrelcina)

E ainda: "Comecemos hoje, irmãos, a fazer o bem, porque até agora nada temos feito. Neste início de ano, façamos nossas estas palavras do seráfico São Francisco, que na sua humildade as aplicava a si mesmo." (Padre Pio de Pietrelcina)

SALMO 55

Confio em Deus, nada temo,
Ele está sempre comigo…
Em todas as situações,
Meu Confidente e Amigo.

Confio em Deus, nada temo,
Nem que tudo grite: “Não”.
Deus é fiel, nunca falha,
Dele espero a salvação.

Confio em Deus, nada temo,
Nem na vida nem na morte:
Mesmo que tudo me falte,
Está comigo o Deus Forte!

 
Hoje é dia 31 de Dezembro Imprimir e-mail

Hoje é 31 de Dezembro,

hoje é o final de mais um ano que Deus nos deu.
Tantos nossos familiares e conhecidos começaram este ano mas já não estão aqui connosco, já partiram para a casa do Pai do Céu. Já foram dar contas muito rigorosas. E nós ainda cá estamos.
Como foi para nós este ano? Vivemos este ano na amizade de Deus? Fomos sempre verdadeiros cristãos? Se tivéssemos morrido neste ano, para onde iríamos, para o céu ou para o inferno?
Poderemos dizer com verdade como S. Paulo: combati o bom combate, acabei a minha carreira, guardei a fé? Estamos no fim do ano: façamos passar pelo espírito todo o bem e todo o mal que fizemos ao longo do ano e vejamos se as boas acções são mais do que as más. Quantos dias se passaram sem nada termos feito por Deus?
No entanto, este ano só nos foi dado por Deus, para O servirmos, fazer penitência pelos pecados e merecer o céu, praticando boas obras. Onde estão agora os prazeres e as honras de que gozámos durante este ano? Tudo se foi, só resta a triste lembrança de ter ofendido a Deus por bens passageiros! Não é verdade que sentimos uma grande alegria pelo bem que fizemos, tendo em vista agradar a Deus?
A vida há de passar, como este ano passou; os prazeres hão de passar, como os trabalhos, e a única consolação que nos há de ficar, é a de ter servido o Senhor. Outro ano começa. É o que nós chamamos o ano novo. Olhai, Deus é sempre novo. Um cristão deve ser sempre novo com Cristo novo, com Cristo jovem. Nós com Jesus seremos sempre homens novos.

Perguntava S. Francisco de Sales:
"Quando é que diante do Senhor seremos mirra de santa mortificação, oiro de autêntico amor, incenso de férvida oração?

Só assim haverá Ano Novo, Divinizar o Ano, fazê-lo Novo, agir dum modo concreto para que Ano Novo seja Vida Nova.
... vivendo num mundo novo uma vida nova, uma vida de amizade, de fraternidade e de paz.

 
Feliz Ano Novo! Imprimir e-mail

Feliz Ano Novo!

Deus quer nos dar um tempo novo, tempo de graça, tempo de restauração e reconciliação. Reconciliação connosco próprios, com os irmãos, com a nossa família, sobretudo, com Deus.

O caminho para a nossa cura acontece quando aprendemos a rezar uns pelos outros e a pedir e conceder o perdão. A Palavra de Deus é clara a este respeito: ''Confessai, pois, vossos pecados uns aos outros e rezai uns pelos outros, a fim de serdes curados'' (São Tiago 5,16a)

Neste início de ano, procura fazer um bom exame de consciência; limpa o teu coração diante de Deus e daqueles que vivem contigo. Se for preciso, pede-lhes perdão e não deixes de te confessar com um sacerdote para que te possas abrir à grande graça que o Senhor tem para ti neste novo tempo.

Que o Senhor possa passar pelas nossas vidas hoje - neste Novo Ano que agora começa - e colher o nosso sorriso, a nossa disposição em mudar. Ele fez-nos para a felicidade. Traçou um plano de amor para nós.

É direito d'Ele colher em nós os frutos. Jesus um dia virá buscar os frutos e é preciso que Ele os encontre! E todos nós somos responsáveis por isso.

Feliz 2011! Que Deus tenha compaixão de nós e nos dê a Sua bênção!

 
Feliz Ano Novo! Imprimir e-mail

Feliz Ano Novo!

 

Deus quer nos dar um tempo novo, tempo de graça, tempo de restauração e reconciliação. Reconciliação com nós mesmos, com os irmãos, com a nossa família, sobretudo, com Deus.

 

Neste fim e princípio de ano, procure cada um de nós fazer um bom exame de consciência; limpe o seu coração diante de Deus e daqueles que connosco convivem.

 

Que o Senhor possa passar pelas nossas vidas hoje - neste novo ano que agora começa e colher o nosso sorriso, a nossa disposição em mudar. Ele fez-nos para a felicidade. Traçou um plano de amor para nós. É direito d'Ele colher em nós estes frutos. Jesus virá buscar estes frutos mais cedo do que esperamos e é preciso que Ele os encontre!

 

E todos nós somos responsáveis por isso.

 
Ano Novo, vida nova em Cristo Imprimir e-mail

Ano Novo, vida nova em Cristo Jesus

 

Sejamos luz para o mundo. Somos como a lua, que não tem luz própria, mas reflete a luz do sol sobre a terra. Nós somos escuridão, mas quando a luz de Cristo vem sobre nós, podemos refletir a luz de Cristo para as pessoas.
Deus fez-nos inteligentes, livres. Mas porque nos fez tão frágeis, um vaso de barro? São Paulo responde, para que saibamos que não é mérito nosso, é graça de Deus. Um vaso de barro precisa de ser manuseado com muito cuidado, porque senão quebra. É por isso que muitos filhos de Deus se perdem, não foram tratados com cuidado.
Jesus disse aos discípulos: “Vigiai e orai, porque o espírito é forte, mas a carne é fraca”. Nós fazemos um monte de propósitos, mas por vezes não conseguimos porque a carne é fraca, por isso Jesus nos manda orar. E com a oração temos força para vencer o pecado, para ter uma vida nova em Cristo.
Não adianta quereres ter uma vida nova, se não fizeres estas duas coisas: Vigiar e orar.
O inimigo de Deus domina-nos pelo pecado. São Paulo diz: “o salário do pecado é a morte”. Se não fosse o pecado não haveria a morte. Cristo veio tirar o pecado do mundo. João Batista disse: “Eis o cordeiro de Deus que tira o pecado do mundo”. Não disse que Ele veio curar. Jesus veio para tirar a causa dos sofrimentos, o pecado do mundo.
A Igreja, que é o corpo do Cristo, existe para tirar o pecado do mundo. Ela continuar a fazer o que Cristo fez, tirar o pecado do mundo.
Não importa se vamos viver um ano com tribulações, porque Deus está connosco. O Cristão sabe que Deus está com Ele a todo instante.
A revolução que a Igreja fez no mundo, foi a revolução da Cruz. O cristão tem os pés no mundo, mas caminha com o coração no céu. Quando os primeiros cristãos compreenderam que a felicidade não está neste mundo, ninguém mais os segurou. Ficamos com vergonha da nossa fé, diante da fé deles, eles eram entregues à boca dos leões, mas não negavam a sua fé em Jesus Cristo. Perpétua e Felicidade, foram presas e condenadas por serem cristãs, mas não negaram Jesus Cristo. Só a fé na eternidade pode proporcionar esta coragem. Milhares de pessoas morreram, para não negarem a fé em Cristo.
Se nós não fôssemos tão frágeis, não iriamos querer saber do céu. Deus tem algo tão bom para nós que São Paulo não pode descrever,
“Nem os olhos viram, nem os ouvidos ouviram, nem jamais penetrou em coração humano o que Deus tem preparado para aqueles que o amam.” (I Coríntios 2,9). Era esta esperança que impulsionava os mártires a deixar tudo nesta vida para conseguir o céu. A nossa pátria não é nesta Terra, a nossa pátria é no Céu. Somos cidadãos do céu.
Se queremos viver um ano novo, uma vida nova, vamos viver em Jesus Cristo.
“Não tenham medo, porque Cristo Ressuscitado caminha connosco” - São João Paulo II

 
Começar bem o ano 2011 Imprimir e-mail

Como começar bem o ano de 2011

Pular sete ondas, comer passas, uvas, nozes... São muitas as superstições, mas neste dia que é o marco do início de um novo ano, certo mesmo é não se apegar a coisas externas, mas sim naquilo que é essencial:  Deus, que dá sentido à vida.

Ao findarmos mais um ano e ao celebramos o nascimento de um novo ano, é preciso que nos coloquemos numa atitude de oração e de comprometimento de fazer em tudo, no ano que está a chegar, a vontade do Pai.


No dia 1º de Janeiro, a Igreja comemora a solenidade de Maria Santíssima Mãe de Deus, vendo que Nossa Senhora ao cumprir a vontade do Pai, fez-se toda de Deus, e assim, permitiu que Ele encontrasse nela habitação para vir ao encontro da humanidade, por meio do seu filho Jesus. Este é o grande marco do ano que se inicia.

Perdoar para recomeçar

O início de um novo ano é um momento, para muitos, de reflexão e recomeço; momento mais que oportuno de perdoar os outros e a si mesmo. O perdão é um exercício que aprendemos diariamente, e se somos pessoas de Deus, nós conseguimos transpor muralhas que nos impedem de chegar ao outro, fazendo a experiência do perdão, do amor misericordioso do Pai.

Os dias não vão mudar, o que muda somos nós. A vida dá-nos a possibilidade de ter uma nova experiência com o mundo inteiro. Isto tem um valor muito importante psicologicamente.

Mais família

Em vez do apego a superstições, façamos o resgate da reunião familiar. Não apenas para comer e beber, mas para partilhar a vida, os sentimentos e a alegria de fazer parte da família de Deus, e ter nessa terra uma família que é nossa primeira comunidade.

Rever o comportamento, o tratamento dado, em especial, aos familiares é uma atitude fundamental para começar bem o ano. Existem pessoas que eu preciso perdoar, na minha família, nas minhas relações de amizade ou profissionais? É preciso propor-se a mudar. Estar em paz com as pessoas é muito importante. 

Sem dívidas

Buscar negociações, quitar dívidas, rever as finanças são também atitudes importantes para começar bem um novo ano. O aspecto financeiro é muito importante, particularmente para a vida de um casal.

Mais saúde
 
É hora de fazer um check-up na saúde para saber como está o coração, a visão, a audição... E também é um bom momento para rever os hábitos alimentares para ter mais saúde e disposição.

Novas metas

Com os pés no chão e os olhos no Céu, é preciso ter consciência dos compromissos sociais, como pais, filhos, profissionais ou estudantes, pois renovar as esperanças é também planear. O que a vida pede de mim em 2011? é a pergunta fundamental,

Os crescimentos intelectuais, espirituais e afectivos fazem parte do projecto de amadurecimento pessoal, bem como a busca por aperfeiçoamento através de cursos e uma boa formação, fazem parte do crescimento profissional.

Cada vida é única e especial, cada um tem um papel essencial na construção de um mundo de paz e fraternidade. A vida tem sentido à medida que a vemos como missão. Depende de mim, mudar o mundo. Perguntar-se qual o sentido da sua vida para as pessoas que o cercam, são reflexões para este novo ano.

 
Ano Novo, vida nova Imprimir e-mail

Ano Novo, vida nova.

 

Tempo de avaliar o que passou, para repetir os acertos e corrigir as falhas, para perdoar e esquecer as mágoas.
É hora de recomeçar.
Tantas coisas aconteceram e, no meio da pressa, parece que nunca temos tempo para realizar os nossos sonhos e projetos.
Mais um ano se passou.
Foi tudo tão rápido.
Olhas para trás e vês sucessos e decepções, tristezas e alegrias, fantasias e realidades.
O peso do ano velho ainda está sobre os teus ombros, na tua vida, no teu coração.
É tempo de parar.
Decreta alguns dias de paz.
Dá férias ao coração.
Aceita meia hora de silêncio.
Contempla uma flor.
Deixa que a tua voz interior grite.
O nosso complexo de omnipotência cria a ilusão de que podemos funcionar sempre, sem descanso.
O resultado é trágico: stresse, o mal do século.
Pára um minuto.
Reza.
Olha para o Universo e vê o que existe de bom.
Exercita-te na arte de ser feliz.
Confraterniza com todas as pessoas que encontrares.

 
Examinar a consciência no fim do ano Imprimir e-mail

Como examinar a consciência

 Precisamos de viver a nossa vida para Deus, por isso a necessidade de examinarmos bem – com verdade e humildade - a nossa consciênciaVoltemo-nos para Jesus para experimentarmos o poder da Sua Palavra. Tu acreditas que Jesus está presente na Palavra?Meditemos no Evangelho de São Lucas 18, 9-14: “Para alguns que confiavam na sua própria justiça e desprezavam os outros, Jesus contou esta parábola: “Dois homens subiram ao templo para orar. Um era fariseu, o outro publicano. O fariseu, de pé, orava assim no seu íntimo: ‘Deus, eu te agradeço porque não sou como os outros, ladrões, desonestos, adúlteros, nem como este publicano. Jejuo duas vezes por semana e pago o dízimo de toda a minha renda’. O publicano, porém, ficou a distância e nem se atrevia a levantar os olhos para o céu; mas batia no peito, dizendo: ‘Meu Deus, tem compaixão de mim, que sou pecador!’ Eu vos digo: este último voltou para casa justificado, mas o outro não. Pois quem se exalta será humilhado, e quem se humilha será exaltado”.O Evangelho ajuda-nos contando a história de dois homens. O evangelista São Lucas conta esta parábola, mas sabemos que as histórias de Jesus não eram invenções.As histórias de Jesus contam a verdade!Estes dois homens vão a Jesus para dizer o que estavam a viver. O fariseu diz: “Deus, eu te agradeço, porque não sou como os outros. Eu jejuo duas vezes por semana e pago o dízimo”. Ele gaba-se das suas atitudes, diz a todos o que faz. O publicano dizia a Jesus da sua miséria, batia no peito pedindo misericórdia.A nossa justificação não deve ser diante dos outros, mas diante de Deus. Precisamos de viver a nossa vida para Ele, por isso a necessidade de examinarmos a nossa consciência.Sejamos transparentes!Chegar a mais um novo ano, é a oportunidade de fazermos um bom exame de consciência, pois precisamos de fazer o melhor para Deus. A nossa vida precisa de ser colocada diante da transparência do Senhor!Imaginemos se entrássemos numa máquina de transparência e pudéssemos mostrar o que verdadeiramente somos. O que será que a máquina mostraria sobre nós?Quando estamos diante de Deus, a nossa consciência precisa de acusar o que não Lhe pertence em nós. Não é apontar o dedo e dizer: “Fizeste isto e aquilo!”, não é para mostrar aos outros o que estamos a fazer de bom ou de ruim.Terminando esta parábola, Jesus diz que foi o publicano quem voltou justificado para casa.É diante de um sacerdote que precisamos de levar a nossa vida e as atitudes contrárias ao Evangelho. Há uma lei natural que nos acusa quando cometemos algo errado. É só pararmos uns minutinhos e pensarmos nas coisas erradas, que elas vêm. A nossa consciência acusa-nos pelas coisas erradas, mas também nos aplaude quando fazemos coisas certas.Quando tu cometes um pecado, quando perdes a paciência em casa e brigas com o esposo, em seguida vem um arrependimento pelas coisas ditas! É Deus quem está na tua consciência, dizendo que erraste.Sabes qual é o mal que estamos a viver? A perda do sentido de pecado. Há muitas pessoas que já perderam este sentido, pois passaram anos e anos sem se confessar.Estamos a perder o sentido de pecado, estamos a deturpar a nossa consciência. Cada vez que falas mal, que trocas a Santa Missa por um cansaço, estás a deturpar a tua consciência. O mal do século é a perda do sentido de pecado, que acarreta na perda do sentido de Deus.Quando começamos a perder o sentido do que é o pecado, estamos a perder o nosso relacionamento com Deus. Toma cuidado para não perderes o sentido de quem verdadeiramente é Deus.A misericórdia evita que o homem peque, e precisamos deixar que Deus nos mostre onde estamos a cometer erros.Os grandes pecados que trazemos em nós não começaram grandes; começaram bem pequenos. Precisamos de ter a coragem de entregar todos os nossos pecados a Deus. É preciso cortar o mal pela raiz, e é para isso que Deus existe!Temos, no coração, uma lei escrita pelo próprio Deus. Não podemos deixar que ela perca o sentido. É um desastre quando perdemos o sentido das leis.Muitos por aí estão com a vida alterada, porque não estão a viver o que Deus lhes pediu.Precisamos de olhar para trás e perceber o que foi bom e o que não foi. Não há condenação, mas misericórdia! Lembremos a parábola do publicano que voltou para casa cheio de misericórdia, porque teve a coragem de dizer que errou, reconheceu quem ele era.Deus nos convida a nos humilharmos diante d’Ele, a reconhecermos quem verdadeiramente somos. O Pai não é um tirano, não nos condena, mas é Aquele que nos espera para nos dar a Sua misericórdia. Não precisamos de ter medo d’Ele!Onde estaríamos se Deus levasse em conta as nossas faltas?Vivemos num mundo onde nada é pecado. Primeiro, o diabo tenta destruir Deus e eliminar o perdão. O nosso pior erro é achar que Deus não vai perdoar os nossos pecados.Não nos podemos esconder do Pai, precisamos de ser como o filho pródigo que voltou para casa. Corramos para os braços de Deus, a misericórdia d’Ele quer nos salvar!O pecado precisa de nos levar a Deus, porque a única coisa que Ele não tem, mas quer ter, são os nossos pecados.Faz silêncio! Olha para ti e não tenhas medo de confessar as tuas faltas. É o Espírito Santo quem nos conduz ao verdadeiro arrependimento!
 

Webdesign Contabilidade Porto Porto Apartments